Flávio Dino escala “pau de mexer merda” para atacar Roberto Rocha…

Saco de pancada terceira parte: a baixaria protagonizada pelo “rato” apenas aponta como serão as eleições de 2022.

Desesperados e sem votos, a turma que destruiu o Maranhão prometendo “mudar” e “fazer diferente do Sarney”, partiu para ataques direcionados ao senador Roberto Rocha.

Jerry (pau de mexer merda) foi escalado por Flávio Dino para atacar quem não reza na cartilha comuno-socialista

A tática é a manjada máxima Stalinista: “acusar outros daquilo que os comunistas fazem de errado”, comumente falado em nossa politica como “atirar a pedra e esconder a mão”, desta feita, Jerry, que saiu da Secid – secretaria das Cidades – mas deixou sua esposa no controle de tudo (por onde sempre fez politicagem com as estruturas públicas), passou a acusar Rocha de suas práticas escusas.

Por outro lado, o senador, que é filho do sertão maranhense, cabra macho que não “guarda almoço pra janta” respondeu ao “pau de mexer merda”, faz tudo de Flávio Dino.

O desespero é nítido com a vinda do presidente do Brasil (pela terceira vez) ao Maranhão, que fez Flávio Dino mostrar toda sua face repleta de rancor e ódio contra os avanços do Brasil, mesmo atravessando o pior momento mundial de inflação e pandemia.

Neste sentido, é até compreensivo que os que atrasaram e destruiram o Maranhão em apenas 8 anos, saíssem em ataques contra o senador aliado de Bolsonaro, que vão estar juntos numa agenda das igrejas da região tocantina, no próximo mês.

Diferente de Flávio Dino, o pré-candidato ao senado pelo Maranhão, Roberto Rocha tem o apoio de vário candidatos ao governo. Embora tenha sido eleito senador num palanque (frente de libertação) cheio de partidos que desejavam “libertar o Maranhão” da politica do grupo Sarney (50 anos), prometeu que vai provar que foi eleito sem a “maquina” e que Dino não terá mais a “popularidade da maquina pública” como alegava sempre.

Antidemocrático, Flávio Dino processou o presidente do Brasil por ter vindo ao Maranhão. Dino, que acusa, xinga e desrespeita um presidente iniciou algo inédito no Maranhão.

Para piorar, o ex-governador Dino, até hoje, não disse onde enfiou a bolada milionária que foi enviada ao estado para aparelhar os hospitais que estavam todos sucateados no período da pandemia, sem falar que as vacinas compradas por Bolsonaro, serviram para fazer publicidades enganosas, como se Flávio Dino que tivesse comprado as vacinas.

Estrebuchando de ódio, a dupla Dino e “pau de mexer merda”, observam o crescimento do presidente Bolsonaro em todo o Brasil, o que preocupa muito e desespera os “comuno-socialistas” maranhenses, uma vez que Flávio Dino vivia xingando o presidente, sem o menor respeito pelo cargo que ocupava, sem postura política, nem de “professor”, cargo que diz exercer para poder atacar suas vítimas, que sempre foram: Sarney, Bolsonaro, e, agora, Roberto Rocha, provavelmente seu “saco de pancada número 3”.

 

Dino ostentando riqueza: Comunismo e Socialismo para vocês do Maranhão, capitalismo para minha turma de “novos ricos”…

Da série “encontre um pobre no casamento de Lula”…

O “paí dos pobres” casou cercado de milionários. Não se viu um pobre no local, na verdade, os banqueiros que lucraram alto estão só esperando pelo candidato da “elite burguesa”, dos “banqueiros” e da “Suprema Corte”, que querem voltar à cena.

Na imagem do dia, Flávio Dino juntamente com outros governadores do Nordeste, os mesmos que desviaram recursos públicos enviados para equipar os hospitais sucateados.

O Maranhão, Nordeste e Brasil que se explodam, eles só querem riquezas.

Enquanto o Maranhão está sem segurança, saúde e na extrema pobreza, Dino está se preocupando com futilidades de militantes.

Ao lado, Flávio Dino ostentando riquezas entre os “ricos da esquerda”: Capitalismo para mim, “comunismos e socialismo para vocês”.

A marca do “comuno-socialismo”: Atraso e pobreza…

Flávio Dino gastou muito em 8 anos (dois mandatos de governador) individuo e inviabilizou o estado, deixando um rombo bilionário para as próximas gerações de pobres do Maranhão pagarem.

 

Bolsonaro sobre observadores internacionais nas eleições: ‘Vão observar o quê? Vão ter acesso ao código-fonte?’

Para presidente, não há necessidade de os integrantes de governos estrangeiros participarem do processo eleitoral do Brasil.

Portal da Cidade –  O presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), questionou durante a live semanal desta quinta-feira, 19, a fala do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, sobre os cerca de 100 observadores internacionais que podem acompanhar o andamento das eleições deste ano no país.

Para Bolsonaro, não há necessidade de os integrantes de governos internacionais participaram do processo eleitoral do Brasil. Isso porque o país é um dos únicos do mundo a utilizar urna eletrônica.
“Pode botar um milhão de observadores. Vão observar o quê? Vão ter acesso ao código-fonte? Vão entrar numa sala secreta para acompanhar a apuração? Qual conhecimento deles em informática?”, questionou Bolsonaro.

Na última terça-feira, 17, Fachin disse que a meta é ter mais de “100 observadores internacionais durante o processo eleitoral no Brasil”. O presidente do TSE citou ainda a criação de uma rede para garantir a presença de “diversas” autoridades de todo mundo ao Brasil.

Casamento de Lula e Janja

Na live de hoje, Bolsonaro também comentou sobre o casamento do ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva com a socióloga Rosângela Silva, conhecido como Janja, que ocorreu na noite de quarta-feira, 18, em São Paulo.
Bolsonaro disse que, até o momento, não soube da presença de nenhum pobre no evento.

“O nosso querido Lula disse que a classe média deveria ter apenas uma TV em casa. Só uma. Olha o casamento dele. Queria saber se algum pobre foi convidado para o casamento dele. Alguém do MST, do MTST, algum quilombola. Algum que no passado invadia terras, algum pobre. Pelo que sei só tinha gente boa lá”, afirmou Bolsonaro.

Veja a live do presidente:

Veja no vídeo: Roberto Rocha denuncia golpe autoritário de Flávio Dino que desapropriou hospital particular em São Luís…

Golpe comunista?

Veja no vídeo: Roberto Rocha compara Flávio Dino aos ditadores comunistas diante de outra intervenção feita em empresa privada. De acordo com um decreto feito com a aprovação dos políticos maranhenses, Flávio Dino tomou um horpital particular (empresa privada) de forma autoritária e ditatorial, da mesma forma como acontece em Cuba e Venezuela.

Pela TV Senado, Roberto Rocha denunciou uma intervenção autoritária feita pelo então governador Flávio Dino, até então no PCdoB, em hospital particular para abocanhar dinheiro enviado por Bolsonaro aos doentes do Maranhão que estavam com hospitais sucateados, precisando inclusive de respiradores, que, de forma absurda, foram comprados com dinheiro enviado por Bolsonaro mais nunca chegaram aos hospitais…

Apenas adivinhem por culpa de quem, quem é o “demônio”?

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Roberto Rocha (@robertorocha_ma)

O decadente e baixo nível do jornalismo militante…

Olha ai a trama maligna da esquerda sendo desmascarada. Ataques ao presidente Bolsonaro, ou: “resistência” pelega movida a propina?

 Jornalismo militante chegou ao nível preocupante…

Jornazistas que atacam o presidente sendo flagrados em esquemas de propinas?

Será que, se a PF apertar um pouquinho mais o cerco, não vai chegar aos governantes que, em nome da “resistência”, desviaram milhões durante a pandemia?

A clássica lição do anti-jornalismo: quando vemos o poste mijando no cachorro, a sociedade está no nível crítico.

 

Chefe de jornalismo da Globo responsável por ‘ataques’ a Bolsonaro é citado em denúncia de esquema de corrupção; emissora anuncia demissão

Terra Brasil – A Globo demitiu nesta terça-feira (17) Tyndaro Menezes, chefe de jornalismo investigativo da emissora no Rio de Janeiro.

O nome do profissional aparece em uma investigação do Ministério Público envolvendo Arthur César de Menezes Soares Filho, conhecido como Rei Arthur, e o delegado Ângelo Ribeiro, afastado da Polícia Civil na semana passada acusado de receber propina do empresário para encobrir inquéritos tributários.

Ambos são acusados de corrupção e lavagem de dinheiro. Em nota, a Globo disse que não comenta questões relacionadas ao compliance e reforçou seu Código de Ética. Nos últimos anos, Menezes se notabilizou em “ataques da emissora” ao presidente Jair Bolsonaro.

Na emissora desde 1992, Tyndaro foi citado sete vezes no documento apresentado pelo Ministério Público contra Ribeiro, feito na semana passada, ao qual o Notícias da TV teve acesso. Na denúncia, o ex-funcionário da Globo teria intermediado um negócio suspeito na área da saúde feito pelo delegado.

Nas conversas, há tratativas sobre valores a receber. O jornalista apresentou pessoas para o delegado, que combinou comissões sobre a compra de insumos para um hospital do Rio. Tyndaro Menezes não foi denunciado, mas é descrito como alguém próximo a Ribeiro, que passava informações privilegiadas para o Rei Arthur sobre movimentações e operações policiais.

O Ministério Púbico não especifica se o ex-chefe da Globo poderia ser uma das fontes de Ribeiro. Contudo, o nome do jornalista aparece na investigação quando a procuradora descreve os negócios de Ângelo Ribeiro no Rio de Janeiro.

Menezes teria tido diversas conversas e trocado mensagens com o funcionário público, em que se chamavam de “amigos”. Eles também são sócios em negócios. A Globo não permite esse tipo de relação, que fere seu Código de Ética.

“As negociações suspeitas propostas pelos delegados ficam ainda mais evidentes, tendo eles se referido, inclusive, ao jornalista Tyndaro Menezes, ligado à Rede Globo. No contexto em que falam sobre compra de insumos médicos e sobre ‘SC’ (Sérgio Côrtes) e família serem atravessadores de uma empresa de São Paulo, Ângelo fala a Victor que Tyndaro não integraria nenhuma empresa, mas, ainda assim, ‘seria prestigiado’”, diz trecho da denúncia.

Em uma troca de e-mails, que consta na denúncia, Ribeiro afirma que vai dividir 1% de comissão de uma nota que retirou mediante acordo de comissão de um produto superfaturado. “Eu vou dividir esse valor com Ty, claro”, comentou o acusado, em momento que mostra intimidade com o jornalista.

Tyndaro Menezes também apresentou Sérgio Pugliese, diretor da empresa Approach Comunicação, para o delegado. Ele comenta o assunto em outra troca de mensagens. “Conheci Sérgio Pugliese através de Tyndaro, claro”, disse o delegado para um interlocutor do processo.

Segundo apurou o Notícias da TV, a situação chegou ao compliance da Globo na semana passada. Jornalistas investigativos da empresa souberam da denúncia do Ministério Público e entraram em contato com o setor. Em sua defesa, Menezes alegou que apenas apresentou pessoas e que não há nada de ilegal no assunto.

A Globo entendeu que a ligação de Menezes com o delegado é, no mínimo, próxima demais e que isso, por si só, já configura uma quebra dos Princípios Editoriais da emissora. O fato de ele ter sido citado por ter, supostamente, recebido dinheiro agravou a situação. A demissão foi comunicada sem direito a despedida.

Procurada pelo Notícias da TV, a Globo enviou o seguinte comunicado: “O profissional citado não está mais na empresa. A Globo não comenta questões relacionadas a compliance. Reitera que tem um Código de Ética, que deve ser seguido por todos os colaboradores, e uma ouvidoria pronta para receber quaisquer relatos de violação. Todo relato é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento e as medidas necessárias são adotadas”.

O Ministério Público confirma a citação do nome de Tyndaro Menezes na investigação, mas ressalta que o jornalista não foi denunciado como réu no processo conduzido pelo órgão, em parceria com o Gaeco (Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado), contra o delegado Ângelo Ribeiro e Arthur César de Menezes Soares Filho. A reportagem não conseguiu contato com Tyndaro Menezes até a publicação deste texto.

Olha ai a buraqueira do Maranhão deixada por Flávio Dino…

Nas redes sociais, o “comunista” Flávio Dino estava alardeando que queria “consertar” as rodovias federais. Mas, como era esperado foi só outro engodo. Para comprovar isso, veja esse vídeo feito pelo deputado do Maranhão, que joga por terra toda molecagem do então governador.

Pelas redes sociais, o deputado estadual Wellington do Curso, PSC, denunciou a situação de abandono da MA-332 que liga Cantanhede a Pirapemas. Confira:

O deputado estadual Wellington do Curso utilizou as redes sociais, nesta segunda-feira (16), para expor a triste realidade das estradas do Maranhão. Uma delas é a MA-332, que liga Cantanhede a Pirapemas, e está repleta de buracos e quase intrafegável.

“O ex-governador Flávio Dino destruiu o Maranhão. Prova disso é como as estradas maranhenses estão, quase que intrafegáveis. Vejam só a MA-332: uma importante estrada que liga Cantanhede a Pirapemas e está repleta de crateras. Pelo que se sabe, já foram gastos quase R$ 8 milhões em operações para tapar buracos. Por isso, levarei ao Ministério Público essas informações para que apure o destino desses recursos. Não é possível que uma estrada nessas condições tenha recebido qualquer investimento nos últimos anos. Além disso, encaminhei ao atual governador Carlos Brandão uma indicação em que solicito a recuperação asfáltica. Quem percorre as estradas maranhenses sabe da situação de abandono que enfrentamos. É essa triste realidade que estamos na luta para mudar”, disse o deputado estadual Wellington do Curso.

Cirúrgicamente, a saída do governador no momento mais delicado…

 Quem assumirá o Maranhão que está sem rumo?

Casa da mãe Joana: Sé é verdadeiro que, quem manda de fato na Assembleia Legislativa do MA, é Flávio Dino, ele voltará a assumir o controle na ausência de Brandão, seu ex-vice.

No pior momento em que a população da baixada maranhense está sem transporte, o recem empossado governador precisará sair de cena e deixar, neste caso, o controle da maquina pública nas mãos de Flávio Dino, explicando:

Flávio Dino de volta ao poder pelas mãos de Othelino?

A notícia do meio politico será a saída do governador Carlos Brandão, que pouco mais de um mês assumiu o cargo de governador, com a desistência de Flávio Dino, que está abertamente num palanque, e ainda apareceu recentemente nas redes sociais fazendo exercícios físicos, prometendo brigar com Bolsonaro. Molecagem?

A saída de Brandão poderá ser uma mera ação midiática, ou mesmo uma nova tentativa de Dino retornar ao poder.

Ué, mas o Brandão, enquanto vice-governador teve tanto tempo para ser “operado” mas justamente neste momento delicado precisa ser afastado? Não duvidem de nada vindo deste grupo.

A cirurgia politica:

Na substituição do governador Carlos Brandão, quem assumirá o governo será o presidente da Assembleia Legislativa, ou o presidente do Poder Judiciário.Só lembrando que Othelino Neto (PCdoB), que ocupa o cargo (inconstitucionalmente) há quase 8 anos, que é, todos sabem, um preposto de Dino, portanto, quem manda no Legislativo e poderá mandar novamente, por tabela, usando o Executivo (que sempre usou e abusou) mesmo depois de sua saída.

Assunto de saúde é delicado, falar sobre um tema assim não é fácil, mas é preciso encarar a situação drástica que estamos atravessando e cobrar a atitude de quem assumiu o posto de governador, em pleno momento eleitoral, sendo que passou vários anos para “botar a máquina em forma”, cuidar de sua saúde, mas parece que deixou tudo para depois, e justamente agora, neste delicado momento, ter que sair de cena.

Complicado, né?

E ai, Duarte Jr: “Bora se explicar”?

Na imagem do dia, a sátira das redes sociais ao “garoto propaganda” do comuno-socialismo, Duarte Jr., que saiu do anonimato para ocupar secretarias do governo de Flávio Dino e se projetar na politica.

Bora aparecer no Ferryboat?

Duarte, apelidado pela turma de Maragato de Choquitox, usou a frase “Bora Resolver” como tema de campanha a prefeito, mas depois que perdeu, de lá para cá, anda sumido sem “resolver nada”.

Pesa contra o filhote Dino-Brandonista o loteamento do Procon, que irresponsavelmente, nunca mais foi visto fazendo batidas em postos de combustíveis e supermercados, que são justamente apontados por Flávio Dino para acusar o presidente do Brasil, culpar pela inflação (que resultou da pandemia) como se o próprio não tivesse elevado os impostos e não tivesse culpa de nada.

E aí, Duarte Jr, Bora aparecer, Bora se explicar?