Paulo Victor chora diante da missão de deter Braide…

O uso da maquina em beneficio do atraso, como era feito no tempo das “oligarquias”…

Secretaria de Cultura sendo conduzida eleitoralmente?

Durante encontro com servidores da Cultura, na manhã desta quarta-feira, 25, o secretário teria implorado, e até chorado, para que todos os funcionários, na maioria comissionados, apoiassem o candidato do governo nestas eleições.

Cabidão da Secma? Levanta a mão quem é comissionado…

Aliados de Braide, que estavam presentes ao encontro da Secretaria de Cultura que aconteceu no Convento das Mercês, comentaram que tudo estava indo bem, até que o secretário Paulo Victor mandou a real, dizendo que tem como principal missão “fazer oposição ao prefeito de São Luis”.

Democracia ao estilo comunista:

Ora, que missão é essa, que pretende usar o poder Legislativo municipal contra o Executivo municipal? Estão repetindo a mesma tática na esfera federal, de “fazer resistência”, ainda que prejudicando a população?

Paulo Victor, deverá ter como principal missão, logo após as eleições de governador e senador, fazer oposição ao prefeito de São Luís, usando o cargo de presidente da Câmara.

O vereador licenciado, teria dito com todas as letras, pasmem: “que vai assumir a presidência para fazer oposição ao prefeito de São Luís”, vale ressaltar que, recentemente, obteve votação de todos os vereadores de São Luís, com a clara  intromissão do poder Executivo do Estado ao seu favor.

Como podemos mudar um estado (sair do atraso) se na capital a política ainda está sendo conduzida com a mesma mentalidade de “50 anos atrás”?

Cazumbá alienígena e bandeirolas ao peso de ouro:

Aliados de Paulo Victor, nas redes sociais, criticaram o enfeite colocado pelo prefeito de São Luís, na cabeceira da ponte do São Francisco, chamando de “cazumbá alienígena”, mas nada disseram sobre a equipe “importada” que veio enfeitar as ruas de São Luís com bandeirolas.

São João eleitoral parece que vai sair caro, com dinheiro no balde, depois de quebrar tudo, como fez o “ex-juiz” é só jogar a culpa da pobreza no Sarney, ou no Bolsonaro…

Boracumê: Culinária maranhense direto da Feirinha São Luís para a Litorânea…

Acontecerá nesta sexta-feira, 27, a inauguração do restaurante tipicamente maranhense, o Boracumê, que fica na praça de alimentação do Vila Boracay da Avenida Litorânea.

Segundo a cheff de cozinha, Vinólia Botelho e sua sócia, Laudenice Campos, as especialidades da casa serão: peixe-frito e arroz de cuxá, patinha de camarão e casquinho de caragueijo, camaroada, buxada (mocotó) e sarapatel, são algumas das delicias que estarão sendo servidas no Boracumê da Litorânea.

Sexta-feira, a partir das 18h, e na próxima semana, o dia todo com almoço e jantar.

Pedidos de delivery: 982653167

Estrategista consagrado no país recebe Titulo de Cidadão Mineiro

O estrategista político Paulo Moura vai receber no próximo dia 30 de maio o “Título de Cidadão Mineiro” em Belo Horizonte.

O evento será na Câmara a partir das 18h30. A indicação foi fo vereador Wanderley Porto.

Moura atuou em pré campanha no Tocantins e é sondado por vários grupos para a campanha deste ano. Ele está dentre os 100 principais do mundo na área.

Sobre Moura

Quando o assunto é estratégia e inteligência política, Paulo Moura é nome de referência no mercado nacional e internacional. Ao longo das últimas décadas, ele elaborou, contribuiu e participou de mais de uma centena de campanhas (quase todas vencedoras) e arrebatou premiações como o Reed Awards, considerada o Oscar do setor, por quatro vezes consecutivas.

Ele foi entrevistado este mês pela Gazeta quando fez análise sobre o cenário no Tocantins.

Assista a íntegra da entrevista:

Revista Veja mostra o rombo deixado por Lula no Maranhão: Algum político para comentar sobre o engodo que gerou mais atraso e pobreza?

Alô, Lula, Flávio Dino: Esqueleto de Refinaria precisa ser discutida nas eleições de 2022. A equerda tem moral para reclamar de preços dos combustíveis ou não? 

Políticos precisam trazer o golpe da refinaria para as eleições de 2022. A população de dois municípios até hoje lutam com os prejuizos: Bacabeira e Rosário, que se mobilizaram para receber o “Eldorado” prometido por Lula, estão há quase uma década esperando uma explicação. 

Esqueleto de Refinaria que elegeu Dilma, sucessora de Lula do PT segue esquecida por Flávio Dino. Quando nossos políticos do PSB, PT, PSDB, PSOL, etc, vão se pronunciar sobre o golpe que lesou, atrasou e empobreceu ainda mais nosso estado?

Enquanto nossos políticos, candidatos, se esquivam e seguem calados, a reportagem da Veja segue sem respostas. Confira:

Após eleição que sagrou a então mandatária da Petrobras, Dilma Rousseff, a primeira presidente do Brasil, as obras pararam e todos calaram, nunca mais se falou nada.

Dia 15 de janeiro de 2010. Num palanque montado na pequena cidade de Bacabeira, no Maranhão, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursava sobre a possibilidade de equiparar a economia do Nordeste à do Sudeste: “Por trás de um empreendimento desses, virão hotéis, restaurantes, estradas e uma série de coisas que nós ainda não conseguimos enxergar”.

Lula referia-se à construção daquela que seria a maior refinaria do país e a quinta maior do mundo, a Premium I: cuja pedra fundamental era lançada naquele instante. Junto a ele estavam petistas e aliados de outrora: a ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, o ministro de Minas e Energia Edison Lobão e o presidente da Petrobras Sergio
Gabrielli.

No meio da plateia, a agricultora Maria José de Sousa, de 53 anos, assistia atenta à cerimônia. Era a primeira vez que via aquelas ilustres figuras no município de 16.000 habitantes, a 40 quilômetros de São Luís. De todos os discursos que ouviu, o que mais lhe chamou atenção foi o da governadora Roseana, que prometeu pagar uma
bolsa de 500 reais e dar uma casa nova às famílias que moravam no terreno onde seria instalada a refinaria.

Maria José estava feliz com a possibilidade de ser uma das beneficiárias. Para isso, precisaria abrir mão da área onde morava e entregá-la à Petrobras. Em troca, ganharia uma casa num conjunto habitacional com outras cerca de 200 pessoas cujas terras seriam desapropriadas. A expectativa de mudança ainda lhe causava um frio
na barriga. “Todo mundo da comunidade foi para lá ver o Lula. Mas não conseguimos chegar muito perto porque tinha muita gente. A refinaria criou muita expectativa no nosso povo. Achávamos que nossa vida melhoraria muito, que haveria emprego para nossos filhos e netos”, afirmou.

Passados cinco anos do evento, Maria José e as demais famílias da cidade vivem precariamente. Não recebem em dia os benefícios prometidos pela então governadora, não possuem o emprego garantido por Lula e não podem continuar plantando, já que suas terras pertencem à estatal e se tornaram impróprias para o plantio, devido à terraplanagem da área. O cenário é de miséria total.

Quase Pasadena – A Premium I foi idealizada pelo governo petista dentro da estratégia megalomaníaca de refinar petróleo no Brasil para transformar o país em exportador de óleo diesel. Abreu e Lima existe para provar que o plano deu errado. Prevista para custar 2 bilhões de dólares, a obra está inacabada, já drenou 18 bilhões de
dólares do caixa da Petrobras e foi alvo de investidas corruptas dos ex-diretores da estatal, de acordo com as investigações da Operação Lava Jato. Analistas garantem que dificilmente a refinaria dará à empresa o retorno do que foi investido.

Depois da descoberta do pré-sal, o então presidente da República usou a política de refino para angariar apoio político em alguns Estados, sob o pretexto de trazer desenvolvimento regional – e o Maranhão se enquadra nesse xadrez. Mas, diante do choque de realidade com o qual a Petrobras se deparou nos últimos três anos, as
empreitadas não só foram canceladas (além da Premium I, a Premium II, no Ceará, também saiu do radar), como a Petrobras recentemente anunciou mudanças em toda a sua estratégia: investirá prioritariamente em exploração de petróleo, não mais em refino. Levando em conta os altos custos de produção no Brasil e a queda do preço do barril do petróleo no mundo, a estatal deu-se conta de que o refino é um péssimo negócio para países cuja indústria não é competitiva, como o Brasil.

Ao site de VEJA, um ex-conselheiro da estatal disse, sob condição de anonimato, que a refinaria maranhense já havia sido descartada em 2012. “Quando Graça assumiu, ela deixou bem claro que as refinarias só sairiam quando se provassem economicamente viáveis. A Premium não era, e ela sabia”, afirmou o conselheiro. A petroleira chinesa Sinopec se interessou pelo empreendimento, mas não conseguiu concordar com a Petrobras quanto à taxa de rentabilidade mínima. A chinesa pedia 12% e a Petrobras queria 8,7%. Em áudio obtido pelo jornal O Globo, Graça Foster comparou a Premium I ao fiasco de Pasadena. Foi justamente a taxa de retorno mínimo, chamada de Cláusula Marlim, que elevou em quase 800 milhões de dólares o rombo da refinaria americana no caixa da estatal. “Como a gente pode garantir a eles uma taxa de 12% ao ano? É a cláusula Marlim vezes dois”, disse, entre risos.

Lava Jato – Antes de ser cancelada, a Premium I passou por apenas uma obra: a terraplanagem da área, que custou 583 milhões de reais. Mas até uma atividade tão corriqueira no setor de infraestrutura foi, tudo indica, alvo de contravenção. O Tribunal de Contas da União apontou superfaturamento no contrato com empresas de
tratores, além da falta de estudos de viabilidade técnica. O balanço da Petrobras de 2014 relata baixa contábil de 2 bilhões de reais com a refinaria.

O serviço de terraplanagem também abriu um leque de possibilidades para os envolvidos na Operação Lava Jato. O Ministério Público Federal (MPF) detectou indícios de pagamento de propina a políticos para direcionar os contratos da Premium ao consórcio formado pelas empreiteiras Galvão Engenharia, Serveng e Fidens. A
Premium I também aparece nos depoimentos de delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e do doleiro Alberto Youssef. Eles relataram à PF que as construtoras pagaram propina de 1% sobre o valor do contrato para construção da refinaria aos deputados do PP, Luiz Fernando (MG)
e José Otávio (RS).

Além das citações referentes às obras de terraplanagem, o ex-diretor afirma que tratou de propina para a campanha de Roseana Sarney ao governo do Maranhão em 2010 durante reuniões cujo tema central era a refinaria. O dinheiro – cerca de 2 milhões de reais – teria sido pedido pelo ex-ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Curiosamente, Alberto Youssef foi preso em São Luis, no Maranhão, tratando de negócios suspeitos.

PDT comanda nova “frente de libertação” e traz o PL de Josimar de Maranhãozinho para oposição ao FlávioDinismo…

Oposição fortalecida:

Weverton agradece ao PL do Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, a entrada na disputa contra Flávio Dino no Maranhão.

 Cheque-mate nos Leões: PL de Bolsonaro entra na disputa contra Flávio Dino no Maranhão

Cheque mate nos Leões: Quem diria que Weverton Rocha do PDT conseguiria driblar os “Leões ferozes” e conseguiria trazer Josimar de Maranhãozinho  do PL para a oposição ao FlávioDinismo?

Com a entrada do PL, alinhado ao grupo de Bolsonaro na esfera federal, o campo das oposições deu mais uma passo, avançando contra o controle político de Flávio Dino, que de forma óbvia, apenas observa o crescimento natural de seu adversário ao senado, Roberto Rocha.

Com a vinda do PL, quem mais cresce é Weverton e Roberto Rocha.

Pior para seu palanque senatorial, pois, da mesma forma que dantes, as oposições maranhenses uniram-se, para derrotar os Leões do Palácio, não mais contra o Sarney, mas para quem prometeu ser diferente do Sarney, e só piorou nossa política.

E quem diria que o PDT, como dantes, estaria no comando da manobra que trouxe o PL de Bolsonaro e Josimar de Maranhãozinho?

Já o Flávio Dino, que observa sua “popularidade” esvair-se, tornando-se cada vez mais um “antipático”, que em poucos meses, conseguiu a proeza de desmanchar toda sua “força politica” que conseguiu através da imposição da maquina pública.

Com a confirmação do PL, uma nova “frente de libertação” iniciada pelos políticos dos partidos: PDT, PL, PTB e PSC.

O soberbo Flávio Dino, tal qual o João Doria de SP, só colecionou antipatias:

98 de 100 lideranças políticas do Maranhão, falam em não apoiar, nem votar, em Flávio Dino. Traidor e ingrato, Flávi Dino tornou-se tão antipático que poucos aliados ainda lhe restaram para tolerar sua juizite política.

Confira abaixo, na votação feita por Josimar de Manhãozinho:

“Fica em casa”: Velho da Havan manda recado para o “negacionista” João -tranca tudo- Doria….

“Fica em casa”, aventureiro.

Sabem aquele que chamava a todos que ousavam questionar a “vachina”, de serem “negacionistas”?

Recado bem dado ao traidor “Bolso-Doria”.

Na tuitada do dia: Com 1% de chances de ganhar as eleições, apostando tudo numa vacina chinesa, como trampolim político, o ex-governador, ex-prefeito de SP, João Doria, se despediu de forma melancólica das eleições…

Negacionista 1%

Se o Doria atentasse para os detalhes científico-estastísticos, talvez o então governador de SP, cargo eletivo que só conseguiu através do apoio do então candidato a presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, talvez pudesse ser poupado de um papel tão vulgar.

Conhecido pelo apelido de “velho da Havan”, o empresário catarinense, dono das Lojas Havan, empreendedor que mais gerou empregos (pós-pandemia) no Brasil, criticou o político com passagem meteórica pelos poderes da principal metrópole do Brasil.

João Agrepíno Doria, valendo-se de frases de efeitos, tentou enfraquecer o presidente do Brasil, a quem traiu depois de eleito (Bolso-Doria) dedicando-se numa ridícula aventura eleitoreira, que quase destruiu por completo o estado de São Paulo.

Daqui pra frente, com seu 1% de chance de eleger-se a algum cargo político, Doria terá que sair de casa e apostar noutra coisa além da “vachina”.

“Miliciano”, Flávio Dino?

Sobre “milícia”: Ao professor constitucional tá valendo a máxima de acusar outros daquilo que pratica?

Acusadores de Bolsonaro, Dino e militantes da imprensa gastaram horas preciosas acusando o presidente do Brasil de toda sorte de absurdos.

Extra: jornalista do Maranhão expôs fragilidade do ex-comunista, e agora “socialista”, Flávio Dino, que se diz “professor constitucional” e defende o Lula com unhas e dentes, acusando o presidente do Brasil de ser miliciano, genocida, até demônio. Democrático esse Flávio Dino, hein? 

Imaginem o quadro de uma eleição onde milícias armadas pedem votos e obrigam os moradores dos morros votarem em candidatos que defendem bandidos, que ajuizam na Suprema Corte que a Policia seja impedida de entrar nas bocas de fumo, que pedem abertamente a liberação das drogas, dos roubos e a liberdade dos traficantes.

Dizem que no Maranhão bandido tem lado político e vida boa: saidinha e saidona, motel, festança, televisão e celulares, se duvidar até salários.

Apenas imaginem que o Maranhão chegou bem perto de ser controlado pelo sub-mundo do crime, talvez até por acordos espúrios com lideres de facções, que mandam assaltar e matar populares.

Confira abaixo, trecho da reportagem do jornalista Linhares Jr:

Em janeiro de 2016, após um ano da primeira gestão do governador Flávio Dino, uma denúncia grave foi divulgada nacionalmente. Segundo o presidente do Conselho Diretor da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) na época, Wagner Cabral, o governo do Maranhão fez um pacto com o crime organizado. “Para manter a paz (nos presídios maranhenses), o governo se rendeu à lógica dos criminosos”, afirmou. O acordo é visto agora como o resultado de 6 anos de enfraquecimento das forças policiais. Membros da polícia suspeitam que a falta de investimentos na polícia foi proposital. Em contrapartida, os investimentos em melhorias no setor penitenciário foram tão grandes que até cabines íntimas chamadas de “motéis para presos” foram construídas.

UMA MÃO SUJA A OUTRA
Assim que assumiu o governo do estado em 2015, Flávio Dino deparou-se com um problema sério no sistema penitenciário do Maranhão. Pedrinhas era considerado um dos presídios mais violentos do país. De súbito, as mortes cessaram e a situação foi mantida sobre controle. Desde então, Pedrinhas registrou apenas fugas espetaculares e mais nenhuma rebelião de grandes proporções.

Após um ano da gestão comunista, Wagner Cabral fez uma denúncia de repercussão nacional em que acusava o governo de Flávio Dino de ter pacificado os presídios rendendo-se aos criminosos.

Além de Cabral, o advogado Luís Antônio Pedrosa, também membro da SMDH, denunciou o que seriam “concessões a facções criminosas”.

De acordo com os dois, controle do sistema penitenciário está custando um preço alto para a sociedade maranhense. “Ações criminosas, em que facções operam assaltos a ônibus, latrocínios e explosões de banco, estão ocorrendo com maior intensidade”, disse Pedrosa na época.

A denúncia teve repercussão nacional na época. Uma fonte do blog afirmou que a “operação abafa” foi tocada pelo governo e conseguiu apagar a notícia em alguns sites como Uol, Istoé, Istoé Dinheiro, BOL e MSN.

Outros sites mantiveram a denuncia Estado de Minas, R7, Diário de Pernambuco e Estadão

DESCONFIANÇA
Segundo policiais ouvidos nas polícias Militar e Civil, a principal razão da explosão de violência no estado se dá pelo sucateamento das forças de segurança promovida durante o governo Flávio Dino. As péssimas situações de trabalho, falta de equipamentos, influência política e baixo efetivo de policiais já é encarado por alguns como parte do acordo.

“A polícia foi sucateada durante a gestão dele (Flávio Dino). Muitos de nós têm a certeza de que isso é resultado do acordo denunciado ainda no começo da gestão”, disse um oficial da PM.

MERA COINCIDÊNCIA?
Se a ineficiência do trabalho das forças policiais é evidenciado pela explosão na violência, por outro lado o sistema prisional no Maranhão deu um salto de qualidade inédito na história do país. De estado em que eram frequentes rebeliões com degolamentos, o Maranhão passou a ser o estado que oferece até “motéis para presos”. O sucesso no setor foi tão grande que o único prêmio de excelência recebido por Flávio Dino em sete anos de governo foi no sistema penitenciário.

O fato foi noticiado AQUI na época. O PSB, atual partido de Flávio Dino, também noticiou o ocorrido.

Outro fato de repercussão nacional foram os chamados “motéis para presos”, que também teve repercussão nacional (veha AQUI)

Coincidência ou não, os sete anos de Flávio Dino resultaram na piora da vida de quem é policial e na melhoria de quem cometeu e comete crime.

Osmar Filho participa da Cavalgada do Cabeça Branca, em Pindaré-Mirim

Neste domingo (22), o presidente da Câmara Municipal de São Luís, Osmar Filho (PDT), esteve em Pindaré-Mirim, onde prestigiou a tradicional Cavalgada do Cabeça Branca.

Junto com seu companheiro de partido, senador Weverton Rocha, que é pré-candidato ao Governo do Maranhão nas eleições majoritárias deste ano, o vereador participou do evento ao lado da vereadora Caçula Muniz, do seu marido Michel e de várias lideranças políticas da região.

“É uma satisfação compartilhar esse momento com os moradores do município. Vocês fizeram uma festa linda, amigos pindareenses”, disse.

Pré-candidato a uma vaga no Legislativo Estadual, Osmar Filho tem percorrido o estado, dialogando com lideranças políticas e comunitárias sobre as necessidades de cada município por onde passa. E em Pindaré-Mirim não foi diferente. Além de Cavalgada, o pedetista ainda participou de reuniões políticas e programas de rádio local.

Na última quinta-feira (19), o vereador participou de mais um evento da caravana “Maranhão Mais Feliz”, no bairro do São Cristóvão, em São Luís. O evento deu início a uma série de encontros que serão realizados semanalmente na capital maranhense e teve como anfitriões a ex-vereadora Bárbara Soeiro e seu filho, o vereador Octávio Soeiro (Podemos), grandes lideranças da região.

“É uma felicidade estar aqui neste evento, que acontece no bairro onde nosso pré-candidato deu seus primeiros passos na vida pública. Agradeço também a família Soeiro por esta grande acolhida e amizade”, falou Osmar na oportunidade. Ele acrescentou que na Câmara Municipal tem trabalhado com afinco para resolver questões que inquietam a população ludovicense, como transporte e saneamento e, que com Weverton no Governo do Estado terá um parceiro para continuar seu trabalho na Assembleia Legislativa.

Ditadura da Toga: Deputado perseguido pelo STF explica o motivo óbvio de exercer sua liberdade…

Daniel Silveira: “Não vou usar tornozeleira, eu fui indultado pelo presidente da República! O judiciário deve fazer seu papel e apenas validar e arquivar o processo”.

O deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) voltou a desafiar as decisões do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Durante motociata em apoio ao governo federal, no Rio de Janeiro, o parlamentar afirmou que retirou a tornozeleira eletrônica após a graça concedida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

O magistrado, no entanto, não liberou Silveira de cumprir as medidas cautelares, como o uso da tornozeleira eletrônica, impostas a ele no processo que apura ataques à Corte.

“Eu nem poderia usar naquela época. Hoje, é que eu não uso mesmo. Eu fui indultado pela graça. Quando o Judiciário tem o perdão presidencial, é meramente declaratório o reconhecimento. O Judiciário não faz mais nada, só declara a extinção“, afirmou Silveira, no fim da manifestação. Logo depois, vídeo publicado nas redes sociais mostra o parlamentar subindo num carro de som, no Aterro do Flamengo, zona sul do Rio.

A motociata em apoio ao governo federal saiu do Parque Olímpico, na zona oeste do Rio, até o Monumento dos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, um trajeto de cerca de 40km. (Correio Braziliense)

Capitalismo para mim, socialismo para os trouxas: Governador passa bem num hospital em SP enquanto nas UPAs do Maranhão falta até dipirona?

O Maranhão real saltando das telas da alienação:

A culpa do atraso e (extrema) pobreza: os “políticos da mudança” fazem questão de ostentar que são ricos, que podem tudo, que fazem tudo para empobrecer o cidadão que paga impostos pesados, aumentados sem pena, durante 8 anos.

Sabem o motivo da preferência de tratar-se num hospital de São Paulo?

Nas imagens publicitárias dos amigos do comunismo, que encheram-se dos milhões retirados da pobreza de um povo sofrido que acreditou nas promessas e engodos de um “ex-juiz” que oportunamente apareceu prometendo acabar com a pobreza, a corrupção, segundo Flávio Dino “a culpa da pobreza era o roubo”, mas, que, da mesma forma ou pior que os outros, investiu apenas em propagandas e não acabou com a pobreza, ou “os roubos”.

Flávio Dino, que ainda manda de fato, faz o mesmo que os de sempre.

E as UPAS administradas pela ONG comunista-recheada de apaniguados, como estão?

Além de piorar a política, fazendo que as pessoas de bem, eleitores importantes passem a desconfiar nas pessoas bem intencionadas (sim, no meio dos péssimos existem os bem intencionados, que podem fazer diferentes dos corruptos) que acabam jogando todos no mesmo saco e deixando de votar, quando não, vendem o voto com a desculpa de que “todos são ladrões” por isso vende o voto por dinheiro fruto da corrupção.

Então, ficou óbvio, o motivo da preferência dos “políticos da mudança” de tratarem-se nos hospitais de São Paulo?

Fico imaginando se o presidente Bolsonaro não enviasse bastante dinheiro (bilhões) para equipar os hospitais sucateados do Maranhão, os mesmos que seus gestores desviaram respiradores…

Será que os políticos da “mudança” conseguem mostrar nas usas propagandas quais as diferenças de um hospital caro de SP para uma UPA lotada de doentes franzinos, que disputam atendimento num bairro de São Luís, no Socorrão da capital, ou num posto de saúde das 217 cidades, que devido as precariedades, mandam seus pacientes de ambulâncias para a capital do Piauí?