O deputado estadual Sousa Neto (PROS) ocupou a tribuna, na sessão plenária desta terça-feira (27), na Assembleia Legislativa para denunciar suposta máfia instalada na Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA) do Governo Flávio Dino (PCdoB) para coagir produtores rurais em troca da liberação do licenciamento ambiental e da outorga de uso de águas superficiais. Ele anunciou que vai solicitar apuração e esclarecimento dos fatos.

Na oportunidade, Sousa apresentou documentos e leu o relato de um produtor que mostra como funciona o esquema para obtenção das certidões, o que tem dificultado a liberação de empréstimos do Programa da Agricultura Familiar (Pronaf) junto aos bancos. “No Maranhão, são milhares de agricultores rurais, os bancos têm dinheiro para financiar esses pequenos produtores, só que a Secretaria de Meio Ambiente não consegue e não dá a licença ambiental que eles tanto precisam. Está aqui uma carta que eu recebi de um produtor rural que conseguiu R$ 4 mil pelo Banco do Nordeste. O carnê já chegou, está pagando a prestação, mas a SEMA não dá a licença. Um funcionário cobrou R$ 4 mil para liberá-la, sob pena de esperar por 6 meses para poder estudar o caso. Esse é o Governo da propina e não podemos aceitar isso”, apontou o parlamentar.

No final de maio, o deputado promoveu uma audiência pública para tratar do tema, com a presença de grupos de produtores de várias regiões, representantes de órgãos estaduais, federais e municipais e a classe acadêmica. “Há ainda um impasse entre o decreto do governador Flávio Dino e uma portaria da SEMA, que tem dificultado muito a vida dessas pessoas que trabalham e que têm o compromisso grande para poder ter o seu ganha pão. Os projetos são encaminhados aos bancos, mas a Secretaria de Meio Ambiente simplesmente não libera a outorga e a licença ambiental. Isso tem causado um prejuízo muito grande ao setor produtivo, a economia do Estado a todos que realmente querem que seus projetos sejam contemplados”.

Sousa Neto cobrou resposta do Governo sobre práticas supostamente ilícitas para a liberação ambiental no Maranhão. “Grandes condomínios conseguem suas licenças sem burocracia.  Quer dizer que os pequenos não conseguem a licença ambiental, e aqui ele está acusando os grandes condomínios de terem suas licenças liberadas. Porque essa mesma Secretaria não vetou a liberação de um prédio na Península da Ponta da Areia que está invadindo a praia? É uma pergunta que não quer calar”.

Providências

O deputado informou que entrará com um requerimento solicitando esclarecimentos a respeito das denúncias e a resolução do grave problema. “Vou entrar com um requerimento pedindo ao secretário Marcelo Coelho para que sejam tomadas as providências cabíveis, identificando e punindo esse servidor que esteja cobrando esse tipo de propina dentro da SEMA. Os pequenos agricultores têm que buscar empréstimos para manter seus negócios e ainda precisam dar dinheiro para obter o licenciamento. Fica aqui o meu protesto a esse Governo”.

Ainda em 2016, cantei a pedra que Flávio Dino seria o culpado pela volta de Roseana Sarney em 2018. Comunistas fizeram pior que o grupo Sarney, agora, não adianta “derramar a máquina” como fizeram nas eleições de 2016…

Roberto Rocha lança a terceira via…

Minha análise sobre as eleições municipais de 2016 foram de derrota para o comunismo. Após perder em várias cidades importantes, como Imperatriz, Caxias, Barreirinhas, Pinheiro, etc, só não perdeu na capital por causa do grande volume de recurso derramado, disse que Flávio Dino ia trazer Roseana de volta à cena política. (Confira aqui).

Não adianta culpar ex-aliados, quem trouxe Roseana Sarney de volta à cena política foi a desastrosa gestão do governador Flávio Dino, que conseguiu ser pior que a ex-governadora. Abaixo, trecho da entrevista com o senador Roberto Rocha (PSB) afirmando que “a volta de Roseana Sarney é culpa de Flávio Dino”.

Roberto Rocha elencou motivos relativos ao crescimento econômico do estado, declarando que o atual governo não tem planejamento.

“O maranhão precisa ter o seu parque industrial, precisa ter obras de infraestrutura para crescer e se desenvolver. Pare pra ver e pergunte se em 3 anos do governo que prometeu mudar o Maranhão da água pro vinho, que prometeu em 4 anos resolver todos os problemas, mas que vai dizer, no ano que vem que não deu tempo, que vai precisar de mais 4… o que ele tem planejado para 2018 , 2020, qual o Maranhão que esse governo projeta para 2020 ou 2030? Qual o plano, qual o projeto?”, questionou.

Roberto Rocha também afirmou estar sendo chamado, por lideranças políticas e pelo povo, para ser candidato e afirmou que nem precisaria ser candidato se o governo de Flávio Dino estivesse sendo satisfatório:

“Eu não preciso ser governador do Maranhão. Eu sou senador da república e meu mandato vai até 2022. Mas, se eu for chamado pelo povo, como eu estou sendo… por onde ando, pelo Maranhão, há uma frustração violentíssima. E sabemos que é verdade.  A maior obra do governo Flávio Dino é trazer Roseana de volta para a candidatura de governadora. Isso não se cogitava há dois anos atrás.  É exatamente o fracasso do governo dele, medíocre, pobre, é que está fazendo com que parcela da população volte a lembrar do governo de Roseana.  E é exatamente nesse cenário que eu quero disputar: entre a candidatura dele e a candidatura dela. Para oferecer ao Maranhão uma oportunidade de ver um estado que possa realmente se desenvolver. Um estado que possa descobrir em si mesmo o seu potencial e usar o governo para melhorar a vida do povo. Não pra ter um projeto de poder, mas um projeto de governo e mais: um projeto de estado”, declarou.

Ouça a entrevista na íntegra clicando aqui:

Parece brincadeira, mas é sério, até bumba boi estão copiando e vendendo.

Viuxe!!! Em Axixá, prefeita contratou Bumba meu boi plagiado, como sendo o verdadeiro. Os donos do autentico boi estarão entrando na justiça pelos danos do autentico, que estaria sendo copiado e vendido para a prefeita como sendo “original”.

Dizem que foi jogo combinado, que a prefeita e secretária de Cultura sabiam de tudo, mas, preferiram levar “gato por lebre”, neste caso, trocaram o Boi de Axixá de verdade pela versão tabajara.

Abaixo, nota do Boi de Axixá:

 

NOTA DE REPÚDIO

O Boi de Axixá, grupo com 58 anos de contribuição ao folclore maranhense, vem a público repudiar o uso indevido de seu nome, em contratações pelo interior do Estado.

A diretoria do grupo lamenta que grupos necessitam cometer tais atos para, somente assim, conseguir contratos durante a temporada junina.

As medidas judiciais cabíveis já estão sendo tomadas, junto a contratantes e grupos contratados equivocadamente, uma vez que esse tipo de prática criminosa requer uma ação eficaz na Justiça, em quem o Boi de Axixá tem total confiança.

O Boi de Axixá reafirma seu compromisso com  admiradores e fãs que reconhecem a tradição do grupo que nunca precisou usar de má fé para fazer história no São João do Maranhão.

A Diretoria

Cutrim deixou de “atacar” grupo Sarney, agora seu alvo é o pré-candidato a deputado federal, Jefferson Portela de sua própria legenda, o PCdoB.

O deputado estadual, ex-secretário de Segurança, Raimundo Cutrim, de repente passou a criticar um aliado comunista que pretende se candidatar a deputado federal nas eleições de 2018. Parece que, enfim, o deputado estadual Raimundo Cutrim deixará em paz o ex-secretário de Segurança do governo Roseana Sarney, Aluísio Mendes (Podemos).

Abaixo, os “ataques” comunistas de Cutrim.

Acompanhado de técnicos e do superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o deputado estadual Wellington do Curso (PP) vistoriou, na manhã de hoje (26), trechos das obras que ocorrem na BR-135. O objetivo da vistoria foi confirmar o andamento das obras, que garante que o trecho de 7km será entregue em até 10 dias.

A última previsão dada pelos representantes do Dnit era que até dezembro de 2016, as obras seriam concluídas, o que não aconteceu.

“Estamos na luta e mobilização para finalização das obras há tempos. Fazemos isso por entender que a finalização de tal obra beneficiará e implicará no desenvolvimento do nosso Maranhão. O atraso da obra, segundo o DNIT, foi decorrente de quatro fatores: condições de solo do Campo de Perizes, que exigiam complexas soluções de engenharia; dificuldades de negociações nas indenizações; questões climáticas (chuvas) e, o principal, falta de pagamento. Tivemos uma ação conjunta e os parlamentares federais conseguiram recursos para que os pagamentos fossem atualizados, por meio de emendas impositivas. Agora, saímos de tal vistoria com o compromisso por parte do Dnit de liberar o trecho de 7 km em até 10 dias. Quem ganha com isso é a população”, pontuou Wellington.

As obras de duplicação da BR-135 foram fiscalizadas pelos deputados da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara Federal (CFCC), entre eles Rubens Pereira Júnior (PC do B), Hildo Rocha (PMDB) e Luana Alves (PSB). Além de Wellington, participou da vistoria o também deputado estadual Fábio Braga (SD). Essa foi a segunda visita técnica que a comissão fez. A primeira ocorreu em julho do ano passado.

Medo da alternância de poder no Maranhão faz comunistas partirem para agredir a “terceira via”.

Parlamentares sem liberdade, teleguiados: Lamentável observar que no “Maranhão da mudança” lideranças políticas ainda aceitam e defendem que outros políticos usem “cabrestos”.

Após o anúncio de suas de pré-candidatura nas eleições de 2018, a ex-prefeita Maura Jorge (Podemos) e  o senador Roberto Rocha(PSB) comunistas saíram em bloco contra possíveis candidatos ao governo do Maranhão em 2018. Observa-se que não houve mudança(para melhor) no Maranhão. Aqui a política ainda é subserviente ao ocupante da cadeira do governo.

Pequenez comunista:

Confira abaixo postagens impulsionadas em grupos de whatsapp na região tocantina:  Detalhe: as mesmas palavras dos comunistas virando “postagens de blogues”:

Os  aliados do governador comunista não puparam esforços para atacar os outros candidatos, muitas baixarias começaram a ser publicadas nas redes sociais com acusações pesadas contra os possíveis candidatos, que vão de  “traidores” até “zero a esquerda”,  também de estarem a serviço do grupo Sarney, como se existissem apenas duas vias políticas num estado composto por 217 municípios.

Quem tem medo de mudança? 

No Maranhão de 217 cidades, o povo precisa ter acesso a outras vias. Será que os comunistas estão com medo disso?

Nota do blog:

Lutei ao lado de Flávio Dino e Roberto Rocha pela ALTERNÂNCIA, que foi conquistada pelos anseios populares e não pelo poder de um homem só, neste caso, do ex-juiz federal, que era homem de grupo, que aceitou ser ajudado por outras forças políticas, inclusive da “direita” com tucanos.

Agora, depois de eleito, de sentar a bunda na cadeira de governador, parece que o poder mudou a sua cabeça outrora “humilde”. Parece até que o governador e seus “teleguiados” conquistaram o poder sem outras forças políticas. Só lembrando que antes de ser eleito pela união de forças, todos eram aliados do governador, depois de sentar na cadeira de governador, muitos aliados foram expulsos do governo.

Traidor é quem expulsa aliados depois de eleito. 

Deixo uma boa lembrança do tempo que eu era blogueiro “linha de frente” da oposição ao grupo Sarney, ligado ao JP, mas, depois fui expulso e chamado de “sarneísta” de ser blogueiro do grupo Sarney, de fazer campanha para Lobão, por gente do PT  ligada a Bira.

“Só muita borracha” na cara desses comunistas.

Os caminhos da política

Hoje, no Brasil, vive-se uma fase de demonização da política como se, sem ela, e sem os políticos, qualquer país pudesse ser administrado. A Câmara dos Deputados é o retrato do país, pois ali tem representantes de todos os estados e de diversas categorias sociais. É um espelho da sociedade. E tem muita gente boa no Parlamento, na verdade, tem de tudo. E são todos escolhidos pelo voto. Espero que esse clima não afaste os jovens talentosos da política e nem aqueles que podem dar uma contribuição nesse quadro difícil da vida brasileira.

A França acaba de dar uma lição ao mundo. O país estava estagnado e dominado pela velha política, cheio de problemas complexos, paralisado e sem iniciativa. Mas, escolheu a política para reencontrar seu lugar no mundo. Emmanuel Macron, pediu que a população desse uma ampla maioria parlamentar para aprovar suas reformas nos próximos cinco anos e foi atendido. Criou um partido novo o República em Frente que elegeu 308 deputados entre ao 577 e junto com o MoDem tem 361.

Os socialistas cansaram com seu discurso contra a modernização do país e foram dizimados pelo voto. Os socialistas, Ecologistas e Republicanos tinham 284 deputados e ficaram reduzidos a 46, os socialistas com apenas 29. As mulheres que somavam em 1958 apenas 1,8% do Parlamento hoje são 40%. Um crescimento vigoroso e bem vindo. A segunda força ficou com os conservadores dos Republicanos, UDI e Divers Droit.

Entre as maiores prioridades está a renovação das leis trabalhistas, como está sendo feito aqui, com grande gritaria do pessoal que nos quer ver amarrados em um passado sem retorno.

E aqui?

Eu não comungo com o pessimismo que tira as esperanças de tanta gente. Acredito que dentro de 30 a 40 dias, após a denúncia contra o presidente chegar a Câmara, seja qual for o desfecho dela, com o presidente Temer ficando ou não, haverá uma grande movimentação partidária e política, com enorme possibilidade de transformar a vida política brasileira, até com novos protagonistas. Existe uma realidade crescente na vida das pessoas a de que a inovação e a tecnologia mudarão o mundo, o trabalho, o emprego, a formação das pessoas e isso, na verdade, já está acontecendo, cada vez com mais velocidade, e é um fenômeno global. Corporativismo e ideologias perderão espaço face ao desafio que se impõe. Milhões de desempregados que mesmo com o crescimento terão dificuldades de relocação nas mesmas atividades que estão capacitados são enormes desafios que ninguém, nenhum partido, estuda ou debate com profundidade, procurando compreender e encontrar soluções.

Esse é só um exemplo do que acontece hoje. O Brasil precisa ter uma agenda moderna, a velha agenda, como mostrou a França, está obsoleta em múltiplos aspectos e certamente essa nova agenda será central em futuro próximo.

Para ilustrar, na internet encontra-se uma ilustração dessa nova situação com a história da Kodak, uma potência da área da imagem, da fotografia, com mais de 170 mil empregados e faturamento de bilhões que foi varrida em pouquíssimos anos com o advento da fotografia digital e das fotografias por celular. Muitos vaticinam que as grandes empresas que dominam a área digital, como Amazon, Google, Apple, dominarão no futuro muito próximo, enormes áreas de produção e serviços como a de veículos sem motoristas, elétricos, desalojando as grandes indústrias do setor, e desempregando motoristas e cobradores.

A Amazon comprou recentemente uma das maiores empresas de supermercados dos EUA e vai começar uma revolução com uma nova configuração sem caixas ou atendentes.

Por outro lado existem pensadores como o empresário Peter Diamandis, cofundador da Singularity University, Tecnologia do Vale do Silício, que diz que o emprego vai desaparecer, tudo ficará mais barato, a energia, alimentos, a vida em si. Todos receberiam uma renda mínima que daria para viver. Aqueles que quisessem participar da pesquisa e desenvolvendo trabalhos fariam isso por satisfação pessoal e não para sobreviverem.

Se será assim, não sei. O que sei é que precisamos debater o que vem por aí e procurar defender as pessoas da exclusão social, defendendo as pequenas e micro empresas, os profissionais liberais, os jovens empreendedores, a nova educação e a ocupação dos idosos, entre outros assuntos pertinentes.

Acredito que neste ano surgirão partidos com esse novo ideário mais compatível com o que vem por aí.

A lição da França é um farol, com um forte alerta aos navegantes.

O presidente da Comissão de Administração da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Wellington do Curso (PP), utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa para convidar toda a população para uma Audiência Pública que discutirá o novo aumento na conta de energia elétrica no Maranhão. A Audiência começará às 14h, desta quarta-feira (28), no auditório Fernando Falcão, na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Foi convidada a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel); Companhia Energética do Maranhão (Cemar); Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão (Caema); Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon); Sindicato Urbanitários do Maranhão; Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OABMA); Ministério Público; Defensoria Pública; Ministério Público Federal; Associação Comercial do Maranhão, Fiema entre outros órgãos e entidades.
O parlamentar, que fez convite para todos os órgãos citados, justificou aos convidados a inviabilidade de um novo aumento nas contas de energia elétrica no Maranhão e que as consequências serão negativas para toda a população e indústrias.

“Infelizmente, caso isso aconteça, a conta de energia do nosso estado, será a maior do Brasil! São 21% de aumento na energia elétrica, e em contrapartida, teremos muitas consequências negativas. Não podemos esquecer que já tivemos um aumento recente nas contas de energia, que foi imposto pelo Governo com o ICMS. Inclusive, votamos contra esse ato do Governo de aumentar os impostos. Além da população, as empresas, indústrias e comércios também sofrerão. Nós precisamos fazer alguma coisa, na audiência, precisamos discutir esse possível aumento e tentar articular, para que a Aneel e Cemar consigam evitar esse reajuste”, disse Wellington.

ENTENDA A SITUAÇÃO:

O contrato da Cemar prevê a revisão tarifária anual e, a cada quatro anos, uma revisão tarifária ordinária, cujo percentual é definido a partir de um estudo da ANEEL e, por fim, submetido à audiência pública. A audiência estava marcada para a última quarta-feira, dia 14, mas foi suspensa por decisão judicial sob o argumento de que a audiência não foi publicitada. Assim, com o objetivo de ouvir a população e de realizar um debate público sobre o tema que busque meios para evitar um novo aumento, acontecerá a audiência pública na Assembleia Legislativa. A finalidade é evitar o aumento de 21% nas contas a partir de agosto.

Durante pronunciamento na Assembleia Legislativa, nesta quinta (22), o deputado estadual Júnior Verde (PRB) destacou os avanços da Comissão de Assuntos Municipais e de Desenvolvimento Regional no sentido de definir os limites territoriais dos quatro municípios que formam a Região Metropolitana da grande Ilha de São Luís. O Colegiado realizou mais uma reunião, desta vez em Paço do Lumiar, na tarde desta quarta-feira (21).

Depois de várias reuniões de trabalho no âmbito da Assembleia, a Comissão deu início aos debates junto à população. A reunião foi realizada na Associação dos Servidores da Assembleia no Maiobão.

“Lutamos pela consolidação dos limites desde 2015. E avançamos muito, depois das tentativas de diálogo entre os prefeitos de São Luís, Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa. Agora, vamos ouvir a sociedade”, disse Júnior Verde, que é autor de um Requerimento solicitando urgência na aprovação da consolidação dos limites no legislativo estadual.

A audiência em Paço do Lumiar foi presidida pelo deputado Bira do Pindaré e reuniu deputados, vereadores, representantes do executivo dos quatro municípios, do IBGE, IMESC, além de representantes das comunidades que exigem atenção do poder público para solucionar esse impasse que se arrasta há anos.

“O que está em jogo não é apenas a definição de limites, mas também a definição de responsabilidades, o sentimento de pertencimento e uma série de fatores que devem ser analisados, então a participação da sociedade é fundamental para que se chegue de uma vez por todas a uma solução, e assim a população tenha acesso a serviços essenciais, saneamento básico, saúde e infraestrutura”, complementou.

O trabalho de definição das linhas divisórias da grande Ilha está sendo realizado em parceria com o IMESC e IBGE, que são os institutos responsáveis em fazer todo estudo cartográfico.

Nos próximos dias, a Comissão vai deliberar sobre três projetos de lei na Assembleia Legislativa referentes aos limites territoriais. Todos os pontos discutidos ainda vão ser analisados por comissões parlamentares para então os projetos seguirem para votação do Plenário.

“Todos são Sarney, menos eu”.

Comunistas começaram executar o plano de colar a imagem de Sarney em seus opositores.

A manjada tática da polarização:” eles e nós”, que o corrupto Lula usou para destacar seu governo durante oito anos, ENQUANTO ROUBAVA a economia do Brasil estará sendo repetida pelos comunistas do Maranhão em 2018, quando Flávio Dino, que faz campanha abertamente usando a máquina pública em seu benefício,  pretende ser reeleito com folga dizendo que é diferente do Sarney, mesmo tendo repetido suas práticas em tudo que fez durante sua equivocada (mudança que não mudou) gestão.

Acusado por alguns de aparelhar prefeituras, parlamentos (Assembleia e câmaras de vereadores), tribunais, Flávio Dino governou com métodos da oligarquia, mas quer acusar outros políticos de seus métodos.

Vale ressaltar que, Flávio Dino, igual Maura Jorge e Roberto Rocha, teve sua infância no Palácio dos Leões, cercado de sarneístas.

Comenta-se nos bastidores locais que, Flávio Dino nunca deixou de frequentar a casa de Sarney. O deputado comunista, Raimundo Cutrim, bem que poderia esclarecer de uma vez por todas, com qual candidato a prefeito no ano de 2008, se encontrou na “Casa do Calhau”…

Abaixo, trecho do blog do Robert Lobato:

1 2 3 271