Browsing: Sem categoria

Olha aí, essa deveria ser a grande sacada de todo novo gestor. Após Thiago Dias reduzir anuidade da OAB-MA em 15%, o baile do advogado tem investimento reduzido em 85%. images

O investimento deste ano para o Baile do Carnaval de 2016 teve uma redução de 85% nos gastos para a realização do evento em comparação ao ano anterior e contou com o apoio da Universidade Ceuma. A decisão de realizar a atividade foi mantida pelas diretorias da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Maranhão (OAB-MA) e da Caixa de Assistência dos Advogados (CAA-MA) após um minucioso estudo de viabilidade econômica que indicou a redução.

 “Depois de um diagnóstico financeiro e contábil, chegamos à conclusão de que é, sim, possível, realizar eventos que contemplem o lazer do advogado, sem que isso signifique um gasto excessivo ou prejudique as atividades prioritárias de gestão”, enfatizou o presidente Thiago Diaz. Essa conclusão foi decisiva para que se mantivesse o carnaval, até mesmo porque a Ordem dispunha de recursos financeiros próprios para tal finalidade.

Para animar a festa, a música ficará por conta dos grupos Bicho Terra, Vamu de Samba e Samba da Feirinha, além do cantor Pepê Júnior. O Baile do Advogado contará ainda com a participação da bateria da Flor do Samba.

Os ingressos foram distribuídos gratuitamente para os profissionais adimplentes com a OAB/MA. Para ter acesso, junto com seu ingresso, o advogado deverá apresentar também a carteira da ordem, visando garantir uma festa destinada predominantemente à classe. Ao acompanhante não há exigência, basta a apresentação do ingresso carimbado.

Desta vez o “eu” foi substituído pelo “nós” bab1a8d162d97e2861cc05692aa96a37

Marcelo Tavares, secretário Chefe da Casa Civil, terá a tarefa de alinhar os processos numa só linguagem, onde todos se entendam.

Na sessão solene desta terça-feira, 02 de fevereiro, o governador deu inicio aos trabalhos do Legislativo estadual. Em suas palavras, Flávio Dino usando o “nós” ressaltou o esforço de todos para vencer as crises, bem diferente do inicio do ano de 2015, quando a linguagem era só “eu”. Também usou o discurso de crise para justificar algumas possíveis dificuldades nos “diálogos” com os deputados.

Desta vez melhor acompanhado, Flávio Dino era só sorrisos e acenos. Sob nova administração, a Casa do Povo recebeu a maestria do ex-presidente Marcelo Tavares, que estará daqui pra frente conduzindo as negociações dos poderes, que, pela temperatura dessa manhã, observou-se que os diálogos terão melhor aproveitamento do que antes.

Por José Reinaldo Tavares, ex-governador e deputado federal

Em 2005 eu era o governador do Maranhão e Welington Dias, o do Piauí. Na época amadurecemos uma ideia de trabalharmos  juntos para desenvolver o turismo nacional e internacional em uma das regiões mais belas do Brasil que vai desde Barreirinhas, no Maranhão, até Jericoacoara, no Ceará, passando por Paulino Neves, Araioses, Tutóia, Delta do Parnaíba, Camocim etc.josé reinaldo

 Logo tivemos a companhia muito valiosa do governador do Ceará, Lucio Alcântara, e em Camocim assinamos a ata de criação do Consórcio entre os três estados em uma bonita e animada solenidade que reuniu os prefeitos e autoridades do turismo dos municípios compreendidos pelo projeto.

Os três estados investiram muito nos seus principais pontos de interesse na Rota das Emoções. Barreirinhas nunca recebeu tanto de um governo estadual como na minha gestão. São exemplos disso: o cais, que deu outra feição à parte central da cidade, um projeto lindo que mudou Barreirinhas; o aeroporto, com a construção das pistas, conforme projeto homologado pela aeronáutica; a captação e o tratamento de agua e esgoto; o aparelhamento e estruturação do hospital da cidade, que passou a funcionar adequadamente, atendendo moradores e turistas; a criação do Batalhão da Polícia Militar e a Delegacia da cidade e a contratação de uma empresa grande para fazer o recolhimento do lixo da cidade.

Além disso, promovemos a retirada da caótica rede de fios que pendia dos postes na avenida central e dava uma péssima impressão aos turistas. Toda a fiação foi embutida no solo e a mudança combinada com a nova pavimentação em blocos sextavados agradou a todos. E, claro, toda a cidade foi pavimentada…

O avanço foi tão grande na época que em seguida vieram muitos investimentos em hotéis, pousadas, restaurantes e lazer.

Enquanto isso, o Ceará investiu muito em Jericoacoara, que se tornou um ponto de interesse para o turismo mundial e o Piauí investiu em Parnaíba e no Delta.

Mas esse esforço não foi continuado, porque governos do Maranhão que vieram depois não se interessaram em continuar o projeto e o abandonaram.

Perdemos um tempo precioso.

Contudo, agora o governador Flávio Dino, junto com Welington Dias – que voltou ao governo do Piauí – e o governador do Ceará Camilo Santana reativaram o projeto da Rota das Emoções. Como Flávio teve grande prestígio como presidente do Embratur, conseguiu trazer para a reunião em que foram assinados os protocolos, tanto o atual presidente do órgão quanto o Secretário Executivo do Ministério do Turismo. Na solenidade, definiu-se que o projeto da Rota das Emoções será apresentado com todas as suas belezas em março na cidade de Berlim, onde ocorrerá a principal feira de turismo de aventura do mundo. Temos certeza que essa Rota vai atrair muitos turistas sedentos por novidades!

Não bastasse isso, Flávio vem compensando a falta de investimentos federais na BR-402 (que liga São Luís a Barreirinhas), executando obras de trechos de estradas estaduais pelo litoral que completam a ligação, tirando a região do isolamento.

Esse é um projeto marcante que pode trazer muitos investimentos para a região oriental do Maranhão. Penso que ainda faltam investimentos em meios de hospedagem, como um bom resort na região, por exemplo, tais como aqueles que existem em Pernambuco, no município de Ipojuca, no Ceará e Bahia.

Parabéns, governador!

Mudando de assunto, outra notícia importante nos trouxe o presidente da EMAP, Ted Lago, que fez uma prestação de contas sobre o complexo portuário do Itaqui, demonstrando que, a despeito dos tempos bicudos que estamos enfrentando, vem crescendo vertiginosamente e se tornando cada vez mais uma alavanca fundamental para o crescimento econômico do Maranhão.

O projeto exposto por Ted tem por objetivo consolidar o porto como porta de entrada da região Centro-Oeste. O projeto é muito consistente, pois o Panamá vai inaugurar o seu novo Canal em março e o Itaqui tem tudo para se beneficiar da proximidade com aquele país em relação a outros portos brasileiros. O ambicionado projeto de um moderno e eficiente terminal de contêineres pode atrair uma infinidade de empresas para cá, influindo positivamente no nosso crescimento econômico.

Avante, Maranhão!

Desejo a todos os amigos e leitores um carnaval de paz e alegria.

Dando continuidade às visitas aos bairros de Imperatriz, a pré-candidata a prefeita e presidente do Diretório Municipal do PDT de Imperatriz, Rosângela Curado, realizou mais uma edição do Diálogo nos Bairros.rosang

Neste sábado (30), a pedetista esteve no Bairro Vila Nova acompanhada de várias lideranças políticas, entre elas, o vereador Zé do Creia, o empresário Roberto Botafogo, o ex-vereador Valdecy Ferreira, o ex-vereador Salgado Filho, o vereador Aurélio do PT e o presidente da Câmara, Zé Carlos Pé de Pato.

Na ocasião, os moradores da Vila Nova reivindicaram o funcionamento 24 horas da Unidade Mista de Saúde, construção de quadras poliesportivas, além de mais segurança e infraestrutura.f4ffaacc-1736-4176-b542-01e0156496ae

Segundo Rosângela Curado, o projeto tem alcançado o seu objetivo, que é de manter contato direto com a sociedade.

“A cada evento, o povo tem a oportunidade de se manifestar, informando, sugerindo e encaminhando soluções pendentes de serviços públicos na comunidade”, ressaltou.

Outras agendas

Ainda no sábado, Rosângela cumpriu outra agenda com lideranças da Estrada do Arroz, como o Sr Neuma, presidente do Sindicato Rural de Imperatriz, lideranças do Sindicato dos Professores, diretoras de escolas e lideranças dos diversos segmentos em Imperatriz, também no sábado participou no povoado 1700 acompanhado do vereador Richard e outras lideranças.a8918a07-f9d8-4b99-975c-aaf1f84bbe41

Já no domingo, Rosângela também participou de um almoço comemorativo, em homenagem ao Dia dos Carteiros.

Abandono:

Obras que custaram (muito) dinheiro público estão sendo levadas pelas enxurradas. O que se esperava de uma parceria entre Caema (Governo do Estado) e Prefeitura de São Luís, era que as coisas, enfim, acontecessem, mas, nada…

No sentido Alto do Calhau/Assembleia Legislativa, obras da “mudança” foram levadas pelas chuvas. Há perigos na estrada, na gestão de Castelo, um carro caiu no local, relembre aqui:

Abaixo, uma pequena demostração que nossos gestores são feitos de açúcar,  pois, não podem pegar uma chuvinha que desaba tudo.

Asfalto sorisal sendo levado pelas enxurradas:

10

Caminhão tem que ocupar toda avenida para passar pelo local que está totalmente comprometido.

20

30

50

A deputada federal Eliziane Gama reuniu-se na manhã desta segunda-feira, dia 01 de fevereiro com membros do Clube de Engenharia do Maranhão(CEM). Ela recebeu sugestões dos engenheiros para o Plano de Governo que está sendo construído para a capital maranhense.073bca1e-9c86-427a-9c32-09d91ca057cb

O presidente do CEM, Antônio Miguez e o novo presidente do CREA-MA, Cleudson Campos também participaram da reunião com Eliziane Gama.

“Este encontro com engenheiros foi muito importante. Recebi várias sugestões, dentre elas a criação de um setor específico de projetos para acompanhar todos os setores do município, que fará parte do Plano de Governo”, destacou Gama.

Eliziane tem se reunido com especialistas e profissionais de vários setores e buscado informações e sugestões para serem incluídas no Plano de Governo para São Luís.

Golpe é isso:

Cortar os programas sociais, mas, não quer cortar (de verdade) ministérios, assessorias, vender avião presidencial (Aero-Lula) e outras regalias milionárias…

Programas sociais ineficazes serão encerrados, revela ministro

InfoMoney

dilmes

SÃO PAULO ­ O governo pretende sair do “piloto automático” em programas públicos e reavaliar inclusive a eficácia de políticas sociais, disse o novo ministro do Planejamento, Valdir Simão, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo desta segunda-­feira (1).

A ideia seria “descontinuar” os que não têm mais sentido e reforçar os mais eficazes, o que faz parte de uma reforma do Estado que o ex­-chefe da CGU (Controladoria­ Geral da União) elabora.

“Temos de verificar a qualidade dos programas. E para que esta avaliação? Para aperfeiçoar e fazer o orçamento seguinte do programa refletir suas necessidades. Não podemos ficar ligados no piloto automático e simplesmente colar a gestão orçamentária”, disse ao jornal. A expressão “piloto automático” tem sido usada com frequência pelo economista Antônio Delfim Netto em crítica às vinculações obrigatórias do Orçamento, que imobilizam governos para a tomada de decisões.

“Estamos discutindo uma série de medidas, fazendo um trabalho de revisão de parâmetros para contratação na administração pública, para focar mais em produtividade e menos em quantidade dos serviços. Esta é uma dimensão importante, porque nossos parâmetros ainda não são bons. É possível fazer melhor com menos”, afirmou. Nesse sentido, a ideia é mexer em quatro pilares principais:

desburocratização, reorganização administrativa, fortalecimento da gestão e controle e gestão da qualidade do gasto público. A nova forma de avaliar políticas federais deve incidir inclusive sobre o Bolsa Família, mas o ministro reitera o sucesso do programa. “Mas sempre há a possibilidade de aperfeiçoamento”, disse.

dilms

RIO – O Brasil voltou a ser assunto de uma reportagem da edição da revista britânica “The Economist” para as Américas. Intitulado “Festejando à beira do precipício”, o texto fala da pausa que a população costuma fazer durante o carnaval. E lembra que os políticos voltarão do recesso de fim de ano poucos dias antes do feriado começar, ou seja, os trabalhos só devem ser de fato retomados após o fim da folia.

Para a publicação, nem a presidente Dilma Rousseff nem os congressistas vão conseguir relaxar, já que o país enfrenta dois sérios problemas: o vírus zika e a pior das crises econômica e política. “Quando os políticos retornarem ao trabalhos eles podem se arrepender do tempo que passaram sem tentar resolvê-los”, afirma a reportagem.

A publicação cita a queda das vagas no mercado formal de trabalho em 2015, a projeção de mais perdas para este ano e a forte retração das vendas de automóveis como parte dos indícios do agravamento do cenário econômico brasileiro. E ressalta que para as gerações mais novas, o desemprego é uma novidade. E que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que é sociólogo, alerta que não se sabe como esses jovens vão reagir a esse revés.

De acordo com a “Economist”, a capacidade do governo de lidar com as causas da miséria diminui, enquanto esse mal cresce. A reportagem fala ainda das investigações sobre a corrupção na Petrobras, afirmando que espera-se que mais membros do PT sejam acusados.

A revista lembra a ameaça de impeachment e alega que a falta de força de Dilma a torna “mais dependente da boa vontade do PT e de sindicatos aninhados a ele, que se opõem visceralmente às reformas necessárias para firmar a economia”.

A reportagem termina dizendo que há pouca perspectiva de que, ao voltar do recesso, os legisladores tomarão medidas que possam ajudar a melhorar o cenário atual. Segundo a publicação, os interessados no impeachment da presidente admitem que dificilmente conseguirão os votos necessários para levar o caso ao Senado, mas planejam esticar o processo por tanto tempo quanto os “(vagos) prazos legais permitam”. “Isso vai atingir o objetivo deles de minar a presidente. Isso não vai fazer nada para melhorar o Brasil”, conclui.

Uma boa análise do escritor George Orwell, que desmascara e mostra a verdade sobre o Comunismo.farm

A Revolução dos Bichos, foi publicada em 1945, no início da Segunda Guerra Mundial, é considerada a obra de maior importância e popularismo de George Orwell.

O mundo vivia um clima de tensão, separado em dois blocos: o bloco capitalista e o bloco socialista. Apesar de socialista, George Orwell faz uma reflexão acerca da igualdade entre os homens; que seria impossível, tendo em vista o desejo de todo homem de liderar, de ter vantagem.

A Revolução dos Bichos apresenta uma série de metáforas que remetem ao período histórico em que a obra foi escrita.

Além de remeter ao egoísmo, autoritarismo, corrupção que há em relações humanas, sejam elas políticas ou sociais, os personagens também lembram características de personagens históricos. Como, por exemplo, Major que apresenta semelhanças idealistas com Karl Max, ou então Napoleão que se assemelha com Stalin, a quem o autor paralelamente faz uma crítica, devido à administração corrupta. Assim, a obra de Orwell é considerada pela crítica uma fábula satírica, onde a realidade é retratada com um toque cômico.

O sentimento de ambição e a busca pelo poder, pela vantagem, levam os porcos, principalmente Napoleão, a esquecer dos princípios e motivos que os levaram até a Revolução. Os porcos passam a tomar o lugar dos humanos, e a explorar os outros animais tanto quanto Sr. Jones explorava. O Animalismo, que passa a denominar o sistema e as regras que o regem, se transforma à medida que os interesses dos porcos vão mudando; mais uma vez remetendo ao Socialismo, duramente criticado por Orwell.

Com isso, até as os sete mandamentos, a principio criados para nortear a Revolução e ditar regras de convivência, vão sendo mudados. E, mais uma vez metaforizando o povo que possui memória curta, os animais não se lembram das regras, não se lembram como era antes da Revolução, e muito menos conseguem comparar se a vida na granja está pior ou melhor, nem mesmo se lembram se o que foi prometido, foi cumprido.

frase-todos-os-animais-sao-iguais-mas-alguns-animais-sao-mais-iguais-que-os-outros-fonte-a-george-orwell-132590

Abaixo, o resumo do livro:

A Revolução dos Bichos, de George Orwell, se passa numa granja liderada, inicialmente, pelo Sr. Jones. Porém, insatisfeitos com a dominação e exploração e liderados pelo Porco Major, os animais decidem fazer uma revolução. Assim, o inimigo seria aquele que anda sobre duas pernas. Os animais se organizam e expulsam Sr. Jones da granja, pois não queriam mais ser tratados como escravos dos humanos. Os porcos passam a liderar a granja, considerando-se os animais mais inteligentes.

Os ensinamentos do Porco Major, denominados de Animismo, passam a predominar, mesmo após sua morte. Na granja, todos os animais são iguais entre si. Porém, “uns são mais iguais que outros”. Dessa forma, os porcos aprenderam a ler e escrever e tornam-se os líderes da granja. O porco Bola de neve tem o plano de construir um moinho. Napoleão é contra. Há uma eleição do líder da granja, e apesar da maioria ser a favor de Bola de Neve, Napoleão arma um plano certeiro para que Bola de Neve seja expulso da granja e taxado de traidor.

Protegido por cães ameaçadores, Napoleão lidera a granja de uma maneira ditadora; constrói o moinho, e há economia de comida, os animais trabalham várias horas seguidas. Começa uma nova escravidão, onde agora os animais são explorados pelos porcos. Para a construção do moinho, são necessários materiais que não podem ser produzidos na granja, e com isso, Napoleão começa um contato comercial com humanos, por intermédio de seu advogado, Sr. Whymper. Nesse momento, os porcos se mudam para a casa grande, onde o Sr. Jones vivia, apesar de anteriormente ser proibido. Segundo eles, era necessário um local onde pudessem repousar, já que, por serem muito inteligentes, faziam muito esforço para governar a granja. Os porcos eram extremamente persuasivos. Garganta era braço direito de Napoleão e andava pela granja defendendo seu “mestre”.

Acontece uma tempestade e o moinho de vento é derrubado; a culpa cai sobre Bola de Neve. Os animais passam a racionar ainda mais a comida. Mesmo assim, Napoleão passa para os humanos a impressão de haver muita comida. Assim, vai se concretizando a República dos Bichos. Porém, alguns animais começam a questionar que a vida estava pior do que na época do Sr. Jones; estavam trabalhando mais, comendo menos, e os mandamentos feitos no começo da Revolução não estavam sendo cumpridos. Esses animais questionadores foram acusados de serem cúmplices de Bola de Neve e, ao se entregarem, foram mortos.

Frederick e seus homens invadem a granja e explodem o moinho. Os animais, revoltados com mais uma vez a destruição do moinho, enfrentam e expulsam os homens. Mais uma vez os animais trabalham demais, sem comida. Sansão, muito trabalhador, adoece e Garganta diz que virão busca-lo para um tratamento fora da granja. Um carro vem busca-lo e os animais percebem que era um carroção do matadouro através do letreiro do carro. Porém, Garganta dá uma desculpa, os animais aceitam, e Sansão nunca mais aparece.

Pouco a pouco os animais que viveram a época do Sr. Jones foram morrendo, e foi se esquecendo como era antes da Revolução. Como um irônico desfecho, os porcos aparecem andando sobre duas patas, contrariando um dos mandamentos do início da Revolução, onde “quatro patas bom, duas patas ruim”. E, finalmente, os porcos unem-se definitivamente aos humanos.

1 2 3 4 60