Browsing: Ricardo Santos

Cena emocionante, família inteira reconciliando-se ao saber que existem tratamentos para a cura dos vícios. Na foto, Erisson Lindoso ministrando reconciliação entre pai e filho que estavam separados pelo abismo das drogas:  erisson

Reportagem retirada do Jornal O Estado do Maranh√£o

Erisson Souza superou uma triste hist√≥ria e hoje reescreveu sua trajet√≥ria. De morador de rua e viciado em crack, para modelo de combate ao v√≠cio.¬†O ex-dependente conta como conseguiu vencer o v√≠cio, depois de cinco interna√ß√Ķes. Sem usar drogas desde 2010, hoje ele d√° palestras sobre o assunto, principalmente em escolas.

Erisson Alan Souza Lindoso, 40 anos, natural de S√£o Lu√≠s, conta que come√ßou a usar √°lcool aos 12 anos.¬† ‚ÄúInfelizmente isso acontece. Naquelas festas de fam√≠lia, os jovens roubam cerveja da geladeira e os pais acham perfeitamente normal, mas n√£o √©, porque o √°lcool, droga licita, abre caminho para o uso concomitante de outras subst√Ęncias entorpecentes‚ÄĚ. Aos 16 anos come√ßou a usar maconha e aos 18 anos, experimentou crack pela primeira vez. E depois foram 17 anos de depend√™ncia da droga. ‚ÄúComecei a usar crack no ano em que a droga chegou aqui em s√£o Lu√≠s e n√£o parei at√© os meus 35 anos. Foi um momento muito dif√≠cil na minha vida. Eu vivia como um mendigo. S√≥ tinha uma roupa e pagava comida no lixo‚ÄĚ, recordou.

Sem ter para onde ir, foi parar na Cracol√Ęndia, no centro de S√£o Lu√≠s, na Rua da palma. Ficou l√° por 10 meses e acredita que “foi milagre” estar vivo. ‚ÄúTeve uma ocasi√£o, que me droguei no S√£o Francisco e dormir na ponte Jos√© Sarney. Acordei com uma senhora me cutucando, perguntando se eu queria morrer? Por testar dormindo naquele local‚ÄĚ, disse.

Um dia, quando estava dormindo em uma rede na casa na rua das Palma, ele teve a experi√™ncia que mudou totalmente o rumo da sua vida. Naquele momento, ele diz que teve alguma esp√©cie de experi√™ncia espiritual. ‚ÄúA minha m√£e, acompanhada por minhas duas tias, me chamou pelo nome. Naquela hora, levantei e sabia que tinha que seguir com ela. Nem olhei para tr√°s. O dia foi 31 de setembro de 2010, quando me livrei totalmente das drogas‚ÄĚ, contou.

Erisson Souza conta que a interna√ß√£o compuls√≥ria √© necess√°ria, j√° que considera imposs√≠vel negociar com uma pessoa que est√° sob efeito do crack. ‚ÄúJ√° tinha sido internado outras quatro vezes, mas daquela vez foi diferente, porque a minha fam√≠lia estava junto. Fui levado para unidade de tratamento do CRER, d√° Igreja Comunidade Viva e l√° fomos tratados, eu e minha fam√≠lia, porque n√£o √© apenas o viciado que precisa de tratamento, mas a fam√≠lia tamb√©m que fica codependente com o mal que as drogas trazem para os familiares dos drogados. Quando a fam√≠lia participa do tratamento o percentual de recupera√ß√£o √© de 100%, porque a presen√ßa dos pa√≠s resgata, aquilo presente na inf√Ęncia que √© a obedi√™ncia aos pais. Quando voc√™ obedece seus pais n√£o faz coisas erradas e muito menos se mete em problemas‚ÄĚ, comentou.

Para Erison Souza a presen√ßa fam√≠lia no tratamento de dependentes qu√≠micos √© t√£o importante, que moradores de rua que n√£o tem parentes adotam os amigos como fam√≠lia. ‚Äú√Č incr√≠vel o poder que a fam√≠lia exercer nas pessoas. A pessoa que tem fam√≠lia quer seus entes bem e cuida deles. Quem n√£o tem fam√≠lia, geralmente adota os amigos de verdade, aqueles que o ajudam a se afastar das drogas, por exemplo, e ajuda muito no tratamento dos dependentes‚ÄĚ, afirmou.

De depende para combatente das drogas. Erisson Souza disse que come√ßou o tratamento como acolhido e um ano depois foi diretor de uma unidade de acolhimento do CRER em Goian√©ia (GO). √Č incr√≠vel o trabalho desenvolvido pelo Bispo M√°rio Porto, porque comecei como internado, passe a trabalhar como obreiro, em seguida desenvolvi uma horta no CRER e depois de um ano, o Bispo me convidou para ser diretor do CRER em uma cidade do interior de Goi√°s. √Č incr√≠vel como a minha vida deu uma volta completa‚ÄĚ, destacou.

Atualmente, Erisson Souza faz parte do Conselho Municipal Anti-Drogas de S√£o Lu√≠s, trabalhou na cria√ß√£o do Conselho Anti-Drogas de Cod√≥ e Itapecuru e est√° ajudando a desenvolver o Conselho Anti-Drogas de S√£o Jos√© de Ribamar. Al√©m trabalhar nos Conselhos Anti-Drogas, ele promove palestras de preven√ß√£o ao uso de drogas em escolas e associa√ß√Ķes comunit√°rias e o trabalho mais recente, em penitenci√°rias. ‚Äú√Č incr√≠vel, como 30% dos detentos se tornam dependentes de drogas dentro do Sistema Prisional. Com este trabalho, estamos ajudando a diminuir est√° triste realidade‚ÄĚ, pontuou.

Para quem tem parente ou amigo dependente de drogas, Erisson Souza disse que vai at√© o depende e ajuda a encaminh√°-lo para uma unidade de tratamento. √Č s√≥ telefonar para o n√ļmero (98) 98870-0000.

Durante o pronunciamento na √ļltima quarta-feira (09), o deputado estadual Wellington do Curso (PPS) refor√ßou o pedido de implanta√ß√£o do Plano de Planejamento e Acompanhamento das Manifesta√ß√Ķes, demonstrando preocupa√ß√£o quanto aos atos do Movimento ‚ÄúPr√≥-impeachment‚ÄĚ, que acontecer√° no dia 13. O motivo da preocupa√ß√£o do parlamentar faz refer√™ncia ao ocorrido no √ļltimo epis√≥dio das manifesta√ß√Ķes em S√£o Lu√≠s, que resultou em atos de vandalismo e viol√™ncia.20160311161604

Ao refor√ßar o pedido de acompanhamento das manifesta√ß√Ķes por parte do estado, o deputado Wellington afirmou que √© essencial que o direito √† livre manifesta√ß√£o seja assegurado, pautando-se na seguran√ßa e na pacifica√ß√£o.

‚ÄúIndo na contram√£o do que nossa Constitui√ß√£o Federal assegura, o direito √† livre manifesta√ß√£o de pensamento ainda enfrenta aquilo que se pode compreender como censura.¬† Quem afirma isso n√£o sou eu, mas a popula√ß√£o. Os cidad√£os que, ao exercerem um direito que lhes √© assegurado, encontraram atos de viol√™ncia como respostas. Eis um cen√°rio que nos preocupa, principalmente ante as manifesta√ß√Ķes que acontecer√£o no pr√≥ximo dia 13. Vivemos em um Estado Democr√°tico de Direito e √© essencial que respeitemos as ideologias distintas, ainda que plenamente contr√°rias ao que pensamos.¬† Recebemos in√ļmeros relatos sobre as manifesta√ß√Ķes que ocorreram no √ļltimo dia 05, den√ļncias de trabalhadores que foram t√£o somente reivindicar, ou seja, n√£o cometeram il√≠cito algum, o que, pela l√≥gica penalista, deveria impedir que sobre eles fosse imposto alguma postura coercitiva. No entanto, n√£o foi isso que ocorreu. Eis o motivo da nossa preocupa√ß√£o. Por entendermos que √© poss√≠vel sim que haja manifesta√ß√Ķes pac√≠ficas, mais uma vez, solicitamos o acompanhamento das manifesta√ß√Ķes por parte do Estado, atrav√©s da Secretaria de Seguran√ßa P√ļblica, n√£o de forma coercitiva, mas de forma asseguradora de direitos‚ÄĚ, afirmou o deputado Wellington.

Essa n√£o √© a primeira vez em que o deputado Wellington sugere ao Governo a implanta√ß√£o do Plano de Acompanhamento de Manifesta√ß√Ķes no Maranh√£o, objetivando garantir o livre exerc√≠cio dos direitos. Indo ao encontro de tal solicita√ß√£o, o parlamentar mencionou, ainda, alguns depoimentos de pessoas que o procuraram e denunciaram alguns dos fatos ocorridos durante as √ļltimas manifesta√ß√Ķes.

Na tarde da √ļltima segunda-feira (7), o deputado estadual Z√© In√°cio (PT) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa para discorrer sobre um acontecimento de grande repercuss√£o no √ļltimo final de semana. O parlamentar fez refer√™ncia ao depoimento do ex-presidente Lula, na √ļltima sexta-feira (4).55cebc76-c920-4f8c-ba7a-c2a94bd52143

Ao discursar, o deputado fez cr√≠ticas √† forma com a qual o ex-presidente foi conduzido a prestar depoimentos. Segundo ele, foi uma atitude desnecess√°ria e que feriu a Constitui√ß√£o Federal. ‚ÄúUtilizo esta tribuna para falar sobre a forma com que o presidente Lula foi conduzido para prestar depoimento, na √ļltima sexta-feira, ato esse que foi reprimido e criticado por v√°rias lideran√ßas e autoridades pol√≠ticas deste Pa√≠s, por ser desnecess√°rio, ilegal e contra a nossa Carta Magna‚ÄĚ, ressaltou o parlamentar

Ao fazer refer√™ncia ao Ministro do Supremo, Marco Aur√©lio, o primeiro a vir a p√ļblico afirmar que o juiz Moro cometeu um ato abusivo. Para Z√© In√°cio, os magistrados n√£o podem se travestir de justiceiros, mas sim, a plicar a lei e respeitar a Constitui√ß√£o.

Durante o pronunciamento, Z√© In√°cio tamb√©m citou as manifesta√ß√Ķes, por nota, de diversas autoridades e intelectuais em defesa de Lula.

‚ÄúFa√ßo refer√™ncia ao Ministro do Supremo para simbolizar a contradi√ß√£o que vive, inclusive o pr√≥prio Poder Judici√°rio neste pa√≠s. Destaco, ainda, os Chefes de Estado que se manifestaram publicamente, atrav√©s de nota, dentre eles o ex- presidente do Paraguai, Fernando Lugo; o atual Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro e o Secret√°rio Geral da UNASUL, o colombiano Ernesto Samper. Fa√ßo quest√£o de destacar tamb√©m o depoimento de um dos maiores intelectuais desse pa√≠s, Fernando Morais, que afirmou que ‚ÄėN√£o haver√° golpe‚Äô. Lula e o PT s√£o apenas os alvos vis√≠veis. O que se teme √© o novo projeto de Na√ß√£o que vem sendo implantado h√° 13 anos no Brasil. O que est√° acontecendo √© que a elite que dominou este pa√≠s durante meio mil√™nio tem medo da continuidade e da consolida√ß√£o desse projeto que, entre outras virtudes, tirou 40 milh√Ķes de brasileiros da mis√©ria, que fez uma revolu√ß√£o sem dar um tiro‚ÄĚ, ressaltou.

Quando mostrar obras se torna mais que uma obriga√ß√£o…

N√£o quero me deter √†s obriga√ß√Ķes do prefeito de S√£o Lu√≠s, Edivaldo Holanda J√ļnior, que foi eleito para mudar, fazer obras, enfim, ser gestor e n√£o pol√≠tico.¬†O prefeito Edivaldo Holanda tem o dever de fazer obras e n√£o mostra-las como quem faz favores ao povo da capital.

Faz gosto ver novamente o velho Holandão fazer pronunciamentos na Assembleia Legislativa. Faz gosto ver a forma paternal daquele que foi no mesmo ano, em diferentes momentos, voz do governo e da oposição.

O deputado Edivaldo Holanda (PTC), pai do prefeito Holandinha(PDT), fez bem ao retornar à tribuna do parlamento. Holandão é mais que um pai, é voz que empolga, é esperança no meio de fracassos, é um olhar positivo em meio às negatividades.

Por ele, Holand√£o, daria novamente as m√£os aos colegas ‚Äúempaletozados‚ÄĚ que, tomados de ciumeiras, meteram os p√©s pelas m√£os, tirando de perto e lan√ßando para longe, aliados…¬†Por ele, Holand√£o, eu j√° estaria, assim como outros muitos que foram vencidos pela realidade de des√Ęnimos, de volta ao seio paterno dos Holandeses.

Holandão faz mais que sua obrigação de mostrar, ele liga de volta os que foram desligados. Mostrar obras é o mínimo que um pai deve fazer pelo filho. Edivaldo Holanda pai, o Holandão, desempenha excelente papel na tribuna e por onde chega.

Holand√£o √© pai que mostra, fala. Talvez seja a √ļnica voz a favor do filho na pol√≠tica atual. Abaixo, recorte do blog do Marco De√ßa:

holandeses

Aparelhamento ideol√≥gico, morda√ßas, absurdos do comunismo maranhense…

Não foi essa a mudança que pedimos e lutamos. O Maranhão idealizado, anunciado, prometido em campanhas ainda não aconteceu. Para mostrar o tamanho do absurdo, até os políticos contrários ao comunismo tiveram que se calar, mesmo com a grande vantagem de ter um político de sua legenda, quase ocupando o lugar de presidente do Brasil.

Que é isso, companheiros?

  porcao1

Lava Jatos mostrando o outro lado do Brasil ao Mundo…

O pedido de prisão preventiva ao ex-presidente Lula pela justiça brasileira, mostra que o juiz federal Sergio Moro outra vez foi mais rápida no gatilho e enquadrou o ex-presidente, que,  poderá ir pra trás das grades antes de ser nomeado.

Brasil mostrando sua cara: Para muitos que achavam que a Justi√ßa brasileira era uma palha√ßada, estavam acima da lei, eram ‚Äúintoc√°veis‚ÄĚ, se achavam ‚Äúo cara‚ÄĚ, a justi√ßa foi feita na medida certa. Resta saber se o Lula vai entregar seus parceiros de crime. Ou vai ficar calado aceitando o Brasil ficar no preju√≠zo, surrupiado, quebrado, roubado. √Č hora de Lula abrir a boca e parar de fingir que “n√£o sabe nada”!!!

No pedido de pris√£o, os promotores citam o fil√≥sofo niilista Friedrich Nietzsche para alegar que o ex-presidente Lula, embora j√° tenha ocupado o mais alto cargo da administra√ß√£o p√ļblica federal, n√£o √© um “super-homem” e, portanto, n√£o estaria imune √†s leis.

“Nunca houve um Super-homem. Tenho visto a nu todos os homens, o maior e o menor. Parecem-se ainda demais uns com os outros: at√© o maior era demasiado humano”, descreve o Minist√©rio P√ļblico de S√£o Paulo na introdu√ß√£o do pedido de pris√£o do petista. “Ningu√©m est√° acima ou √† margem da lei. A lei vale para todos, indistintamente, ricos ou pobres, pouco importando a cor, credo, ra√ßa ou profiss√£o”, resumem os promotores.

Trecho retirado do Josias de Sousa deste domingos. Abaixo, foto de Lula com Lobão, João Alberto, e outros conhecidos político, veja aqui:porcao

 

Na manhã desta quinta-feira (10), no Plenário da Assembleia Legislativa, aconteceu a Sessão Solene em homenagem aos 35 anos da Juventude Socialista do PDT. O evento, solicitado via Requerimento do deputado Rafael Leitoa, segundo vice-presidente do partido no estado, serviu para homenagear também o ex-presidente da JSPDT, Jerry Abrantes, falecido em 2015.1941efe112d34d344d73c88ab1594907

O evento contou com a participa√ß√£o do deputado estadual Rafael Leitoa; do deputado federal Weverton Rocha; do prefeito de S√£o Lu√≠s, Edivaldo Holanda J√ļnior; do prefeito de S√£o Jos√© de Ribamar, Gil Cutrim; do vereador Ivaldo Rodrigues; do secret√°rio estadual M√°rcio Honaiser; da diretora do DETRAN/MA; da Larissa Abdalla; da presidente estadual da JSPDT, Idalete Rodrigues, e da Juventude Nacional, Everton Gomes; bem como v√°rias outras lideran√ßas pol√≠ticas do Maranh√£o.

As qualidades do partido, a defesa das bandeiras históricas do trabalhismo, educação e a ética, foram palavras defendidas em quase todos os discursos. O deputado federal Weverton Rocha lembrou dos tempos de JSPDT e de um sonho que teve em Cuba, num Congresso comandado por Fidel Castro, em 2000. O parlamentar federal decidiu que, dali em diante, seguiria uma carreira política.

O prefeito Gil Cutrim recordou que o otimismo e a f√© devem ser os parceiros de quem exerce um cargo executivo, j√° que o Brasil enfrenta s√©rios problemas financeiros, com altos e baixos nos repasses aos munic√≠pios. Edivaldo Holanda J√ļnior ressaltou a import√Ęncia da parceria do PDT e juventude em sua elei√ß√£o, al√©m de sua filia√ß√£o, em meados de 2015. Edivaldo tamb√©m comentou sobre a grandeza do partido e dos grandes nomes que fizeram parte da legenda, indo de Brizola a Jackson Lago. O prefeito de S√£o Lu√≠s finalizou prometendo honrar a hist√≥ria do partido que sempre admirou.

Autor do Requerimento para realiza√ß√£o da Sess√£o Solene, o deputado Rafael Leitoa se mostrou satisfeito em homenagear a organiza√ß√£o de jovens que lhe apresentou a pol√≠tica. Membro da JSPDT de Timon, Rafael Leitoa fez parte da Dire√ß√£o Nacional da Juventude Socialista do partido e, hoje, encontra-se deputado estadual pela legenda. ‚ÄúNossa juventude completa hoje 35 anos de luta, derrotas e vit√≥rias. Nossa luta √© constante, das derrotas tiramos aprendizado e valorizamos nossas vit√≥rias, pois nelas reconhecemos o quanto trabalhamos para manter os princ√≠pios de nosso partido‚ÄĚ, concluiu Rafael Leitoa.

Tudo errado, bandidos soltos, assaltando e matando trabalhadores.

Vivemos num ciclo de impunidades, a injusti√ßa √© a grande culpada pelos altos √≠ndices da viol√™ncia.¬†A sociedade precisa dar as m√£os contra a criminalidade. A pol√≠cia faz sua parte, os ¬†governos tentam aparelhar a pol√≠cia, mas, falta a Justi√ßa entender que bandido bom √© atr√°s das grades e n√£o nas ruas…

Enquanto isso, outro assalto a √īnibus que, por milagre o motorista sobreviveu ao tiro desferido pelo bandido, que cada vez mais agem livremente armados nos √īnibus, assaltando trabalhadores e estudantes.

A Justi√ßa do Maranh√£o continua sendo a grande culpada e, n√≥s, trabalhadores, pagadores de impostos, as¬†verdadeiras v√≠timas…

O EMA

O EMA

Na sess√£o plen√°ria desta segunda-feira (07), o deputado estadual Wellington do Curso (PPS) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa para apresentar Projeto de Lei que concede a repara√ß√£o dos danos sofridos por v√≠timas de disparos de armas de fogo, ‚Äúbalas perdidas‚ÄĚ, decorrentes de conflitos envolvendo terceiros e for√ßas policiais. Por n√£o ser de compet√™ncia do Legislativo Estadual, Wellington encaminhou o projeto ao Executivo, a fim de que haja a implanta√ß√£o referida.517af5a9245a84a67bb3c190609d0d59

Ao se pronunciar, o parlamentar fez refer√™ncia aos casos de mortes por bala perdida, a exemplo do que aconteceu na √ļltima sexta-feira (4), com Jorrimar Everton Galv√£o, alvejado com um tiro na testa.

Para o deputado Wellington, o Estado deve fazer algo, nem que seja reparar o dano, j√° que n√£o ter√° como devolver a vida e, tampouco, suprir o vazio que a perda de um familiar ocasiona.

‚ÄúInfelizmente, o n√ļmero de v√≠timas de bala perdida em nosso estado √© percept√≠vel. A exemplo disso, podemos citar a morte do senhor Jorrimar, na √ļltima sexta-feira, que foi alvejado quando estava indo buscar sua filha na escola. Ora, estamos aqui diante de um vazio que nada nem ningu√©m poder√° suprir. √Č a vida de um pai, de um marido, de um trabalhador que foi ceifada. Bem sabemos que n√£o h√° valor que atenue a dor que os familiares est√£o sentindo, mas acreditamos que o Estado tem a obriga√ß√£o de fazer algo. Por isso, apresentamos aqui o Projeto que concede a repara√ß√£o dos danos sofridos por v√≠timas de disparos de armas de fogo, decorrentes de conflitos envolvendo terceiros e for√ßas policiais. Esperamos que assim se fa√ßa a repara√ß√£o de um dano, ainda que material, j√° que n√£o h√° meio capaz de trazer de volta a vida de um ser humano‚ÄĚ, afirmou.

Ao ensejo, o deputado Wellington encaminhou mensagem de pesar à Lucimeire Galvão, esposa de Jorrimar, que foi assassinado. Ainda quanto aos crimes, Wellington solicitou a elucidação na investigação da morte da jovem estudante Alessandrina Alves Rodrigues, assassinada no dia 03 de junho de 2015, na Ponte José Sarney, que liga o bairro do São Francisco à Avenida Beira Mar, em São Luís.

‚ÄúVolto a solicitar a elucida√ß√£o na investiga√ß√£o da morte da jovem estudante Alessandrina, que foi v√≠tima de bala perdida, em um √īnibus da capital maranhense. H√° quase nove meses e n√£o h√° quem se culpe pela morte em quest√£o. O Estado pode at√© ter esquecido, mas a fam√≠lia certamente sente todo dia a falta da Alessandrina. A impunidade n√£o pode dominar um cen√°rio em que as vidas das pessoas s√£o ceifadas‚ÄĚ, disparou o deputado.

ENTENDA O PROJETO:

O Projeto objetiva proteger, auxiliar, prestar assist√™ncia e indenizar as v√≠timas de disparos de armas de fogo por ‚Äúbalas perdidas‚ÄĚ, bem como as v√≠timas da viol√™ncia, no estado do Maranh√£o, atrav√©s dos seus √≥rg√£os competentes.

A obrigação de reparar os danos sofridos por vítimas de disparos de armas de fogo supramencionada independe da demonstração de culpa.

A Prefeitura de Alc√Ęntara denunciou no Minist√©rio P√ļblico, via representa√ß√£o criminal, o descaso do vereador Ivan Ferreira com o dinheiro p√ļblico ao gastar irregularmente recursos da C√Ęmara Municipal e n√£o enviar o Relat√≥rio de Gest√£o Fiscal da C√Ęmara de Vereadores ao TCE, causando preju√≠zo de mais de R$ 2 milh√Ķes de reais √† popula√ß√£o do munic√≠pio. O dinheiro era destinado √†s a√ß√Ķes de sa√ļde, estradas vicinais e pavimenta√ß√£o urbana.

Presidente da C√Ęmara , Vereador Ivan Ferreira

Presidente da C√Ęmara , Vereador Ivan Ferreira

O descaso do presidente da C√Ęmara Municipal de Alc√Ęntara, Ivan de Jesus Moraes Ferreira, ao n√£o responder nenhuma das notifica√ß√Ķes da Prefeitura, encaminhadas a ele, solicitando que o mesmo regularizasse o seu RGF ‚Äď Relat√≥rio de Gest√£o Fiscal, relativo ao segundo semestre de 2015, fez com que o procurador do munic√≠pio, Jos√© Salom√£o F. Moreira J√ļnior, entrasse com representa√ß√£o criminal contra o presidente da C√Ęmara de Vereadores.

Ivan Ferreira foi denunciado por v√°rios atos praticados de improbidade administrativa. O descaso do vereador em n√£o cumprir o que manda a Lei de Responsabilidade Fiscal est√° impedindo a transfer√™ncia de mais de R$ 2 milh√Ķes de reais em recursos de conv√™nios e emendas parlamentares para a sa√ļde, estradas vicinais e pavimenta√ß√£o urbana, inclusive as estradas de Raimundo Su e assentamentos do Incra.

O presidente da C√Ęmara de Vereadores n√£o cumpriu o que manda o artigo 54 da Lei Complementar n¬į 101/2000, a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), onde os presidentes das C√Ęmaras Municipais devem publicar o Relat√≥rio de Gest√£o Fiscal (RGF).

A representa√ß√£o informa √† Justi√ßa que o prazo para publica√ß√£o do RGF pela C√Ęmara Municipal de Vereadores venceu em 30 de janeiro deste ano, sem que o vereador Ivan Ferreira tenha, at√© a data de ontem (09), tomado a providencia que lhe compete exclusivamente, mesmo tendo sido notificado v√°rias vezes, desde 11 de fevereiro deste ano. A jogada pol√≠tica do vereador ao sentar em cima do relat√≥rio visa apenas manchar a imagem da atual administra√ß√£o e prejudicar a popula√ß√£o alcantarense.

Segundo o procurador, o descumprimento dos prazos para a publica√ß√£o do RGF da C√Ęmara Municipal prejudica a popula√ß√£o, pois impede que Alc√Ęntara receba transfer√™ncias volunt√°rias, at√© que a situa√ß√£o seja regularizada, gerando a inscri√ß√£o do munic√≠pio no Servi√ßo Auxiliar de Informa√ß√Ķes para Transfer√™ncias Volunt√°rias (CAUC), que cria v√°rios problemas para a prefeitura e consequentemente √† popula√ß√£o.

Convênios e emendas parlamentares

Para receber recursos de conv√™nios e emendas parlamentares, o munic√≠pio tem que estar o com nome limpo e em dia com a documenta√ß√£o fiscal, inclusive o RGE. Caso essa situa√ß√£o criada pelo presidente da C√Ęmara de Vereadores prossiga, a popula√ß√£o de Alc√Ęntara poder√° perder o conv√™nio celebrado com o Incra, de aproximadamente R$ 1 milh√£o e meio de reais, para a melhoria das estradas vicinais de Raimundo Su e todos os assentamentos.

O munic√≠pio tamb√©m foi indicado pelo deputado federal J√ļnior Marreca para ser beneficiado com emenda parlamentar, no valor de mais de R$ 121 mil reais, com recursos do Minist√©rio da Sa√ļde, com prazo final at√© 13 de mar√ßo deste ano para apresentar todos os documentos fiscais. Tamb√©m do Governo Federal √© a emenda da deputada federal Eliziane Gama no valor de R$ 500 mil reais, destinada ao apoio e manuten√ß√£o da Unidade de Sa√ļde e pavimenta√ß√£o urbana, com prazo final de at√© 15 de mar√ßo de 2016.

‚ÄúDepois de v√°rias solicita√ß√Ķes oficiais ao presidente da C√Ęmara para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, agora o munic√≠pio apresentou representa√ß√£o criminal por improbidade administrativa junto ao Minist√©rio P√ļblico para que o vereador cumpra o que estabelece a Lei e n√£o cause mais preju√≠zo √† popula√ß√£o‚ÄĚ, disse o procurador. A den√ļncia pede que o Minist√©rio P√ļblico notifique o mais r√°pido poss√≠vel o presidente da C√Ęmara Municipal.

1 337 338 339 340 341 350