Monthly Archives: outubro, 2015

O Parlamento Amaz√īnico aprovou requerimento, na √ļltima quinta-feira (22), refor√ßando o apoio ao Projeto de Lei que cria a Zona Franca de S√£o Lu√≠s, de autoria do deputado federal Sarney Filho (PV).well

O requerimento N¬į005/2015 foi um dos encaminhamentos da III Reuni√£o Ampliada do Colegiado de Deputados do Parlamento Amaz√īnico/2015, que aconteceu na Assembleia Legislativa do Maranh√£o, e foi assinado pelo presidente do Parlamento, deputado Sin√©sio Campos (PT); ¬†pelo¬† Secret√°rio de Direitos Humanos do Parlamento, deputado Wellington do Curso (PPS) e por demais deputados que integram o Parlamento Amaz√īnico.

No requerimento, o Parlamento Amaz√īnico manifesta apoio ao Projeto de Lei 1139/2015, do deputado federal Sarney Filho (PV), solicitando a aprova√ß√£o do referido Projeto que tramita na C√Ęmara dos Deputados. Tal projeto de lei √© resultado da indica√ß√£o N¬į46/2015, de autoria do deputado Wellington do Curso (PPS), que apresentou a proposi√ß√£o no dia 11 de fevereiro de 2015, solicitando que a C√Ęmara elaborasse um projeto para implanta√ß√£o da Zona Franca de S√£o Lu√≠s, j√° que a compet√™ncia n√£o pertencia ao Legislativo estadual.

Ao destacar o requerimento N¬į005/2015, Wellington enfatizou a relev√Ęncia do projeto, bem como a implanta√ß√£o da Zona Franca de S√£o Lu√≠s, al√©m de enfatizar a posi√ß√£o do Parlamento Amaz√īnico.

‚ÄúLogo nos meses iniciais do mandato, destacamos as consequ√™ncias positivas que a implanta√ß√£o da Zona Franca em S√£o Lu√≠s ocasionaria. No entanto, por n√£o ser compet√™ncia estadual, apresentamos, no dia 11 de fevereiro, proposi√ß√£o que solicitava que a Bancada Federal apresentasse um projeto de implanta√ß√£o da Zona Franca de S√£o Lu√≠s. Indo ao encontro de tal solicita√ß√£o, o deputado Sarney Filho apresentou o Projeto de Lei 1139/2015 e o Parlamento Amaz√īnico, por compreender a import√Ęncia da implanta√ß√£o da Zona Franca, aprovou o requerimento manifestando o apoio ao Projeto‚ÄĚ, frisou o parlamentar.

PMDB: al√©m de aliado de Holandinha nas elei√ß√Ķes de 2016, pode ser ref√©m do Pal√°cio dos Le√Ķes.

A coisa pode ir muito além que o cargo de vice. Pressão palaciana para obter o apoio do PMDB pode ter origem na auditoria feita pelos comunistas na gestão passada do Detran.

A manobra custará desgastes tanto da oposição (grupo Sarney) quanto de governistas (PCdoB). A disputa pela presidência do PMDB, que redundaria em  apoio à reeleição de Edivaldo Holanda (PDT) ao comando da Prefeitura de São Luís, pode trazer à tona os podres da gestão passada.

Recentemente os blogueiros palacianos foram para cima da deputada Eliziane Gama, acusando-a de ser sarneysista.

Acostumados a patrulhar a vida da deputada Eliziane Gama (Rede), comunistas ter√£o, agora, que engolir o apoio dos sarneisistas. A briga pelo controle do PMDB revela muito bem isso.

Total apoio dos carcar√°s…

Uma pergunta chave para entender o apoio do PMDB ao candidato do Pal√°cio dos Le√Ķes:

Quando ser√° que os comunistas v√£o revelar os gargalos da gest√£o passada do Detram?

Segundo os bastidores da política, o PMDB de Roberto Costa e João Alberto (Carcará), que, na gestão de Roseana Sarney (PMDB),  dominavam o Detran, alguns documentos bombásticos foram pegos durante minuciosa auditoria, feitos pela gestão atual, que revelaram irregularidades.

Sendo que, os documentos da auditoria nunca vieram √† tona. Com a palavra o “governo da mudan√ßa”.

Fiquem com uma postagem de um blog governistas que fala sobre o assunto:

RD1

 

Rombo: onde o PT enfiou tanto dinheiro?

Enquanto a presidente Dilma Rousseff segue aumentando impostos, aumentando preços de produtos, gerando inflação, até o Bolsa Família sofrerá cortes.

Pior que n√£o saber para onde est√° indo o pa√≠s, √© pagar caro pelo rombo da corrup√ß√£o. At√© o programa Bolsa Fam√≠lia, que o PT justificava como sendo a reden√ß√£o do Brasil, acaba de ser afetado, o corte chega a 10 bilh√Ķes. ¬†Abaixo, fiquem com a reportagem que mostra o rombo.

Senadores da oposi√ß√£o pretendem brecar propostas indecorosas do governo petista:revoltad247 – O presidente nacional do PSDB, senador A√©cio Neves (MG), criticou, por meio das redes sociais, o corte de R$ 10 bilh√Ķes dos recursos do programa Bolsa Fam√≠lia proposto pelo relator do Or√ßamento Geral da Uni√£o para 2016, Ricardo Barros (PP-PR).¬† Segundo ele, os cortes em cima do maior programa social do governo federal destacam a “fal√™ncia do governo do PT”.

“A proposta do relator do or√ßamento, deputado Ricardo Barros, da base do governo, de cortar R$ 10 bilh√Ķes do Bolsa Fam√≠lia evidencia a fal√™ncia do governo do PT, comandado pela presidente Dilma Rousseff. Uma fal√™ncia que n√£o diz respeito apenas ao caixa. Antes de mais nada, trata-se de uma fal√™ncia moral”, postou A√©cio no Facebook.

Segundo o tucano, a crise gerada pela, “incompet√™ncia, demagogia e imprud√™ncia” do PT resultaram na atual recess√£o econ√īmica e na amea√ßa de corte de um dos mais importantes programas sociais do pa√≠s.

“Dilma elegeu-se, infelizmente, entre o terrorismo e o estelionato, atribuindo √† oposi√ß√£o aquelas que eram as suas inten√ß√Ķes secretas. O PSDB, como √© √≥bvio, jamais pensou em extinguir ou cortar o Bolsa Fam√≠lia. Ao contr√°rio: nosso prop√≥sito sempre foi aprimor√°-lo. Por isso defendemos que ele se transformasse em pol√≠tica de estado, para impedir que governos pudessem utiliz√°-lo como instrumento de amea√ßa aos mais pobres”, postou.

A√©cio tamb√©m disse que √© preciso ter aten√ß√£o quanto √° possibilidade dos cortes no programa, uma vez que poderia ser apenas “um truque” do governo federal para conseguir aprovar a recria√ß√£o da CPMF pelo Congresso. “Em raz√£o da recess√£o e do desastre econ√īmico provocado pelo governo Dilma, o programa se faz mais necess√°rio do que nunca”, disse.

“N√£o permitiremos que o governo que alimentou o Bolsa Corrup√ß√£o na Petrobras, na Eletrobras e no Minist√©rio do Planejamento ‚ÄĒ e onde mais? ‚ÄĒ corte o Bolsa Fam√≠lia ou aumente impostos”, destacou em seguida.

Crise no PMDB, Sarney caladinho…

Enquanto o Carcar√°, pega, mata e come o PMDB, Sarneys permanecem na moita…

√Č de estranhar que, at√© agora, o ex-senador Jos√© Sarney e sua filha, a ex-governador Roseana Sarney permanecem calados…

Crise no PMDB, Sarney caladinho I

O senador Jo√£o Alberto, o Carcar√°, se posicionou contra o ex-deputado Ricardo Murad, pela disputa do partido. Ao que tudo indica, querem entregar o controle da sigla para beneficiar o candidato a prefeito do Pal√°cio dos Le√Ķes.

Ser√° que est√£o combinando o jogo com o chef√£o do PMDB?

Crise no PMDB, Sarney caladinho II

Sinceramente, nunca se imaginou o nível baixo dessa disputa. Ora, o reduto dos Sarneys está dividido por uma barganha política, que, no mínimo irá favorecer apenas governistas, que jogam pesado pelo controle da legenda é algo inimaginável.

Pelo jeito o Sarney deve ter vestido o pijama e est√° dormindo. Da mesma forma, sua pupila, que, nada faz…

Ros√Ęngela Curado incomodando marmanjos…

Se tudo der certo, a população de Imperatriz terá pela primeira vez na sua história uma prefeita.

A Dra. Ros√Ęngela Curado, apesar da simpatia, vive sendo atacada por gente que joga contra a pedetista. J√° √© hora do seu partido, o PDT, aliad√≠ssimo do governo, se posicionar e cobrar respeito dos governistas que jogam contra.

Ros√Ęngela Curado incomodando marmanjos I

Se tudo der certo, digo, se a galera governista n√£o conspirar contra.

Pedetistas, alguns xiitas comunistas da cidade, n√£o se levantarem (novamente) contra a ¬†candidatura da deputada, que tem aprova√ß√£o popular comprovada. Sua pr√©-candidatura a prefeita em Imperatriz, que est√° indo de vento em popa, est√° incomodando outros candidatos, uma meia d√ļzia de marmanjos, sem votos da cidade, que n√£o toleram a ideia de uma mulher ocupar o Executivo de Imperosa

kelly.

Duas not√≠cias chocantes…

A semana fechou com duas notícias que abalaram a sociedade maranhense:

Execução de uma adolescente na porta da escola e a perda de mandato do prefeito de SJ de Ribamar.gil

Quero saber¬†√© se o filhinho de papai, “todo poderoso do TCE”, sobrinho de “todo poderoso do TJ”, vai sair ileso dessa. Ser√° que o MP n√£o ter√° for√ßas para fazer valer as leis?

Por falar nisso, vejam mais abaixo o estrago deixado pelo prefeito de Ribamar.

Absurdo, adolescente assassinada na porta da escola…

Nossa cidade est√° largada, esse caso da execu√ß√£o de uma adolescente a poucos metros da sua escola √© s√≥ a ponto do iceberg. O crime infelizmente domina tudo, estamos lascados…

A coisa está tão fora de controle, que o comentário na cidade é que uma facção rival ordenou a execução da estudante de dentro do Presídio de Pedrinhas, após membros da facção terem visto as imagens da garota cantando musica de rap num grupo de whatsApp.

Como assim, WhatsApp, em Pedrinhas?

Quer dizer que EST√Ā LIBERADO redes sociais, celulares, smartfones, internet para os presos de Pedrinhas?

Coluna dos fantasmas da AL

Na imagem do dia, o cartaz de um manifestante da Assembleia Legislativa, que estão denunciando funcionários fantasmas (assessores que recebem salários de marajás sem pisar na Assembleia). AL

O nome do diretor de Comunicação da AL, Carlos Alberto, mantém contratos com empresas de sua propriedade, segundo consta nos noticiários dos blogues locais,

Amanh√£, tornarei mostrar mais nomes, nas imagens enviadas pelos manifestantes da Assembleia Legislativa do Maranh√£o.

Assessor urubu

X-9 √© pouco. Essa semana um ‚Äúassessor de imprensa‚ÄĚ, agora, tamb√©m, blogueiro, esteve de visita (brechando a movimenta√ß√£o dos jornalistas) no Comit√™ de Imprensa da AL.

O sujeito, que ficou conhecido no submundo do crime por ser delator, de t√£o queimado que √©, fica “pagando informantes” para saber e levar aos ‚Äúpoderosos‚ÄĚ do governo, segundo consta, informa√ß√Ķes, como forma de barganhar benef√≠cios nas estruturas palacianas.

Gil Cupim aprontando…

√Č um absurdo o Prefeito Gil Cutrim n√£o pavimentar Av. Tancredo Neves uma importante via de liga√ß√£o entre o Socorr√£o II e a Estrada de Ribamar…

SAIU DR. PÊTA

J√° diz o ditado “santo de casa n√£o obra milagre”. Mas, afinal quem s√£o os Brothers de Cl√£ Pol√≠tico , um parlamentar e o outro alcaide,¬† que andam pelo Maranh√£o a fora ostentando a posi√ß√£o de lideres, anunciando obras e costurando alian√ßas mas s√£o incapazes de conseguir resolver de forma definitiva a pavimenta√ß√£o de pouco mais de 1Km de “crateras” da Avenida Tancredo Neves, no trecho que fica sob responsabilidade de sua gest√£o.

Comunismo na contram√£o da hist√≥ria…

S√≥ de pensar que os cofres p√ļblicos sangram pela propaga√ß√£o do comunismo em nosso pobre estado, deixa muita gente revoltada.

Nos principais países do mundo, onde o comunismo foi implantado a população criou ojeriza ao sistema de governo. Tem países, que a experiência foi tão dolorosa, drástica, que o povo que banir da história, inclusive, retirando velhos símbolos. Confira na postagem do Linhares Jr.

gil22

Leia na integra aqui:

Teve a participa√ß√£o do advogado Abdon Marinho sobre o projeto de cria√ß√£o da zona franca de exporta√ß√Ķes, vale a pena ler:

Uma causa para unir e desenvolver o Maranh√£o.

Economia, para quem n√£o vivencia seu mundo, √© sempre um tema √°rido para ser desenvolvido. Eu que cansei de levar ‚Äėbolo‚Äô na tabuada de multiplicar, sempre procurei passar ao largo do assunto. Por conta disso, demorei tanto a me manifestar sobre o projeto do senador Roberto Rocha (PSB/MA) que trata da cria√ß√£o da Zona Livre de Exporta√ß√£o de S√£o Lu√≠s, Ap√≥s ler e reler o projeto algumas vezes, convenci-me da sua import√Ęncia para o desenvolvimento do Maranh√£o.

Durante d√©cadas os governos se ocuparam em fomentar a forma√ß√£o de enclaves econ√īmicos no nosso territ√≥rio ‚Äď ilhas de prosperidade econ√īmica em meio √† mis√©ria gritante no seu entorno.

Exemplos clássicos são a Vale, o consórcio Alumar e até o Porto do Itaqui. Nunca entendi a razão dos governos brasileiros não terem exigido ou incentivado o surgimento de empresas para o beneficiamento, em território brasileiro (maranhense), do minério de ferro, do alumínio ou, ainda, que o porto não fosse um mero exportador de produtos primários.

Apenas para ficar nestes exemplos, exportamos milh√Ķes de toneladas em min√©rios e depois readquirimos os produtos feitos a partir deles (min√©rios) por um valor bem superior.

Noutras palavras: vendemos barato, geramos empregos noutras terras e adquirimos os produtos da matéria prima que exportamos, bem mais caro.

Vamos combinar que não precisa ser economista para perceber que esta equação está equivocada. Não é aceitável que tanto minério seja exportado a partir do nosso porto, por empresas aqui sediadas, e aqui, na ilha, não tenha uma fábrica de prego, parafuso ou, até mesmo, de caçarola ou de penico.

Este equ√≠voco cria uma distor√ß√£o econ√īmica absurda: temos um estado rico, com um PIB elevado (acho que o segundo do nordeste) e um povo extremamente pobre, ocupando os √ļltimos lugares em qualquer indicador social.

Isso √© algo s√©rio, t√£o s√©rio, que, caso esses enclaves econ√īmicos deixassem de existir amanh√£, pouco ou nada afetaria a vida do cidad√£o comum maranhense.

Uma prova disso √© que a Alumar reduziu drasticamente suas opera√ß√Ķes e se falava em demiss√Ķes de quinhentas ou seiscentas pessoas, n√£o afetando a economia do estado como um todo. Nos trinta e mais anos que aqui est√£o n√£o enraizaram nada na economia local.

Caso o projeto do senador maranhense vire realidade, estaremos diante da possibilidade de mudarmos de patamar a nossa economia; n√£o apenas da ilha, mas de todo o Maranh√£o. Trata-se de algo para ser or√ßado em bilh√Ķes de d√≥lares.

Acredito que pelas condi√ß√Ķes privilegiadas da Ilha ‚Äď posicionada estrategicamente pr√≥xima da Europa e do Canal do Panam√° e com um dos mais profundos portos do mundo ‚Äď, muitas empresas nacionais e estrangeiras se interessar√£o em vir instalar suas plantas aqui e desenvolver produtos destinados √† exporta√ß√£o, aproveitando-se dos incentivos propostos no projeto.

Ora, num primeiro momento, estamos falando numa valorização brutal das propriedades de toda a ilha e, já num segundo momento, de milhares de empregos para a população brasileira (e maranhense) nestas empresas. Só estes dois itens, a valorização imobiliária e os empregos oferecidos já são capazes de transformar a economia da ilha e do estado.

A Zona Livre de Exporta√ß√£o de S√£o Lu√≠s, caso vire realidade, permitir√° que diversos itens da produ√ß√£o maranhense (e de outros estados) sejam beneficiados em S√£o Lu√≠s para serem exportados para outros pa√≠ses. A soja que sai hoje ‚Äėin natura‚Äô, por exemplo, j√° sair√° pelo porto, como √≥leos, como ra√ß√£o animal, gerando emprego e agregando maior valor ao produto final. O mesmo pode acontecer com os diversos produtos oriundos do min√©rio, que j√° podem sair daqui, em vez de lingotes, como ca√ßarola, como prego, como rodas de ve√≠culo, como trilhos para ferrovias, como pe√ßas diversas para a ind√ļstria ao redor do mundo.

Até o urucum que cresce em qualquer monturo, sem que ninguém cuide, poderá ser processado e exportado em formato de condimentos, tintas, óleos, resinas, etc.

Embora o projeto j√° alcance toda a ilha de S√£o Lu√≠s, permite, que, por meio de decreto presidencial, a zona de exporta√ß√£o alcance outros munic√≠pios, como √© o caso de Bacabeira, onde j√° temos uma grande √°rea j√° no ponto de instalar diversas ind√ļstrias. Noutra quadra, tamb√©m permite que a produ√ß√£o seja comercializada no territ√≥rio nacional, desde que sem isen√ß√£o e incentivos, competindo, em p√© de igualdade, com as demais ind√ļstrias nacionais.

Por outro lado, como se trata de uma zona de exportação, não concorrerá com a Zona Franca de Manaus.

Claro que qualquer boa ideia sempre pode e deve ser melhorada, esta da Zona Livre de Exporta√ß√£o de S√£o Lu√≠s n√£o pode e n√£o deve ser diferente. Devemos observar as quest√Ķes ambientais, o fr√°gil ecossistema da ilha, evitando que em nome da atividade econ√īmica se despreze todo o resto; seja na ilha seja no continente. Desenvolvimento e sobreviv√™ncia n√£o s√£o coisas antag√īnicas.

Acho que esta √© uma bandeira, uma causa que deva unir todos os maranhenses ‚Äď sobretudo os da ilha ‚Äď, esquecendo, ainda por um momento, em nome de um interesse maior, as enormes divis√Ķes em torno de projetos pessoais ou de cunho ideol√≥gico.

Entendo que √© hora do Maranh√£o valer-se de suas condi√ß√Ķes privilegiadas ‚Äď solo f√©rtil, clima est√°vel, duas grandes ferrovias, um porto numa localiza√ß√£o que o torna um dos mais importantes do mundo ‚Äď e sair de vez do modelo de economia de depend√™ncia.

Os governantes, pol√≠ticos, entidades, a sociedade de uma forma geral, precisam se mobilizar em torno desta e de outras iniciativas de interesse comum. (Abdon Marinho ‚Äď Advogado).

A mobilização popular pode garantir a criação de uma zona de livre comércio para exportação em São Luís.

Um abaixo assinado virtual e a campanha de apoio #ZonadeExportaçãoJá foram lançados pelo senador Roberto Rocha, autor do Projeto de Lei 319/2015, que cria a zona franca de São Luís e deverá ser votado na próximas semanas no Senado.r

A proposta vem encontrando resistência por parte da bancada do Amazonas, onde está situada a zona franca de Manaus.

‚ÄúA zona de livre exporta√ß√£o de S√£o Lu√≠s n√£o concorre com a zona franca de Manaus em nada. A nossa proposta √© aproveitar a localiza√ß√£o privilegiada da ilha e a exist√™ncia do porto para criar uma √°rea de exporta√ß√£o, enquanto Manaus tem isen√ß√Ķes para produzir para o com√©rcio interno‚ÄĚ, explica o senador.

Roberto Rocha argumenta que a cria√ß√£o de uma zona franca para a exporta√ß√£o na ilha de S√£o Lu√≠s tem o potencial de gerar milhares de empregos e promover o desenvolvimento econ√īmico de toda a regi√£o, uma vez que levaria √† cria√ß√£o de ind√ļstrias de beneficiamento de produtos.

Atualmente, o porto do Itaqui é grande exportador de minério e soja in natura. Com a zona franca, a exportação passaria a ser não apenas de matéria prima, mas também manufaturada.

Abaixo-assinado

Para evitar que a polêmica levantada pela bancada da zona franca de Manaus coloque o projeto em risco, o senador Roberto Rocha deu início a uma campanha de apoio da população do Maranhão, que pode ser fundamental na aprovação do projeto.

Veja todas as formas de participar na página do senador (www.robertorocha.com.br); ou assine o abaixo-assinado virtual https://goo.gl/EbL.Rnf

Confira a íntegra do texto do lançamento da campanha, assinado pelo senador Roberto Rocha:

Amigos e amigas do Maranh√£o,

O nosso estado precisa da ajuda e do empenho de todos. Nesta semana, est√° em discuss√£o na Comiss√£o de Assuntos Econ√īmicos (CAE) a aprova√ß√£o do projeto de lei n¬ļ 319/2015, que cria a Zona Franca de S√£o Lu√≠s. O projeto ir√° transformar a nossa capital em uma √°rea de livre com√©rcio de exporta√ß√Ķes, com incentivos fiscais especiais, o que lever√° desenvolvimento ao parque industrial da regi√£o.

A l√≥gica √© simples: com a aprova√ß√£o de incentivos fiscais e a localiza√ß√£o privilegiada do Porto do Itaqui no continente, S√£o Lu√≠s ir√° se beneficiar bastante com a chegada de novas empresas. Desta maneira, mais empregos ser√£o gerados para o nosso povo, melhorando os √≠ndices econ√īmicos e sociais do Maranh√£o. O nosso estado e o nosso povo merece e voc√™ pode fazer isso acontecer.

Para isso, basta voc√™ fazer a sua parte. Voc√™ pode enviar um e-mail para os congressistas pedindo a aprova√ß√£o do projeto, pode comentar nas redes sociais dos senadores e at√© ligar gratuitamente pro Al√ī Senado. A mobiliza√ß√£o faz a for√ßa! Quanto maior a press√£o popular, maior a chance do projeto ser aprovado. E se h√° desenvolvimento para o Maranh√£o, h√° desenvolvimento para o Brasil. Ajude!

Saiba como participar em www.robertorocha.com.br

O deputado estadual Wellington do Curso (PPS) presidiu, na tarde desta sexta-feira¬† (23), a Audi√™ncia P√ļblica que discutiu sobre a convoca√ß√£o para o 2¬į Curso de Forma√ß√£o dos aprovados no √ļltimo concurso da Pol√≠cia Civil, realizado em 2012.

well

A reunião aconteceu no Plenarinho da Assembleia Legislativa e contou com a presença do presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão, Heleudo Moreira; do segundo vice-presidente do Sindicato, João Victor Ramos; dos representantes dos remanescentes, Izana Rubim e Marcos Assunção, além dos candidatos que fizeram o segundo curso de formação e aguardam convocação.

Ao se pronunciarem, os aprovados lamentaram a ausência de representatividades do governo na audiência, pois, segundo informaram, por diversas vezes procuraram os responsáveis para um possível diálogo e até hoje não obtiveram atendimento.

O deputado Wellington do Curso, que desde o in√≠cio de seu mandato tem se posicionado sens√≠vel √† causa, reafirmou seu apoio incondicional na busca por aquilo que, segundo ele, √© direito do aprovado em concurso p√ļblico: a legitimidade para exercer o cargo, e afirmou, ainda, que est√° √† disposi√ß√£o da categoria na tentativa de intermediar para a poss√≠vel solu√ß√£o. Durante seu discurso, o parlamentar tamb√©m ressaltou que sempre estar√° ao lado do povo e em defesa das minorias.

Dentre os 173 aprovados que aguardam o 2¬įcurso de forma√ß√£o, est√£o 13 peritos, 130 investigadores, 9 auxiliares de per√≠cia e 21 escriv√£es, sendo que dentre os cargos est√£o dispon√≠veis 304 vagas para investigador de pol√≠cia, 44 vagas para auxiliar de per√≠cia, 84 vagas para escriv√£o e 43 para perito criminal.

Ao final da audiência, ficou marcada uma reunião dos aprovados para a próxima quarta-feira (28) com a Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa.

Acusa√ß√Ķes dos comunistas

Viram a√≠ o governador chamando para um ‚Äúdi√°logo‚ÄĚ os ‚Äúsarnopetistas‚ÄĚ?

Ora, se o Sarney √© tudo que n√£o presta, como acusam os comunistas, que diabos Fl√°vio Dino vive buscando ‚Äúapoio‚ÄĚ desse povo?

Confira abaixo, na postagem do Robert Lobato:

Acusa√ß√Ķes dos comunistas I

Enquanto os governistas ocupam o poder, se entrometendo em tudo. Até nas legendas dos Murad/Sarneys.

Se não bastasse tirar os políticos do PMDB, como fez com os Cutrins, os comunistas querem mandar no PMDB. Além de Helena Dualibe, querem o Roberto Costa, o Carcará, etc…

Nesse sentido, a luta da deputada Andrea Murad em tornar o PMDB longe de Holandinha é válida.

Os comunistas deveriam deixar que os Murads/Sarneys cuidem de seu partido.

Foco na gestão, governador…

Palanque eleitoral armado:

Ainda não mudou: Só pensam naquilo, os novos mandatários do Maranhão continuam respirando politica. Que vergonha.

Os comunistas adoram acusar, taxar quem n√£o ‚Äúreza na cartilha vermelha‚ÄĚ. N√£o me importunem, estou avisando.

Abaixo, postagem mostrado que o PMDB vai reagir contra o Pal√°cio dos Le√Ķes:

dedeia

Apoio do grupo Sarney Igil2

√Č not√≥rio que, para ganhar as elei√ß√Ķes municipais que se aproximam, em 2016, vale tudo, at√© abra√ßar ‚Äúinimigo‚ÄĚ. Que mudan√ßa √© essa, Fl√°vio Dino?

J√° falei disso muitas vezes, nosso governador deveria se preocupar com suas fun√ß√Ķes de governador e se esquecer da pol√≠tica.

Deveria mandar Márcio Jerry cuidar disso, afastado do governo, pois a impressão que dá, é que ele só foi eleito para se perpetuar no poder, como fez Sarney, como fez Vitorino Freire. Quando vamos quebrar esse ciclo de oligarquias no Maranhão?

Veja na foto e entenda clicando aqui no link:

Apoio do grupo Sarney II

Foco na politicalha e não na gestão. Que mudança é essa?

J√° mostrei aqui o erro de investir em politica, quando deveriam focar na gest√£o. Mas a √ļnica preocupa√ß√£o dos comunistas √© se fortalecer politicamente, para isso, fazendo alian√ßas esp√ļrias com pol√≠ticos de todos as esp√©cies. Mude o foco, governador‚Ķ

Ensaios para a mudança…

Como falar de mudan√ßas, se as velhas pr√°ticas ainda est√£o impregnadas nos pol√≠ticos? Nem vou falar aqui nas atitudes do governador, que ainda n√£o desceu do palanque eleitoral de 2014, se preparando para as elei√ß√Ķes de 2016‚Ķ

Nossos deputados ainda não mentalizaram a mudança. O que falta para nossos políticos fazerem a mudança (de fato) acontecer?

Os empregos fantasmas da Assembleia Legislativa vergonhosamente é a comprovação de que os nossos deputados ainda não conseguiram passar aos eleitores confiança.

Ensaios para a mudança I…

Eu fui um dos maiores entusiastas da campanha de Flávio Dino, como fiz com Jackson Lago, que era o candidato da mudança, apoiei incondicionalmente Flávio Dino, fui até para a televisão defende-lo (reveja), mas, que, infelizmente, até agora, demostra que nada mudou.

Na minha opinião, do jeito que está fazendo, Flávio Dino está indo na mesma direção do Sarney, de se tornar um novo oligarca.

Não me importunem mais com bobagens, tenho legitimidade para cobrar mudança, criticar, foi o próprio governador que pediu isso:

Confira clicando aqui: 

fd

Ensaios para a mudança II…

Flávio Dino, embora endeusado pelo seu grupo político, em dez meses de governo, está fazendo as mesmas coisas da ex-governadora. Querem exemplos?

Comunistas querem tirar o PT, o PMDB, o PTN, etc, todo apoio que conseguirem para as elei√ß√Ķes de 2016.

Tamb√©m, s√£o fortes os ind√≠cios de que o ‚Äúgoverno da mudan√ßa‚ÄĚ est√° usando o aparelho a seu favor para desarmar ‚Äúinimigos‚ÄĚ, o uso de escutas telef√īnicas, denunciadas v√°rias vezes por deputados da oposi√ß√£o, hoje, governistas, s√£o a maior prova disso.

Uso de aeronaves, uso e abuso da Comunicação do Estado para promoção dos governistas, etc…

Que mudança é essa?

Torno a falar, quem avisa amigo é…

Pouco ou quase nada…

O p√©ssimo exemplo dos pol√≠ticos de Bras√≠lia, ao que parece ‚Äúcongelou‚ÄĚ o desejo de mudar esse pa√≠s para melhor.

Ap√≥s serem eleitos, os discursos de mudan√ßa perderam for√ßa. Assim que foi reeleita, Dilma Rousseff (PT) n√£o consegue andar para frente. Dilma barrou o desenvolvimento, tamb√©m, as discuss√Ķes de mudar esse pa√≠s. N√£o apenas ela, que enfrenta todo tipo de acusa√ß√Ķes desse parlamento viciado em corrup√ß√£o. Como mudar isso?

Começando essa pequena nota, quero parabenizar alguns políticos de nossa terra pelas iniciativas, algumas louváveis, outras, apenas para efeito de justificar os votos de seu mandato.

A terceira reuni√£o do Parlamento Amaz√īnico trouxe muitos pol√≠ticos para a sede do Legislativo maranhense. Ponto favor√°vel aos organizadores, dentre eles, o deputado Wellington do Curso, um dos poucos nas minhas observa√ß√Ķes que tem dignificado seu mandato 100%.

Ainda n√£o estou fazendo compara√ß√Ķes de quem trabalha ou n√£o. Estou querendo mostrar que tem gente de boa vontade no meio de tantos outros pol√≠ticos tarimbados, pol√≠ticos de quilometragem vencida, que pouco fazem para justificar a ocupa√ß√£o de um importante cargo.

Ainda no Parlamento Amaz√īnico, pude entrevistar um deputado federal, que me falou da import√Ęncia dessas reuni√Ķes. O representante do Congresso Federal, embora tenha achado louv√°vel toda aquela movimenta√ß√£o na ‚ÄúCasa do Povo‚ÄĚ, que trouxe para debater as quest√Ķes, pol√≠ticos, deputados, governo e representantes da sociedade, um sinal de que querem ¬†abra√ßar a causa.

O deputado, em sua fala, demostrou descren√ßa na atual conjuntura do Brasil, para ele, a unidade dos deputados da regi√£o da Amaz√īnia poder√° fazer pouco, diante de ‚Äúum governo sem perspectivas‚ÄĚ.

Comunistas usando o poder para atrair partidos para seu palanque:

Abaixo, postagem retirada do blog do Domingos Costa (governista) mostrando a interfer√™ncia do ¬†Pal√°cio dos Le√Ķes sobre os sarnopstistas, para apoiar uma chapa em apoio a Edivaldo Holanda J√ļnior.

pl

Acusa√ß√Ķes dos comunistas

Viram a√≠ o governador chamando para um ‚Äúdi√°logo‚ÄĚ os ‚Äúsarnopetistas‚ÄĚ?

Ora, se o Sarney √© tudo que n√£o presta, como acusam os comunistas, que diabos Fl√°vio Dino vive buscando ‚Äúapoio‚ÄĚ desse povo?

Confira abaixo, na postagem do Robert Lobato:

Acusa√ß√Ķes dos comunistas I

Enquanto os governistas ocupam o poder, se entrometendo em tudo. Até nas legendas dos Murad/Sarneys.

Se n√£o bastasse tirar os pol√≠ticos do PMDB, como fez com os Cutrins, os comunistas querem mandar no PMDB. Al√©m de Helena Dualibe, querem o Roberto Costa, o Carcar√°, etc…

Nesse sentido, a luta da deputada Andrea Murad em tornar o PMDB longe de Holandinha é válida.

Os comunistas deveriam deixar que os Murads/Sarneys cuidem de seu partido.

Foco na gest√£o, governador…

Palanque eleitoral armado:

Ainda não mudou: Só pensam naquilo, os novos mandatários do Maranhão continuam respirando politica. Que vergonha.

Os comunistas adoram acusar, taxar quem n√£o “reza na cartilha vermelha”. N√£o me importunem, estou avisando.

Abaixo, postagem mostrado que o PMDB vai reagir contra o Pal√°cio dos Le√Ķes:

dedeia

Apoio do grupo Sarney Igil2

√Č not√≥rio que, para ganhar as elei√ß√Ķes municipais que se aproximam, em 2016, vale tudo, at√© abra√ßar ‚Äúinimigo‚ÄĚ. Que mudan√ßa √© essa, Fl√°vio Dino?

J√° falei disso muitas vezes, nosso governador deveria se preocupar com suas fun√ß√Ķes de governador e se esquecer da pol√≠tica.

Deveria mandar Márcio Jerry cuidar disso, afastado do governo, pois a impressão que dá, é que ele só foi eleito para se perpetuar no poder, como fez Sarney, como fez Vitorino Freire. Quando vamos quebrar esse ciclo de oligarquias no Maranhão?

Veja na foto e entenda clicando aqui no link:

A deputada estadual Ana do G√°s (PRB) participou na quarta-feira (21), no audit√≥rio do Servi√ßo de Apoio √†s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/MA) de Presidente Dutra, da reuni√£o com o secret√°rio estadual de sa√ļde , Marcos Pacheco, com os 16 prefeitos e secret√°rio municipais de sa√ļde da Regional de Presidente Dutra. A reuni√£o teve como objetivo organizar e debater os servi√ßos de sa√ļde nas diretrizes do Sistema √önico de Sa√ļde (SUS).gas1

O encontro debateu os termos da pontua√ß√£o compartilhada e os Conglomerados Intermunicipais de Sa√ļde. A proposta dos Conglomerados Intermunicipais de Sa√ļde √© de reorganiza√ß√£o para melhorar e ampliar os servi√ßos de sa√ļde em todo o Estado.

“Vim participar desse debate porque sei que √© inten√ß√£o do Governo do Estado em resolver o problema da sa√ļde no Maranh√£o e a proposta de conglomerados e desses encontros nas regionais para decidirem a regionaliza√ß√£o “, frisou a parlamentar, que estava acompanhada da secret√°ria de sa√ļde de Santo Ant√īnio dos Lopes, Dra. Jana√≠na.

A reuni√£o da CIR de Presidente Dutra faz parte de uma s√©rie de reuni√Ķes que est√£o acontecendo e abranger√° as 19 regi√Ķes de sa√ļde do Maranh√£o.unnamed (1)

O secret√°rio Marcos Pacheco, que mediou a reuni√£o, explicou que a aten√ß√£o b√°sica precisa ser feita por todos os munic√≠pios, mas que os demais servi√ßos de m√©dia e alta complexidades em sa√ļde devem ser organizados dentro das regi√Ķes. ‚ÄúN√£o adianta cada munic√≠pio tentar fazer tudo em sa√ļde. Assim, acaba n√£o conseguindo executar nem o b√°sico, pois sa√ļde custa caro. √Č justamente por isso que precisamos colocar em pr√°tica uma rede de sa√ļde solid√°ria, com intelig√™ncia gerencial. Cada munic√≠pio que est√° aqui vai decidir quais servi√ßos poder√° compartilhar a partir de agora com o outro‚ÄĚ, destacou Marcos Pacheco.

O secretário disse ainda que é preciso trabalhar com prevenção, que é mais eficaz, barata e que alivia o sofrimento da população.

Al√©m da deputada, participaram da reuni√£o o secret√°rio adjunto de articula√ß√£o pol√≠tica, Ricardo Lucena e o gerente Regional de Sa√ļde, Z√© Orlando, al√©m dos prefeitos das cidades de Capinzal do Norte, Dom Pedro, Fortuna, Gon√ßalves Dias, Governador Eug√™nio Barros, Governador Luiz Rocha, Gra√ßa Aranha, Josel√Ęndia, Presidente Dutra, Santa Filomena do Maranh√£o, Santo Antonio dos Lopes, S√£o Domingos do Maranh√£o, S√£o Jos√© dos Bas√≠lios, Senador Alexandre Costa e Tuntum.

O deputado Z√© In√°cio (PT) usou a tribuna durante a III reuni√£o do Parlamento Amaz√īnico que acontece na Assembleia Legislativa do Maranh√£o para conclamar bancada maranhense e paraense para discutir sobre a BR 308 que liga o Maranh√£o e o Par√° e incluir os dois estados na rota do turismo facilitando assim o acesso aos Len√ß√≥is e ao Delta Parna√≠ba.

A BR 308 liga os estados do Pará ao Maranhão é composta pelos municípios (Capanema, Bragança, Vizeu, Carutapera, Turiaçu, Cururupu, Mirinzal, Central do Maranhão e Bequimão).

Zé Inácio sugeriu que por meio da mesa diretora da Assembleia Legislativa seja encaminhando como Indicação para a bancada federal para retomada deste debate que já tem um avanço significativo entre a bancada paraense.unnamed

‚ÄúEu gostaria que isso fosse pautado neste Parlamento, inclusive aprovado como Indica√ß√£o para que, atrav√©s da Presid√™ncia as duas bancadas federais (Par√°/Maranh√£o) fossem acionadas e assim afinassem o discurso da BR 308‚ÄĚ.

O petista ainda ressalta que a BR 308 √© importante n√£o s√≥ para o desenvolvimento dos dois Estados, mais tamb√©m para o desenvolvimento da regi√£o Amaz√īnica, sobretudo, a que perpassa pelo Litoral, margeando o Oceano Atl√Ęntico. ‚ÄúPrecisamos nos empenhar mais neste debate e envolver a bancada maranhense para que possamos ter um avan√ßo e assim incluir os dois estados na rota do turismo brasileiro. O Maranh√£o e Par√° necessitam desta inclus√£o‚ÄĚ, diz o parlamentar.

O deputado destacou ainda que o Parlamento Federal do Par√° j√° fez in√ļmeros debates sobre a BR 308, enquanto o parlamento maranhense pouco tem discutido sobre este tema. ‚ÄúO que est√° faltando √© apenas um pouco mais de empenho de n√≥s deputados estaduais e, sobretudo, da bancada federal para nos aprofundamos nesta discuss√£o e assim ajudar no desenvolvimento da nossa regi√£o, do nosso estado‚ÄĚ, ressalta.

Agricultura Familiar РOutro tema que também foi destacado pelo deputado Zé Inácio (PT) durante o encontro foi o Programa Federal Terra Legal.

Segundo Z√© In√°cio (PT) o programa deveria entrar na pauta do Parlamento, para que a regulariza√ß√£o fundi√°ria de fato aconte√ßa na Amaz√īnia Legal, que √© composta por nove (09) Estados. ‚ÄúAcho que o Programa Terra Legal deva ser fruto de debates por este Parlamento. Porque temos um programa que, na pr√°tica, tem muitas dificuldades de ser efetivado. Um debate sobre tudo, com o Minist√©rio do Desenvolvimento Agr√°rio e com a participa√ß√£o das autoridades para assim podermos ter um avan√ßo significativo no desenvolvimento deste Programa‚ÄĚ, alerta Z√© In√°cio. ¬†(Assessoria do deputado)

1 2 3 4 5 12