Congresso sem foco: Qual o “capital” de Márcio Jerry?

Qual o segredo dos “novos ricos” do Maranhão?

Políticos que prometeram “mudanças” repetiram atitudes do Grupo Sarney e usaram a política para ascender.

Olha ai Congresso sem Foco: Melhor deputado que só vota contra a população pobre?

A fama do ainda “super” teria chegado nos corredores de Brasilia, conhecido pela alcunha de “homem forte”, logo ficou conhecido pelas tintas das canetas dos jornalistas de Brasilia, consecutivas vezes, premiado como o ‘melhor deputado”pelo Congresso em Foco.

Há jornalistas que o conhecem bem e relatam o contrário, veja abaixo:

Pela primeira vez na vida, desde que saiu de sua pobre terra, o então super secretário do governo comunista, Márcio Jerry, que antes não tinha votos para ser eleito a nada tornou-se deputado federal com eleição recorde. Jerry, pela primeira vez na vida, montado na maquina, foi o segundo mais votado do Maranhão, o primeiro foi Josimar de Maranhãozinho, outro “novo rico” que desembarcou nestas sofríveis e exploradas terras.

Segundo consta na folha do ex-secretário, algumas coisa cabeludas foram encobertas, apagadas, esquecidas, como os “alugueis camaradas” que foram matérias da Globo.

O assunto rende, depois falarei melhor do Josimar de Maranhãozinho, que, diferente daquilo que escreveram os escribas palacianos ligados ao “consórcio” de candidatos de Flávio Dino, Josimar foi quem teria “tirado” ou “vendido”,  a pré-candidatura de Detinha, sua esposa, e não ela própria quem tirou.

Com a saída do grupo Sarney do poder, novos “donos do MA” ascenderam ao controle de um estado que, em 6 anos, ficou ainda mais pobre devido a exploração da sua pobreza por políticos inescrupulosos, que antes criticavam práticas espúrias, mas pelo visto usaram a pobreza e a fome da população para ocupar o poder.

Voltando ao Jerry, apontado como o melhor deputado pelos jornalistas da imprensa anti-bolsonaro, ou imprensa-militante, que xinga conservadores e cristãos de “fascistas”, quero falar do “capital” do ex-super secretário, apelidado pelos seus subalternos de “super”.

As votações de Marcio Jerry, apelidado por alguns de novo rico, foram pífias até que fosse agraciado para ocupar posições políticas que, se usadas em favor dos pobres do interior, sertanejos, poderia fazer diferença. Mas pelos visto, não foi isso que fez, parece que imitou os antigos donos da MA.

Jerry, que mudou da água para o vinho, seria outro apontado de “novo rico” que ascendeu na vida através da política.

Causa espanto que um ex-professor substituto de jornalismo tenha conseguido subir tanto em pouco tempo, um jovem sertanejo de família cristã, que desejava mudar o Maranhão, parece que esqueceu seus princípios e ideias, demostrando usar o cargo público contra os pobres, que precisam de esgotos, que precisam de segurança, de garantias contra a impunidade, como a votação para aumentar pena de corruptos, que apenas os extremistas do PSOL e do PCdoB votaram contra. Qual o motivo de votar contra a os esgotos, a corrupção, nobre deputado sertanejo? Qual o verdadeiro capital, afinal, alguém que era pobre mas hoje age feito políticos antigos que se diziam “donos do MA”?

Aguardamos suas explicações neste espaço.

Abaixo, o relato de um jornalista que não vive em Brasilia, nem aponta os “melhores” ao “Congresso sem Foco”.

A arte da destruição em Márcio Jerry e os seus efeitos daninhos à São Luís e ao Maranhão de todos nós.

O deputado federal Márcio Jerry trabalha para esvaziar a candidatura a prefeito do ex-juiz José Carlos Madeira. É evidente que faz isso sob os aplausos  dos filhos, netos e júniores da política tradicional. Assim, Jerry se comporta como boneco de ventríloquo dessa gente.

Três partidos que haviam declarado desejo de apoiar a candidatura de Madeira, notadamente PTB, MDB e setores do PT, depois da investida de Jerry, pularam fora.

Madeira irá surpreender muita gente nesta eleição.

Mas, se a perseguição prosseguir e atrapalhar uma candidatura digna, séria e competente, Jerry estará, junto com o que “combatia” e que agora representa , empurrando Carlos Madeira para apoiar Braide, num eventual segundo turno.

Roberto Kennard, jornalista e poeta. (Retirado do Blog o Machado do Maranhão)

3 pensou em “Congresso sem foco: Qual o “capital” de Márcio Jerry?

  1. Concordo com a Jaci. Flávio Dino deve ao povo do Maranhão 11 mandatos de deputado federal e dois de senadores. Armou um organização para “mudar” nossa representação no Congresso. Veja a bagunça e o nível da ficha corrida desses bandidos. Esse da matéria é o que comanda o verdadeiro gabinete do ódio.
    Espero que os maranhenses usem o dedo indicador para apontar o caminho da rua para todos.

  2. Esse gatuno jamais foi eleito oficialmente!
    É a criatura mais abominável depois do seu criador, aqui por essas terras gonçalvinas.
    Que essa cúpula seja defenestrada, brevemente, por alguma operação da PF!!!

Os comentários estão fechados.