Covid-19: Tratatameto precoce com hidróxicloroquina, ivermectina, azitromicina: veja o exemplo de um prefieto de SP, que é médico que salvou a população da sua cidade

0

Tratamento precoce salvou população, lamentavelmente, apenas três óbitos se deram durante a pandemia, justamente nas pessaos que se recusaram tomar as medicações.

Prefeito e Médico brasileiro salva cidade inteira do COVID com tratamento a base de IVERMECTINA e foi ignorado pela imprensa.

Terra Brasil Notícias 

Com pouco mais de 53 mil habitantes, a cidade de Porto Feliz está localizada a 90 km de São Paulo (capital).

Eleito em 2017, o médico Cássio Habice Prado explicou (através de uma live no youtube) como obteve sucesso no tratamento precoce (profilaxia) contra a Covid-19.

Abaixo as palavras do dr. Cássio Habice Prado, prefeito da cidade de Porto Feliz, SP:

“No início de fevereiro, nós reestruturamos nosso serviço de saúde … em março, nós reunimos os médicos da minha equipe e criamos um protocolo baseado no ‘Protocolo de Madrid’ , ‘Protocolo de Bérgamo’ e ‘Protocolo de Marseille’.”

“Em 28 de março, desde que tivemos o primeiro caso, nós temos feito o tratamento precoce de todos os pacientes com sintomas leves de Covid … esses sintomas leves são obtidos através de diagnóstico clínico (descrição de sinais e sintomas) e tomográfico (aqui todos fazem a tomografia) … já distribuímos cerca de 1500 kits”

(kit: hidroxicloroquina, azitromicina, enoxaparina, remédio para enjoo e anti-inflamatório, custo aproximado: R$ 40,00)

“Criamos esse kit, que foi muito criticado no início, e todos tomaram esses medicamentos durante o final de março, abril e maio … desde então, nenhum desses 1500 pacientes evoluiu para tubo, para respirador, para UTI ou para óbito.”

“Os 3 óbitos que nós tivemos até hoje são de pacientes que não fizeram o tratamento precoce”

“Felizmente, todos que trataram precocemente não evoluem com gravidade … e mesmo que evoluam para a fase 2, o tratamento passa a ser mais fácil. ”

“O que nós fizemos também foi tratar os contactantes (pessoas do convívio) com profilaxia … nós fornecemos medicamento para os contactantes que têm Covid em casa … todos eles tomam IVERMECTINA“

“Pudemos notar que dos 4500 contactantes que passaram pela profilaxia, nenhum deles desenvolveu Covid”

“Também demos a IVERMECTINA para trabalhadores de alojamentos e nenhum deles desenvolveu Covid”

“Também escolhemos (aleatoriamente) uma quadra (quarteirão) da cidade e demos IVERMECTINA para todas as pessoas dessa quadra, aproximadamente 290 moradores … nas quadras ao redor, houve casos de Covid … na quadra que foi tratada com IVERMECTINA, não houve nenhum caso”

“Nossa experiência é de sucesso … o que nos preocupa é a procura tardia  … os pacientes deixam para nos procurar no D10, D15 (dias de sintomas) e já chegam na fase 2 ou 3, o que acaba demandando leitos de UTI”

“Temos alguns pacientes em estado grave porque eles nos procuraram (infelizmente) na fase tardia”

“Fizemos barreiras sanitárias, esterilizamos todos os espaços públicos e fomos a primeira cidade a exigir o uso de máscaras, já no final de março”

“Também fizemos a profilaxia de todas as equipes médicas e funcionários da saúde … que tomam IVERMECTINA ou HIDROXICLOROQUINA no esquema semelhante ao da Índia (2 comprimidos de 400mg em 1 dia e depois 1 comprimido por semana pelo período de 3 a 7 semanas )”

“Todos os contactantes dessas equipes médicas (e funcionários da saúde) também tomaram IVERMECTINA (na dose preconizada pela bula) como prevenção … nenhum deles desenvolveu Covid”

“Os únicos 2 médicos que se recusaram a tomar o medicamento, desenvolveram Covid”

“Aconselho a todos os profissionais de saúde (que têm contato direto com pacientes) a fazerem o uso das duas drogas (hidroxicloroquina, azitromicina) “

“Esses protocolos devem ser colocados rapidamente em todas as cidades para que a gente não entre em colapso. Essa reestruturação já deveria ter sido feita em março, abril … onde estavam os prefeitos? Em Plutão?”

“Infelizmente, esse tratamento foi politizado e a população das cidades foi colocada em risco …”

Créditos: Diário do Brasil

Os comentários estão desativados.