Covid-19: Olha isso comunista, na Russia Ministério da Saúde mantém o uso da hidróxicloroquina, é mais barato e desocupa UTI´s…

0

Até na Russia, antiga União Soviética, país comunista, seguiu a orientação de Bolsonaro. Vai ver que lá o STF não toma os espaços dos outros poderes, lá, prefeitos e governadores não usam a desculpa do coronavirus para roubar. 

Fiquem abaixo com a notícia do Conexão Política.

 Russia mantém o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com infecção por coronavírus

O Ministério da Saúde da Rússia publicou uma nota defendendo manter o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com infecção por coronavírus chinês no país.

A nota diz:

Atualmente, não há medicamentos antivirais registrados no mundo que sejam indicados para uso em infecções pelo coronavírus SARS-COV2.

Vários medicamentos são usados ​​para tratar pacientes com COVID-19, cuja capacidade de agir em várias partes do processo de infecção foi demonstrada durante estudos experimentais ou clínicos limitados.

Entre esses medicamentos está a hidroxicloroquina (HCQ), usada há décadas para tratar malária, artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico devido ao seu efeito anti-inflamatório e efeito no sistema imunológico.

As recomendações para o uso do HCQ no COVID-19 são baseadas nos resultados de vários estudos estrangeiros que confirmam a eficácia do medicamento contra um agente infeccioso in vitro (no experimento) e, em seguida, durante ensaios clínicos, bem como na opinião de especialistas.

Esses dados, apoiados na experiência do uso da cloroquina (CQ) na prática real em todo o mundo, foram a base para sua inclusão em várias diretrizes clínicas nacionais e internacionais, inclusive em nosso país.

A hidroxicloroquina HCQ tem efeitos colaterais, em particular, dentre os quais a cardiotoxicidade (a capacidade de causar distúrbios do ritmo cardíaco) é um dos mais significativos.

Por esse motivo, as diretrizes temporárias “Prevenção, diagnóstico e tratamento de novas infecções por coronavírus (COVID-19)”, aprovadas em 28/04/2020, fornecem orientações sobre o controle da frequência cardíaca em pacientes que recebem CQ, além de impedir seu uso por pacientes com alto risco de desenvolver arritmias.

Como a CQ, assim como outros medicamentos para o tratamento do COVID-19, não possui indicações registradas para o tratamento da infecção por coronavírus, os pacientes a quem são prescritos dão consentimento informado ao uso desses medicamentos.

De acordo com os resultados do monitoramento da segurança dos medicamentos hidroxicloroquina durante a pandemia de COVID-19 na Federação Russa, não houve resultados fatais associados ao distúrbio do ritmo em pacientes com CQ.

O Ministério da Saúde da Rússia possui todos os dados mais recentes sobre a eficácia e segurança dos medicamentos utilizados no tratamento de COVID-19. Esta informação é usada para atualizar as diretrizes clínicas russas para o tratamento de pacientes com COVID-19.

A decisão da OMS de 26 de maio de 2020 de suspender os ensaios clínicos de CQ no âmbito do programa Solidariedade para avaliar ainda mais sua segurança é baseada em evidências de cardiotoxicidade, que, em pacientes hospitalizados com alta incidência de doenças concomitantes, pode levar a arritmias cardíacas com risco de vida.

Ao mesmo tempo, um corpo significativo de resultados publicados de estudos estrangeiros, bem como experiência doméstica, indica a validade do uso de CQ quando prescrito em certos grupos de pacientes com COVID-19 em doses baixas, em menor grau associado a arritmias cardíacas.

O Ministério da Saúde da Rússia está finalizando a sétima versão das Diretrizes provisórias para o diagnóstico, prevenção e tratamento do COVID-19. Eles incluirão critérios adicionais para o médico avaliar o benefício e o risco de usar o CQ para um paciente em particular para decidir sobre sua consulta, instruções detalhadas para seu uso em pacientes com baixo risco de distúrbios do ritmo, além de medidas para monitorar e prevenir arritmias durante o tratamento.

A questão da eficácia e segurança da hidroxicloroquina, bem como de outros medicamentos usados ​​na Rússia para o tratamento do COVID-19, está sob a supervisão constante do Ministério da Saúde da Rússia e de suas organizações subordinadas.

Com informações, Ministério da Saúde da Rússia.

Os comentários estão desativados.