O primeiro ano

0

Em relação às expectativas econômicas, o ano de 2020 se inicia da mesma forma que 2019. O Relatório de Mercado Focus de quatro de janeiro de 2019 – informativo editado pelo Banco Central (Bacen) que agrupa as projeções dos maiores bancos e consultorias econômicas do país – indicava que a economia iria crescer 2,5% naquele ano.

O Focus de três de janeiro último projeta expansão de 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020.

Contudo, apesar da expectativa inicial quanto a um bom desempenho do PIB no ano passado (2,5%), esse deve crescer, apenas, cerca de 1% – o dado oficial sai no dia quatro de março – se igualando, praticamente, à performance de 2017 e de 2018. O possível crescimento de 1% em 2019 está razoavelmente em linha com os mais realistas, que não acreditavam que os complexos problemas econômicos e socias nacionais iriam ser resolvidos rapidamente, somente porque um novo grupo, com visões diferentes, se instalou no em janeiro passado.

Em realidade, é forçoso reconhecer que não se muda as políticas econômicas e os rumos do país de supetão ou por arroubos verbais. Não foi assim em 2003, quando Lula assumiu o governo trombeteando que recebeu uma “herança maldita”, e não será assim com Bolsonaro. Para se contornar o colapso que abateu o Brasil ao final da era petista, têm-se que persistir nas boas ações econômicas, que já vinham do governo anterior – o futuro fará justiça à boa equipe econômica de Temer – e introduzir paulatinamente as mudanças que se acredita como necessárias. Até mesmo porque transformações econômicas levam tempo para produzir resultados efetivos.

No geral, em seu ano inaugural, a gestão econômica de Bolsonaro acertou mais do que errou. Esse resultado se deu, principalmente, porque ela manteve políticas acertadas da administração passada, como o manejo eficiente da taxa de juros Selic pelo Bacen e o ajuste fiscal, e também por não cumprir promessas extremistas e irreais de campanha, como implementar um irrestrito processo de privatizações, adotar um sistema de capitalização na Previdência ou zerar o déficit público logo em 2019.

A aprovação da Reforma da Previdência foi o maior troféu das conquistas de Bolsonaro – um incrédulo liberal recém convertido. A proposta passou com redução de despesas projetada para algo em torno de 800 bilhões para os próximos 10 anos. Aliás, a introdução da Reforma da Previdência, que estabeleceu confiança no retorno do equilíbrio fiscal do país, certamente ainda vai render bons frutos para a economia brasileira, provando para os mais céticos que esse foi um acerto histórico.

A inflação foi outro aspecto positivo. Mesmo fechando o ano em 4,31% – acima da meta que era de 4,25% – o índice de preços comportado, inclusive em razão da fraqueza da economia, impediu que a renda do trabalhador fosse corroída, em muitos casos isso significou mais consumo, e principalmente possibilitou que o Bacen persistisse na queda dos juros, movimento que, da mesma forma, vem do governo anterior.

A taxa Selic finalizou 2019 em 4,5%, acompanhada da expectativa de que essa baixa chegue, de fato, aos financiamentos e empréstimos, como já se vê no mercado imobiliário e no automobilístico. Esse contexto pode impulsionar a economia, além de implicar numa redução de R$ 90 bilhões no pagamento de juros da dívida pública em 2020, o que acabará por melhorar as contas do país.
O desemprego ainda é uma chaga.

A queda é lenta, e ele atinge 12 milhões de brasileiros, muitas das vagas geradas foram no mercado informal, onde não há garantias trabalhistas e o rendimento é menor, o que atrapalha a recuperação da confiança e do consumo. Ademais, as novas relações de trabalho, mais flexíveis e informais, são assunto que dominarão o debate na área nos próximos anos, não só no Brasil, quanto no mundo.

Os desafios para 2020 estão na consolidação fiscal, no andamento das reformas tributárias e administrativas e no avanço das privatizações e concessões. Todas essas medidas sofrerão para serem aprovadas num Congresso que estará de olho nas eleições municipais. Tudo somado, com alguma sorte e dependendo do volátil cenário externo, em que nossos principais parceiros comerciais­ – China, EUA e Argentina – passam por dificuldades próprias, pode-se arriscar, enfim, para um crescimento de 2,5% neste novo ano.

Por Eden Jr., doutorando em Administração, Mestre em Economia e Economista ([email protected])

Os comentários estão desativados.