Diferente de “Marielle”, outra jovem negra, pobre, foi assassinada a tiros e caiu no esquecimento, sem os holofotes da mídia paga que lucra alto com o dinheiro dos pobres…

0

 O silêncio do populismo: Mulher, negra, jovem, pobre e policial militar.

Ela era mulher, negra, jovem e estava mais para pobre que para classe média: recebia o modesto salário em parcelas e atrasado. Marciele Renata dos Santos Alves, 28 anos, policial militar, foi assassinada em ação, no enfrentamento com uma quadrilha no Vale do Rio Pardo, RS.

O que vão dizer agora os “coletivos” que se julgam detentores de mandato para falar em nome das mulheres, dos negros e dos pobres?

Cadê o ruidoso ( e “fake”) ativismo dos direitos humanos?

Quando a vereadora Marielle Franco foi assassinada, um crime repulsivo, claro, em poucas horas, graças à mobilização frenética de certos “movimentos” e com o auxílio inestimável da extrema-imprensa, viu-se a mais agressiva tentativa de provocar comoção e de construir um mito.

Ela morreu na noite de 14/03/2018 com seu motorista, Anderson Gomes. Duas horas após o fato, segundo Rute de Aquino (O Globo, 17/03/18), “eram registrados 594 tuítes por minuto”. Até parecia que os “movimentos” estavam de plantão a espera de um cadáver. Levantamento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV/DAPP), apurou que, das 21h de 14/03/18 (logo após o crime) às 10h30min de 16/03/18, para efeito de impulsionamento de conteúdo nas redes sociais (um truque de manipulação), foram usados 1.833 robôs nos tuítes publicados sobre a morte da vereadora.

O resultado foi considerável. Embora ninguém conhecesse a motivação nem a autoria do crime, em menos de 12 horas, já havia pessoas por todo o país que, jamais tendo ouvido falar no nome dela, se sentiam de luto e até apontavam culpados. E, claro, como esponjas, absorviam o conteúdo subliminar das “narrativas” de redes sociais.
Naqueles dias, inumeráveis crônicas e artigos lembraram o caso da juíza Patrícia Acioli, assassinada com 21 tiros numa emboscada em Niterói.

Tudo para dizer que a comoção pela morte de Marielle foi muito maior.

A juíza, nos últimos 10 de seus 47 anos, mandou para a cadeia cerca de 60 bandidos da Baixada Fluminense (inclusive policiais e milicianos).

Seu nome entrou numa lista de 12 pessoas que o crime organizado pretendia executar. Ela, sim, foi testada em sua coragem. E jamais recuou. Patricia Acioli passou à história como “juíza linha dura”.

Mas para Samira Bueno, então diretora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, “Se alguém carregava em si toda a representação do que é a vulnerabilidade gerada pela violência, essa pessoa era ela [Marielle]”, isso porque era mulher, negra, de origem simples, “militante” dos direitos humanos e lésbica.

Patricia Acioli não era essa polivítima. Logo, não servia para, de uma só tacada, propagandear as agendas que a esquerda roubou das mulheres, dos negros, dos pobres, dos homossexuais, etc.

A comparação entre Patrícia e Marielle foi um tiro que saiu pela culatra, servindo para desmascarar o planejado “culto à personalidade” da vereadora e o propósito populista desse expediente. Cada vez mais, mulheres, negros, homossexuais e pobres do país rejeitam a credencial de vítima que a esquerda lhes oferece.

E é cada vez mais ampla a consciência de que bondade, egoísmo, dignidade, estupidez, respeito e propensão ao abuso nada têm a ver com sexo, cor da pele nem classe social.

E a isto chegamos: hoje, apesar da tremenda mobilização inicial e de o nome de Marielle seguir sendo usado a torto e a direito pela mídia amestrada, por estudantes de passeata e assemelhados, a invenção de um Che Guevara de saia não vingou.

De Marciele Renata dos Santos Alves, sabe-se que não vai interessar a “movimentos” populistas. Era uma mulher de
ação. Não incorporava o vitimismo. E deu iniludíveis provas de coragem. Como disse o governador Eduardo Leite, Marciele “Levou ao limite o seu juramento colocando a própria vida em risco para proteger a sociedade.”

Ela tem o reconhecimento e a homenagem desta coluna, porque seu exemplo ilumina e inspira. (Jornal da Cidade Online)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.