Palanque armado: Porque o governo comunista só mostra o lado negativo?

1

Obras que Flávio Dino não enfiou um prego numa barra de sabão, mas faz questão de mostrar que são suas. Fora isso, uma grande mídia foi formada para desqualificar e perseguir quem não reza na “cartilha vermelha”…

Os comunistas seguem em campanha, em vários momentos agem de forma clara, como se ainda não desceram do palanque eleitoral. De acordo com as publicações estatais, as obras iniciadas nos governos passados, que deram certo, são detalhes que não precisam ser mostrados.

Mas, quando é para mostrar erros, os palanques são armados num instalar de dedos, fizeram isso recentemente na vinda da presidenta Dilma Rousseff,  ao entregar o Tegram, estão fazendo com hospitais…

2tempos

GOVERNO DO MARANHÃO
SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
Fonte: SES
25/08/2015
____________________________________________________________

Fotos/ Divulgação / Francisco Campos
Fotos 1, 2 e 3 – Funcionários do Hospital de Câncer do Maranhão durante culto ecumênico e comemoração do aniversário da unidade hospitalar

Hospital de Câncer do Maranhão comemora
um ano de funcionamento

Esta terça-feira (25) foi de celebração no Hospital de Câncer do Maranhão – Dr. Tarquínio Lopes Filho. Com a realização de um culto ecumênico, no jardim central da unidade, médicos e equipe multiprofissional, comemoraram o primeiro ano de atividade do hospital, após sua inauguração voltada para o atendimento especializado de pacientes oncológicos, com apresentação do coral ‘Canta Geral’, exposição fotográfica e coffee break.
Cerca de quatro mil atendimentos são realizados por mês desde o início do ano no Hospital Dr. Tarquínio Lopes Filho. A Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) dispõe de 123 leitos de internação clínica, cirurgia, centro cirúrgico com cinco salas, uma Unidade de Terapia Intensiva e Semi-Intensiva, consultórios, dois leitos de estabilização, sala de medicação, leitos de observação feminina e masculina, salas de classificação de risco e de medicação.
Além do tratamento cirúrgico, uma enfermaria de cuidados paliativos também foi equipada dentro da unidade, com 14 leitos. No local, é dada assistência a doentes crônicos, que não têm mais prognóstico terapêutico, cuja enfermidade está em progressão e ameaça a continuidade da vida.
Nesse período de um ano, foram realizadas 35.593 consultas médicas, 269.229 atendimentos de multidisciplinaridade, 1.228 procedimentos e cirurgias, 4.769 internações, 6.804 sessões de quimioterapia, 6.521 atendimentos de urgência e emergência, 9.546 tomografias e 2.190 mamografias, entre outros vários procedimentos e exames.
Os pacientes contam com a assistência da equipe de médicos especialistas, enfermeiros, cirurgiões, farmacêuticos, bioquímicos, assistentes sociais, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e nutricionistas.

Cirurgia oncológica minimamente invasiva

O diretor geral do hospital, José Maria Assunção, pontua que já como marca da atual gestão, um grande avanço tem sido conseguido, por exemplo, na área de cirurgia oncológica avançada minimamente invasiva, com procedimentos realizados por videolaparoscopia, antes impossíveis de serem oferecidos ao paciente do SUS. “Mais marcante ainda que os números, é a gratidão estampada nos rostos de cada paciente, pelo atendimento diferenciado aqui prestado, seja no Serviço de Pronto Atendimento, na Clínica Oncológica ou Cirúrgica, na Unidade de Terapia Intensiva, de Cuidados Intermediários ou de Cuidados Paliativos”, ressalta José Maria.

Durante a comemoração, o diretor enfatizou que para lidar com o câncer é preciso muito mais do que somente capacitação técnica. “É preciso empatia, colocar-se no lugar do paciente e da família do paciente, entender suas angústias e medos, sua insatisfação e sua revolta. Tornar-se capaz de compreender o ser humano além de sua doença é o nosso dever. É preciso fazê-lo acreditar que é possível lutar, que é possível melhorar, e que, muitas vezes, existe sim a cura, e vamos buscá-la a todo custo”, afirmou o diretor.

Para o Dr. Rodrigo Vasques, cirurgião oncológico e atualmente coordenador da Clínica Cirúrgica do Hospital, que trabalha na unidade há cerca de três anos, é notória a evolução do hospital nos últimos meses. “Hoje temos muito que comemorar. É uma felicidade participar desse momento de construção. Festejar um ano parece pouco, mas os passos que são dados em prol da saúde dos pacientes oncológicos têm sido muito grandes”, garante o médico.

Para Vasques, o hospital tornou-se referência com a ampliação dos números de leitos, atendimentos, aumento da equipe e profissionais especialistas, o que sem dúvida trás um engrandecimento para toda a população que precisa desses serviços de alta complexidade no tratamento de câncer no Estado.

Uma resposta para “Palanque armado: Porque o governo comunista só mostra o lado negativo?”

  1. O povo está achando que isso já é cinismo, que a cara não treme.