Apesar dos aumentos dos combustíveis, o nordestino está pagando por gasolina adulterada.

Na propaganda, a Petrobras anuncia uma gasolina de qualidade, mas, nas bombas, os consumidores são lesados.

download

Comentarista da Rede Globo, Alexandre Garcia, mostra a falta de fiscalização dos combustíveis em todo o Nordeste…

Monitoramento foi suspenso em vários estados. ‘Tem aí alguém pagando o pato e é de novo o contribuinte, o consumidor’, afirma o jornalista.

O contrato da Agência Nacional do Petróleo com os laboratórios que testam o que sai das bombas dos postos foi suspenso em vários estados.

O combustível está mais caro e nem assim o motorista tem garantia se está comprando um produto de qualidade. Em algumas regiões do país não tem fiscalização há mais de um ano.

Desabafo de um ex-eleitor…

“Governador maranhense ainda pensa que é juiz. Fica discutindo sobre inocência da presidente Dilma enquanto no Maranhão não podemos nem pegar ônibus”.

Imagem do dia: Nem eixo de ônibus que é reforçado aguenta…

Ônibus perdeu o eixo traseiro, o veiculo é novo, do ano de 2014, mas, devido a buraqueira de nossa cidade, da capital do Maranhão, do governo da “mudança”, acabou perdendo as 4 rodas da parte de trás do veículo.

EDH

A imagem foi postada pelo jornalista de O Imparcial Michel Sousa.

Com um olho no peixe, outro no gato…

Cadê as reformas? As mudanças? Nosso povo é muito enganado…

Como analisar as causas da politica maranhense sem as implicações da politica nacional? Antes das eleições as notícias eram que a legislatura de 2015 aconteceriam mudanças, renovações e reformas.

Passados 10 meses da atual legislatura, o que, de fato mudou?

Com os olhos no peixe, outro no gato I…

Olhem essa, em plena comemoração do dia das crianças, tiroteio correndo solto no Centro da Cidade, enquanto acontecia uma atividade do dia das crianças.

Um dos envolvidos presos pela Policia estava foragido da justiça e tinha uma ficha bem grande contra ele.

Com os olhos no peixe, outro no gato II…IMG-20151012-WA0009

Fugas de presídios, assaltos, mortes, etc…

Sabem onde nosso governador estava, no tuíter agindo como juiz de políticos golpistas.

Dois presos fogem armados pela porta da frente de Pedrinhas.

Ainda bem que foram apenas dois. Poderia ser pior, fuga em massa.

Dessa vez, apenas dois perigosos bandidos fugiram. Fiquem com a imagem retirada do blog Atual 7:

juiz3

 

Pirotecnia eleitoreira:

Prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Junior, manda dizer nos jornais que cortou seu salário, a medida não foi novidade, outros prefeitos já tinham feito o mesmo.

Noutra jogada midiática, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, tenta chamar a atenção do eleitorado ludovicense, cortando seu salário que, na verdade, tirou uma pequena porcentagem, na certeza de atrair o eleitor para outra qualidade de gestor.

A atitude de Edivaldo Holanda foi vista como eleitoreira, pois, acontece em período pré-eleitoral. Porque não fez antes?

A nota do Dr Peta:

“Quem são os blogueiros que estão fornecendo sua senha para auxiliares de governo acessarem e utilizarem o espaço a seu bel prazer e de acordo com suas conveniências político-administrativas???!!!

Marrapá…, a que ponto chegou o Jornalismo do Maranhão!!!

Flávio Álvares Cabral, o homem que descobriu o Maranhão em 2015

Zé Linhares – Jornal Pequeno

Se tivesse que dar algum conselho ao governador do Maranhão, ele seria simples: abandone as redes sociais. A cada dia que passa essa obsessão em responder, discutir, criticar vai se tornando um pântano que arrasta o governador para o submundo do ridículo mais e mais. Em uma intervenção neste fim de semana, Flávio Dino extrapolou todos os limites do absurdo. E mesmo que tenha tentado dizer algo que foi “mal-entendido”, o episódio apenas revela a fragilidade de um governador que busca a autoafirmação diminuindo adversários nas redes sociais e tentando reescrever a história do estado que deveria ser sua preocupação no presente.

A mensagem acima, se muito pouco, pode ser considerada um ato falho que escancara prepotência e desprezo pela história do Maranhão. Trocando em miúdos, o governador afirmou que precisa de quatro séculos para fazer o que o estado precisa. Ou seja: para o governador tudo o que aqui foi feito nos últimos 400 anos foi simplesmente inútil. E sob a batuta dele este melancólico e deplorável vazio será (PODE) preenchido.

Obviamente Flávio Dino pretende reescrever a história. Quer inserir uma espécie de hipérbole que garanta mais fôlego à sua gestão. Os tais 40 anos de oligarquia sempre cantados pela oposição, agora são 400 “incomensuráveis” anos de inexistência. Ou seja, caberá a Flávio Dino o papel de descobrir o Maranhão e trazê-lo para o presente.

Para bom entendedor, o óbvio sempre é óbvio. Flávio tenta blindar-se. Há quase um ano no governo e sem grandes resultados para apresentar, o governador tenta criar uma espécie de mitologia: antes dele ser governador o Maranhão era um grande nada. Se conseguir resolver, ele confirma o messianismo. Caso falhe, foi um homem bem-intencionado e honrado, que apesar de todo o trabalho, não conseguiu vencer tanta miséria.

Flávio mirou em seus adversários, isso também foi claro. Mas, como lembrou o jornalista Jorge Aragão, acabou acertando muita gente que o ajudou a ser governador. Flávio Dino, apesar de tentar fazer parecer todo o dia, não desceu dos céus em janeiro de 2015 e muito menos foi trazido por uma nave espacial. Ele não é um cidadão “comum”, faz parte de uma classe chamada “políticos”, os mesmos políticos que, de forma direta ou indireta, têm, responsabilidade por todo o estado de coisas que ele joga na lata do lixo.

Vejamos o caso de São Luís, se ele agora está desesperado para reeleger Holandinha e consolidar sua hegemonia, isso se deve em muito pela incapacidade do próprio prefeito e de seu pai, dois políticos que honram como poucos a tradição condenada por Flávio Dino. Na esteira temos o PDT, partido que parasitou os cofres públicos da capital sempre que pode. Aliás, o pai do próprio foi político por muito tempo, chegando a ser prefeito. Que coisa, não é?

É muita petulância afirmar que todos os governadores e prefeitos que o antecederam nada fizeram. As palavras de Flávio Dino são um ato de insolência não apenas contra adversários, mas contra toda a classe política maranhense. E isso não é ponto de discussão! Nem o bajulador mais capacitado do mundo tem argumentos para dizer que Flávio separou joio do trigo. NÃO SEPAROU! Generalizou e fez questão e deixar isso claro!

Imaginem se algo dessa natureza tivesse saído de algum paulista ou gaúcho? Aí seria guerra, meus amigos leitores. Quer dizer que nós maranhenses somos atrasados? Quer dizer que o país foi descoberto, passou por várias mudanças políticas, processo de urbanização, transformações econômicas e nós ainda somos um pedaço de mato no meio do nada?

A OAB maranhense iria pedir uma investigação. Jornalistas de todos os quatro cantos do estado iriam condenar esse ato de racismo (?) e preconceito. Os movimentos sociais iriam fazer grandes passeatas na Praça Deodoro com 7 ou 8 pessoas pedindo o enforcamento do dito cujo. Seria uma loucura. Mas, foi o governador. Ele pode dizer que somos um povo atrasado que ainda dorme nos braços da Idade Média.

O desprezo pela classe da qual faz parte e o desrespeito pela história do estado que governa são indiscutíveis. Contudo, a nuance mais negra dessa postagem é a confirmação da arrogância sempre tão denunciada por adversários. Confesso que sempre achei essa história de “Professor de Deus” meio exagerada. Ora, o fato de uma pessoa querer libertar um estado de um grupo político ou garantir vamos para o povo não é nada assim tão inalcançável. Agora, resgatar 400 anos, minha gente? O que é isso? Por favor… Aí é demais até para o mais fiel dos puxa-sacos. Não há como defender tamanha sandice sem aceitar que existe uma espécie de poder divino que irá garantir esse resgate. Estamos falando de 400 anos!

Flávio Dino deveria repensar suas atuações no Twitter. Já se passaram meses e meses e ele não trouxe nenhuma novidade que diferencie seu governo. Essa é a verdade.

A Vereadora Rose Sales, acompanhada por lideranças comunitárias e por membros do Fórum das Escolas Comunitárias e da diretoria da FUMBESMA – Federação das Uniões de Moradores de Bairros e Entidades Similares do Maranhão estiveram no dia 8/10/15 no MPE – Ministério Público Estadual, com os Promotores de Educação – Dra. Luciane Belo e Dr. Paulo Avelar, reiterando várias reivindicações, a fim de que seja garantida a celebração de convênios entre a Prefeitura de São Luís e as 145 (cento e quarenta e cinco) entidades habilitadas pelo Censo para assegurarem educação infantil às crianças de nossa cidade, através da Secretaria Municipal de Educação – SEMED.rose

A Prefeitura de São Luís recebeu do Governo Federal, mensalmente em 2015, recursos do FUNDEB, PNAE e PNAC, para efeito de pagamento dos professores, para a manutenção das escolas, para a merenda escolar nas modalidades do Ensino Fundamental, Creche e Pré-Escola; entretanto, até agora não efetuou o repasse, implicando num atraso de 10 (dez) meses.

Indignada com falta de gestão, a senhora Terezinha de Jesus, da Creche Escola Comunitária “Madalena Silveira”, localizada no bairro Santa Clara, diz que “Há uma falta de vontade política de resolver essa situação, pois o dinheiro chega em janeiro e todas as instituições prestaram conta e as que ainda não prestaram conta é porque não tinham recebido o recurso de 2015. Não se pode prestar conta daquilo que não foi recebido. As escolas comunitárias existem porque o poder público não construiu escolas, daí a razão das comunidade se organizarem institucionalmente para suprirem essa necessidade; então queremos o que é de direito, exigimos respeito do prefeito e que ele repasse o que é de direito das escolas”, afirmou.

Já sobre a regularização do repasse mensal dos recursos federais – FUNDEB, PNAE e PNAC, às escolas comunitárias, e que a Prefeitura tem atrasado, vulnerabilizando e prejudicando significativamente as crianças e os trabalhadores das escolas comunitárias – Rose Sales, tem sido firme na luta pelos direitos da educação comunitária, mostrando mais uma vez o seu compromisso com a política de Educação:

“As crianças de São Luís que pertencem à camada popular são atendidas em seu direito à educação infantil, prioritariamente, nos estabelecimentos comunitários, pois só temos 3 (três) creches públicas em São Luís, e por falta de proatividade, de seriedade e de compromisso político da gestão municipal, as crianças e os trabalhadores das escolas comunitárias estão em situação precária.

É inadmissível reter recursos federais destinados ao pagamento de trabalhadores, da merenda dessas crianças e do Programa Brasil Carinhoso, que o Prefeito nunca repassou o dinheiro dos exercícios de 2013, 2014 e de 2015. Inclusive, só depois dos nossos reclames junto com o movimento comunitário é que a SEMED requisitou em 2014 abertura de conta bancária às entidades para efetuar repasse do Brasil Carinhoso e o Banco provavelmente já as encerrou, por não ter tido movimentação. Uma vergonha, um ato desumano para com as crianças e os trabalhadores dessas instituições, mas é importante destacar a atuação dos Promotores que estão de parabéns por exercerem o seu trabalho com rigor e transparências”, afirmou Sales

 

Maranhão se firma no gás

A situação brasileira está tão ruim economicamente que a esperada 13ª Rodada da Agencia Nacional de Petróleo, que leiloava muitas áreas promissoras para a exploração de petróleo e gás, tanto em terra como no mar, acabou sendo uma enorme frustração pela ausência de interessados.Zereinaldo

Das dez bacias incluídas no leilão, seis não receberam propostas. Apenas as de Parnaíba, Potiguar, Recôncavo, e Sergipe-Alagoas tiveram interessados. Dentre ela, o maior índice de sucesso, relação entre blocos arrematados e ofertados, foi o da Bacia do Parnaíba, com 50%. Ou seja, dos 22 lotes ofertados 11 tiveram ganhadores.

Trata-se de resultado muito expressivo pois no total do leilão foram ofertados 266 blocos e somente 14 % foram negociados. O Maranhão, assim, mesmo em meio às mesmas dificuldades que freiam o país, foi o grande destaque o que pressupõe que em tempos normais o sucesso teria uma escala muito maior.

O governador Flávio Dino tomou uma atitude fundamental para que o Maranhão tivesse o sucesso que teve. Acionou a Secretaria de Minas e Energia e a Gasmar que organizaram, com apoio de entidades empresariais do estado um seminário sobre o leilão na Bacia do Parnaíba que atraiu empresários interessados e foi prestigiado pela própria presidente da ANP, Magda Chambriard e pelo governador Flávio Dino que tem dado todo o apoio a exploração dessa riqueza que pode atrair para cá até um polo petroquímico, pois gás natural é a matéria prima dessa indústria.

Essa iniciativa um êxito enorme e ajudou a consolidar a decisão de muitas empresas em investir aqui e aquelas que já investiam arrecadaram novos lotes consolidando a sua presença no estado e ao mesmo tempo o acerto da política do governo de Flavio Dino na área de Minas e Energia.

Com esse resultado teremos 27 blocos com atividades exploratórias, uma vez que já existe atividade em 16 blocos de acordo com os dados da ANP.

Esse resultado ratifica a confiança dos empreendedores no estado, sexto maior produtor de gás natural do país, e que poderá vir a ocupar um lugar de grande destaque no cenário energético nacional caso novas reservas sejam confirmadas nos próximos anos.

Mudando de assunto, o nosso país perdeu toda a iniciativa e está perdendo o bonde da história se atrasando e ficando para trás em novas tecnologias e novas maneiras de gestão pública.

Somos o país do desperdício na aplicação de recursos públicos pois a ineficiência e o desperdício nas áreas da saúde, da educação e segurança são enormes, basta comparar com outros países que investem muito menos recursos nessas áreas, em relação ao PIB, com resultados muito melhores.

 Hoje a carência de formação de gestores é um fato e muito dinheiro é posto fora com aplicações sem sentido dominadas por ideologias que só vemos em alguns países da América do Sul. A ideologia que tomou conta do governo central nos deixa fora dos grandes blocos comerciais do mundo e isso significa atraso inexorável na competição mundial nos levando a ter importância apenas nos mercados de commodities nos tirando do mercado que mais interessa que é o de produtos acabados com agregação de valores e empregos que fazem a diferença.

Para termos ideia do nosso atraso a Alemanha e outros países europeus, americanos e asiáticos estão preparando grandes projetos para enfrentar a subida das marés que dão como certa, em virtude das mudanças climáticas para evitarem grandes problemas que de outra maneira acontecerão nas grandes cidades costeiras do mundo, como New York, Hamburgo, Tóquio, etc. onde existem portos muito importantes que se foram afetados prejudicam todo o crescimento mundial, para não falar no deslocamento de enormes populações e mudança drástica no nível de vida mundial.

No Jornal valor do dia 8 de outubro, traz uma matéria relatando o que as autoridades alemãs pretendem fazer. O título da matéria é “Projeto alemão para enchentes inclui elevar nível de ruas e prédios”. Cinco dos 16 estados alemães tem 3.700 km de costas divididos entre o Mar Báltico e o Mar do Norte. Cerca de dois terços da linha costeira sofre erosão. No Mar do Norte, registros históricos dizem que as águas subiram entre 20 cm e 25 cm em cem anos. “O difícil é lidar com algo que não podemos prever. Não sabemos quanto nem em qual escala as mudanças irão ocorrer, só sabemos que elas irão ocorrer”.

O plano de adaptação de Hamburgo prevê elevar ruas, pontes e prédios públicos 7,5 m acima do nível do mar. Eles estão estreitando o diálogo

entre os cientistas climáticos e a classe política. São de zenas de institutos, empresas, órgãos da administração pública e sociedade civil dialogando.

As pesquisas estão focadas em seis tópicos: proteção costeira, gerenciamento de praias e turismo, gestão de águas e agricultura, economia marítima e de portos, uso da terra e conservação de energias renováveis.

O mundo se move se adapta e o Brasil? Nem é preciso dizer!

Oba, oba da Famem, vaias para Dino…

Se a Famem (Federação dos Municípios) resolver fazer o mesmo que os encontros dos prefeitos com a presidenta Dilma, em Brasília, nosso governador Flávio Dino, convidado de honra da marcha dos municipalistas, poderá ser, a exemplo de Dilma, recepcionado com vaias.

famem

Flávio Dino, que municipalismo é esse?

Sabem aquelas idas e vindas a Brasília, das “marchas dos prefeitos”, que nada mais são do que oba, oba? Pois é, o evento vai ter uma versão “estadual”, onde os prefeitos vão dar tapinhas nas costas do governador, e sairão de mãos abanando.

Da mesma forma como acontece no Palácio dos Leões.

Oba, oba, esse encontro da Famem, nada além disso.

A Famem, Federação dos Municípios Maranhenses, que só serve apenas de fachada, não resolve nada dos prefeitos, vai promover outra programação para os prefeitos, na tentativa de fazer jus ao nome.

Só que todo mundo nesse Maranhão sabe que nada acontece de fato.

Flávio Dino, que municipalismo é esse? I

Sabem quem será o convidado de honra, para presidir o encontro? O governador comunista.

Ora, até parece que Flávio Dino trata os municipalistas com respeito. Se assim, fosse, os coitados dos prefeitos não estariam de pires nas mãos até hoje, buscando apoio e liberação de emendas, que, por pura birra dos comunistas, até hoje, nada foi liberado. Os coitados dos prefeitos, que chegam de pires nas mãos, retornam para suas cidades de mãos abanando…

Flávio Dino, que municipalismo é esse? II 

A atuação da Famem é pífia, tem a cara do prefeito filhinho de papai, Gil Cutrim, agora no PDT.

Basta ver que a administração da cidade balneária, São José de Ribamar, que depois dos desastrosos 7 anos de sua gestão, a cidade está ôca, parece que foi comida por cupins.

Flávio Dino, que municipalismo é esse? III

Até agora, apenas os prefeitos que rezam na cartilha comunista foram agraciados com o Mais Asfalto. É que na visão dos comunistas, a única coisa que nossos municipalistas precisam é de asfalto…

As constantes incursões dos comunistas aos municípios continuam a todo vapor, filiando novos comunistas para as eleições de 2016. Assim, o partido do governador segue, pretendendo se fortalecer para dominar a política estadual.

Cadê a mudança, Flávio Dino?

As desculpas dos comunistas nas rádios e blogues marrons, amarelos: Tudo que presta é desse governo, tudo que não presta, de Roseana…

Uma observação a fundo no “governo da mudança” podemos notar que: só tirou o nome do governo anterior e colocou o dele, não tem nada de novo, só mais do mesmo, literalmente.

“Mais” asfalto, mais água, mais luz, etc…

Assim como está criando mais impostos, mais falta de liberdade de expressão, mais perseguição política, e ainda tem caso de blogueiro que não rezar na cartilha comunista, pode ficar até sem blog, como no meu caso…

Se for colocar na balança, até agora, em 10 meses de governo, os comunistas estão agindo superficialmente, de forma paliativa, em alguns casos, até se apossando de obras passadas e levando os créditos. Mudança de verdade, até agora, nada.

Governo da mudança dos comunistas virou mesmo foi “o governo da desculpa esfarrapada”.

Uma cortina de fumaça vermelha…

Para despistar a realidade do que acontece nas contas públicas, as farras de amilhados e parentes em cargos do governo, tentam criar factoides de perseguição, como se os Sarneys ainda mandassem em alguma coisa. Ora, nem mandato Sarney tem mais.

Quem é a ameaça de Flávio Dino, hoje?

Não Existe ameaça politica para o “governo da mudança”. Flávio Dino está numa imensa avenida sem obstáculos políticos, seus únicos obstáculos são seus próprios erros, aliás, erros gritantes, que estão sendo mostrados todos os dias pela imprensa.

Quem é ameaça para Flávio Dino, o Sarney?

Ora, um velhote sem mandato, que já vestiu até pijamas. Para com isso, Márcio Jerry. Parece querer forçar a barra em alguns momentos, quem manda hoje no Maranhão são os comunistas, fazem e acontecem. Assumam suas mentiras e falem a verdade.

Mais eleição

Mais eleição, mais politicalha: Abaixo, duas fotos que mostram o único programa do “governo da mudança” que está sendo cumprido até agora, chama-se o mais eleição. Veja abaixo e entenda como:

Usando a máquina do governo, os comunistas querem ganhar as duas principais cidades do estado…

mais politicalha

Haverá futuros para nossas crianças?

A comemoração do Dia da Criança tem, de fato, algum fundamento nas crianças do Brasil? Para que, afinal, serve o Dia das Crianças, a não ser para não ir ao trabalho, vender brinquedos e fazer festas?

Observem a imagem abaixo: Tem alguma semelhança com sua cidade? Tem a atenção de seus governantes?

A dura realidade das esquinas de nossa cidade

A dura realidade das esquinas de nossa cidade

Será que nossos políticos, que desviam bilhões em contas do exterior, na corrupção, em mensalões e petrolões pensam nelas?

Há décadas comemoramos essa data, mas, nada de concreto foi feito.  Tudo que fazem é comércio, ganhar em cima das crianças.

O pouco que já fizeram foi superficial, só serviu para publicidades enganosas em tempo de eleições.

Infelizmente, a imagem é real, e, pelo jeito que o Brasil trata essa dura realidade, ainda vamos passar décadas nos deparando com essa triste realidade.

Nota do blog: Apesar do título “infeliz dia das crianças”, quero chamar nossas autoridades a uma reflexão.

Meu maior desejo é que todos sejam felizes. Gostaria de poder desejar de todo o coração não apenas um dia, mais todos os dias, que as nossas crianças estivessem em lares dignos, que tivessem alimentos, brinquedos, educação, e principalmente a atenção dos governos.

Desculpem a sinceridade, mas, na minha opinião, nossas crianças continuarão infelizes. Até amanhã, se houver um amanhã…

Assine e diga não a nova cobrança da CPMF:

Clic no link e assine: 

Toda vez que precisa cobrir seus gastos, em vez de cortar despesas, o governo acha mais fácil passar a conta adiante, aumentando mais os impostos ou trazendo de volta a CPMF. Das duas uma: você fica reclamando, pensando “a vida é assim mesmo”, ou faz alguma coisa. Se escolheu a segunda opção, leia o texto na íntegra e assine o manifesto.

FDFDP 1

Dilma representa o quadro da “mudança” no Maranhão…

Editorial do Estadão destaca muitíssimo bem Dilma e seus adeptos. Aqui no Maranhão, os comunistas, nada diferentes da presidenta, negociam cargos, apoios, fazem o mesmo do modelo nacional em voga. Basta observar que até impostos Dino, a exemplo de Dilma, mandou criar no pobre estado…

Observem a imagem ao lado: Mudança para melhor?FD

Soberba, autoritarismo, Incompetência

Dilma Rousseff reclama e cobra dos novos ministros o apoio parlamentar que imaginou que estava comprando com a última “reforma” do Ministério, mas parece não se dar conta da armadilha em que se meteu no desespero para salvar seu mandato: o gigantesco aparelho estatal jamais será suficientemente grande para saciar o apetite dos políticos espertos que se sentem fortes para obter vantagens de um governo politicamente fraco.

E a ironia dessa situação é que ela é produto exatamente da soberba e do autoritarismo com que o lulopetismo pretendeu eternizar­se no poder, estimulando o fisiologismo para obter uma base de apoio parlamentar ampla “como nunca antes na história deste país”. Funcionou enquanto Lula e o PT, num período de prosperidade, contaram comrespaldo popular. Mas aí veio à luz, graças à incompetência de Dilma Rousseff, a insustentabilidade do modelo populista.

E, hoje, o governo que prometia o paraíso está reduzido à humilhante condição de refém do que existe de pior na política brasileira.

Soberba e autoritarismo. Esse o binômio que caracterizou a ascensão e decretou a decadência do modelo lulopetista de governar. É curioso notar que, em suas origens, aquilo que se pode chamar de núcleo gerador do Partido dos Trabalhadores (PT) era um movimento sindical restrito à elite do operariado industrial, os empregados da emergente e próspera indústria automotiva, concentrada no ABC paulista.

Luiz Inácio da Silva projetou­se no panorama político nacional porque seu carisma e sua capacidade de liderança tinham um foco muito bem definido: os interesses da categoria especial de trabalhadores que representava. Nessa época Lula não escondia que tinha ojeriza pela política.

O grande sucesso de sua liderança, porém, acabou atraindo a atenção de quem tentava resistir à ditadura, em especial a intelectualidade de esquerda e os movimentos sociais ligados à Igreja Católica. Daí ao surgimento, em 1980, do Partido dos Trabalhadores foi um passo. Entrava em cena, sob o Soberba, autoritarismo, incompetência

Entrava em cena sob o comando de Lula, uma legenda partidária ungida com a missão heroica de ser contra “tudo isso que está aí”, o que incluía todos os políticos não petistas. Por mais de 20 anos Lula encarnou o papel do ferrabrás da política, sempre investindo contra tudo e contra todos. Afinal, ninguém era melhor do que ele, ninguém tinha a mesma legitimidade para representar os pobres e os oprimidos.

Mas como só representa quem se elege, logo ficou claro que, para chegar ao poder, era preciso fazer política, ou seja, fazer tudo aquilo que faziam os adversários, só que melhor. A famosa Carta aos Brasileiros produziu seus efeitos e o PT chegou ao poder. Para garantir o necessário apoio dos “pelo menos 300 picaretas” do Congresso, bastava fazê­los comer na mão dos novos donos do Palácio do Planalto.

Afinal, quem é que, satisfeita a necessidade de um mínimo de “atenção” do governo, ousaria contrariar o grande líder popular ali instalado aparentemente para sempre? E foi assim, tratando os aliados como um mal necessário, olhando­os de cima para baixo, que a soberba petista passou a controlar o poder com mão de ferro.

Lula escolheu para suceder-­lhe um poste. Só que Dilma Rousseff se viu não como uma marionete, mas como a nova mandachuva do sistema. Logo nos primeiros meses de mandato sofreu um embaraçoso revertério ao ter que recuar, por ordem do verdadeiro mandachuva, na “faxina” que tivera a ousadia de promover num Ministério composto por gente pouco séria. Mas não aprendeu nada com a experiência.

Ao ser reeleita, Dilma sentiu­se capaz de voo próprio. Livrou­se de todos os lulistas tipo Gilberto Carvalho e montou um governo para chamar de verdadeiramente seu. Achou que o título de “presidenta” lhe conferia poder suficiente para exercer autoridade e impor sua vontade. Conseguiu

apenas mostrar sua incompetência e acabou entregando o governo em comodato a Lula e aos capas pretas do PMDB. Pior: não resolve a crise em que meteu o País nem dá lugar para quem de fato pode e tem competência para tirar a Nação do buraco.

nao vou pagar o pato2TJ novamente enquadrado…

A prefeita Lidiane (que estava foragida, procurada pela PF, Interpol) foi presa, mas, já está solta.

Que dizer da soltura de 307 criminosos, para “passar o dia das crianças” em liberdade, que todos sabemos, muitos vão assaltar, matar, rir das caras das autoridades, e, como de praxe, nem retornarão para Pedrinhas. Fácil, né?

Abaixo, deixo uma analise jornalística, baseada em denúncias de um parlamentar, que merecem ser observadas pelos nossos magistrados.

Suplente Fernando Furtado cala a boca de Gervásio Protásio e Nelma Sarney

Parlamentar do PCdoB acusou magistrados de negociatas do TJ-MA. Presidentes da AMMA e da Corregedoria mantêm-se em silêncio

Parlamentar afirma que alguns de seus colegas de bancada fazem lobby, junto a desembargadores do TJ-MA, para voltar prefeitos cassados ao cargo. Os supostos larápios, segundo Furtado, embolsam entre 100 mil a 200 mil reais por negociata.

Confira no Atual 7 

Na contramão da realidade do povo, que não aguenta mais tantos impostos e aumentos de preços, inflação, o governador comunista anunciou nesta semana, uma medida esdruxula, que foi aumentar  imposto de rações animais e outros produtos, que, segundo ele, são “supérfluos” e “de luxo”.flavioPezao

Flávio Dino quis fazer sucesso, mas suas medidas não lhe garantiram ibope. Da forma que está indo, em pouco tempo estará liquidado, o melhor de tudo que, não será ninguém que fará isso, mas ele próprio.

De uma coisa nossos eleitores vão sempre lembrar, que Flávio Dino, foi o único governador a favorecer às tresloucadas medidas de Dilma, de aumentar impostos.

Isso é péssimo, governador.

Recentemente, esteve no Palácio do Planalto, em reunião com outros governadores, e descobriu-se que estava pondo na cabeça da presidente (ver foto) criar mais impostos. Reveja:

Essa é a segunda medida tomada por Flávio Dino, na direção de sua impopularidade. Como não sou de aplaudir erros, apenas tento avisar.

1 471 472 473 474 475 495