Browsing: Ricardo Santos

O Minist√©rio da Integra√ß√£o Nacional autorizou o empenho e transfer√™ncia de dois milh√Ķes e meio de reais para a execu√ß√£o de obras de recupera√ß√£o de danos causados por enchentes do rio Balsas. rr1A autoriza√ß√£o √© o resultado do empenho do senador Roberto Rocha, que solicitou ao ministro Helder Barbalho prioridade para a libera√ß√£o.

Os recursos ser√£o utilizados na estabiliza√ß√£o da ponte do Cajueiro, conten√ß√£o da rua 01 e as obras da Ponte do Lava Cara, passarela da Beira Rio, rua do Egito, bueiro triplo na Did√°tico Santos e bueiros das ruas 03, Santa Rita e da Gra√ļna.

‚ÄúTive um empenho pessoal para garantir os recursos necess√°rios para a realiza√ß√£o dessas obras que s√£o importantes para cidade. Vou continuar trabalhando para trazer muitos outros investimentos para a nossa regi√£o‚ÄĚ, afirmou o senador Roberto Rocha.

Luciano Genésio (PP) formalizou na tarde desta segunda-feira (15) sua candidatura a prefeito de Pinheiro. Ele chegou acompanhado de seu candidato a vice, Prof. Stélio Cordeiro,do (PSDB), e dos presidentes dos Partido e de candidatos a vereador.

mvGen√©sio e os candidatos a vereador da Coliga√ß√£o ‚ÄúPinheiro Merece Mais‚ÄĚentregaram¬† a documenta√ß√£o exigida pela Justi√ßa Eleitoral, na sede do Cart√≥rio da 37 Zona Eleitoral, localizado na Pra√ßa Jos√© Sarney em Pinheiro.

‚ÄúAqui esta a verdadeira oposi√ß√£o onde o que prevalece √© o poder do povo, n√£o do dinheiro ou qualquer outra forma, aqui somos os Guerreiros de Pinheiro, cada vez fortalecidos mais a caminhada at√© a vit√≥ria. Fizeram de tudo para nos tirar do nosso destino que foi tra√ßado por Deus, estamos ai, eu e meu povo com o objetivo de livrar Pinheiro das m√£os do atraso‚ÄĚ ressaltou.

O candidato a vice Stélio, falou da grande responsabilidade de concorrer ao lado dessa chapa de Guerreiros, falou também do apoio incondicional que vem recebendo da classe dos professores a qual ele representa, e do foco principal dessa campanha que é vencer essas forças malignas que oprimem o povo de Pinheiro.mv2

Com o apoio de oito partidos SD, PT do B, PSDC,  PTB e PP Luciano chegou acompanhado de amigos simpatizante e candidatos a  vereador para o Registro e  já é oficialmente candidato.

Segundo as √ļltimas pesquisas, Luciano Gen√©sio √© favorito para vencer as elei√ß√Ķes em Pinheiro.¬†(Marcelo Vieira)

Governador maranhense comete gafe ao chamar a ministra Carmem L√ļcia, a nova presidente do STF de “presidenta”.¬†

Quando defendia Dilma, a “presidenta”, Fl√°vio Dino andava com a Constitui√ß√£o debaixo do bra√ßo, a partir de agora, quando topar com a presidente do STF, dever√° levar uma gram√°tica debaixo do bra√ßo.

dinoovo

Em recente entrevista, a ministra disse que é amante da língua portuguesa e que preferia ser chamada de presidente. Mas, o governador defensor da presidenta (Dilma), ao que parece, esqueceu do detalhe. Dino e toda sua equipe falharam. Reveja a baixo trecho da reportagem do G1, clicando aqui:

A ministra C√°rmen L√ļcia afirmou nesta quarta-feira (10), durante sess√£o do Supremo Tribunal Federal, que prefere ser chamada de ‚Äúpresidente‚ÄĚ do STF em vez de ‚Äúpresidenta‚ÄĚ, como fazia quest√£o a presidente da Rep√ļblica afastada Dilma Rousseff.

 

Correspondente √© “atacado” durante despedida de solteira nos EUA

SporTV

Ben-Hur Correia fazia a sua entrada no “Madruga SporTV” quando foi abordado por americanas. Envergonhado, pediu que elas deixassem a sua participa√ß√£o terminar.beijop ao vivo

O correspondente do SporTV em Las Vegas, Ben-Hur Correia, passou por uma situa√ß√£o inesperada durante o “Madruga SporTV” deste s√°bado.¬† A sua entrada ao vivo foi interrompida por participantes de uma festa de despedida de solteira. O rep√≥rter foi “atacado” por americanas em um bar e, envergonhado, pediu para que elas deixassem terminar a sua participa√ß√£o no programa (assista ao v√≠deo).

As americanas, que fizeram questão de aparecer no vídeo, perguntaram de onde o correspondente era. Ben-Hur disse que era do Brasil e trabalhava no SporTV.

O jornalista recebeu beijos e carinhos das mulheres. Do est√ļdio no Parque Ol√≠mpico, no Rio de Janeiro, os apresentadores do “Madruga”, Roger Flores, Lucas Gutierrez, Didi Wagner e Kyra Gracie, brincaram com a situa√ß√£o enfrentada pelo jornalista. Veja o v√≠deo:

G1 – Criminosos explodiram pelo menos um caixa eletr√īnico da ag√™ncia do Banco do Brasil de Barreirinhas (MA) ‚Äď regi√£o dos Len√ß√≥is Maranhenses ‚Äď na madrugada desta segunda-feira (15). Segundo testemunhas, al√©m da a√ß√£o que teve como alvo o equipamento, os bandidos atacaram um posto policial e fizeram ref√©ns.

barreirinhaspelos ares

A a√ß√£o teve in√≠cio por volta de 0h30. Eram dois caixas eletr√īnicos na ag√™ncia; um com o sistema de destrui√ß√£o de notas e outro ‚Äď escolhido pelos criminosos ‚Äď j√° com pouco dinheiro dispon√≠vel. De acordo com as testemunhas, a quadrilha, com cerca de 10 ladr√Ķes, s√≥ possu√≠a explosivo para destruir um equipamento.

Para evitar uma ofensiva policial, o bando atirou contra a fachada o quartel da Polícia Militar do Maranhão (PM-MA) na cidade, onde haviam quatro policiais militares, e atingiram ainda uma viatura.

Ap√≥s o arrombamento, eles fizeram dois ref√©ns ‚Äď liberados pouco depois ‚Äď e incendiaram o ve√≠culo usado na fuga, uma caminhonete modelo Hilux, pr√≥ximo ao Morro Alto.

De acordo com o Sindicato dos Banc√°rios do Maranh√£o (Seeb-MA), com a a√ß√£o desta segunda-feira, chega a 46 o n√ļmero de ocorr√™ncias contra ag√™ncias banc√°rias no Maranh√£o em 2016. Do total, 38 casos s√£o de arrombamento e explos√Ķes e outros oito de assalto. No per√≠odo, 26 ag√™ncias do Bradesco foram alvos de arrombamento ou assalto; outras 20 do Banco do Brasil.

Violência no interior

Na madrugada de s√°bado (13), uma ag√™ncia do Banco do Brasil de Coelho Neto, a 363 km de S√£o Lu√≠s, tamb√©m foi atacada por criminosos. Uma viatura tamb√©m foi alvejada pelos criminosos. As investiga√ß√Ķes est√£o sendo conduzidas pela Superintend√™ncia Estadual de Investiga√ß√£o Criminal (Seic).

Na sexta-feira (12), quatro pessoas foram presas na cidade de Po√ß√£o de Pedras, a 350 km de S√£o Lu√≠s, suspeitas de integrarem uma quadrilha interestadual especializada em explos√£o de caixas eletr√īnicos e cofres de institui√ß√Ķes financeiras.

Marco D√©√ßa – O deputado estadual J√ļnior Verde (PRB) representou a Assembleia Legislativa no Semin√°rio de Potencialidades Empreendedoras da Baixada Maranhense, realizado em Viana, nesta quarta (10). O evento, idealizado pelo Servi√ßo Brasileiro de Apoio √†s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e apoiado pela prefeitura do munic√≠pio, discutiu o potencial tur√≠stico e empreendedor da Baixada Maranhense.

verde-1

Diversas institui√ß√Ķes de fomento participaram do encontro, que reuniu tr√™s grandes pain√©is: ‚ÄúTurismo, Cultura e Recursos Naturais como Potencial de Inclus√£o S√≥cioprodutiva‚ÄĚ, ‚ÄúDesenvolvimento e Integra√ß√£o de Atividades Econ√īmicas com Foco na Produ√ß√£o Associada ao Turismo, Com√©rcio e Servi√ßos‚ÄĚ e ‚ÄúInfraestrutura como Fator de Desenvolvimento Territorial‚ÄĚ.

‚ÄúA Baixada tem grandes potencialidades, com voca√ß√Ķes produtivas para agroneg√≥cio, com√©rcio e turismo. Sempre acreditei nesse potencial e faremos nosso papel, no legislativo estadual, para que essa regi√£o receba os investimentos que merece‚ÄĚ, garantiu o parlamentar.

A Baixada √© o maior conjunto de lagos e lagoas naturais do Nordeste e re√ļne os ecossistemas amaz√īnicos e a mata dos cocais.

A região também é um dos grandes celeiros da cultura maranhense e a cidade histórica de Viana ostenta um casario colonial preservado, vielas e igrejas à beira do lago de mesmo nome.

‚ÄúEsse evento nasceu de demandas da sociedade civil organizada e esperamos que os debates gerem subs√≠dios para o desenvolvimento socioecon√īmico da regi√£o‚ÄĚ, disse o diretor superintendente do Sebrae no Maranh√£o, Jo√£o Martins.

Também apoiam o Sebrae o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense, Organização não Governamental (ONG) Arariba, Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Administração das Hidrovias do Nordeste.

Canindé Barros denuncia que havia corrupção na SMTT quando João Castelo era prefeito e ele o secretário

Aquiles Emir – √Č no m√≠nimo curiosa a entrevista concedida pelo secret√°rio municipal de Tr√Ęnsito e Transporte, Canind√© Barros, ao Jornal Pequeno, publicada na edi√ß√£o deste domingo. Sob o t√≠tulo “Recebemos um sistema de transporte falido e com fraudes”, o secret√°rio mostra como foi a heran√ßa maldita deixada pelo ex-prefeito Jo√£o Castelo para o seu sucessor, Edivaldo Holanda J√ļnior (PDT). Onde est√° a curiosidade? Quem encerrou o governo de Castelo como titular da pasta da SMTT foi o pr√≥prio Canind√©, que vem se mantendo neste cargo desde a primeira gest√£o de Tadeu Pal√°cio (2002-2004), ou seja, quase tudo que h√° de certo ou errado na cidade, em pol√≠tica de transporte e tr√Ęnsito, foi operado por ele.hol1

Perguntado se eram verdadeiras as informa√ß√Ķes de que na gest√£o do ex-prefeito Jo√£o Castelo foram suspensas as fiscaliza√ß√Ķes de √īnibus, o secret√°rio n√£o poupou cr√≠ticas.”Antigamente se fiscalizava o sistema de com os fiscais nos pontos finais dos √īnibus. Isso foi desmontado na gest√£o do ex-prefeito Jo√£o Castelo. N√£o tinha fiscaliza√ß√£o”. Antes, indagado sobre as principais dificuldades encontradas por Edivaldo Holanda, o secret√°rio foi impiedoso com Castelo: “O prefeito Edivaldo Holanda, mesmo tendo recebido um sistema quebrado, falido, com fraudes, conseguiu realizar a licita√ß√£o que garantir√° um transporte p√ļblico de qualidade”.

Quando foi empossado por Jo√£o Castelo, em 2012, Canind√©, agradecido pelo seu retorno ao cargo que havia exercido por seis anos, no governo anterior, foi enf√°tico. “J√° iniciamos algumas modifica√ß√Ķes para dar mais fluidez ao tr√Ęnsito da cidade e vamos mostrar resultados imediatamente‚ÄĚ.

Canindé foi chamado por Castelo para corrigir os erros deixados por Tadeu Palácio, quando o secretário era o próprio. Em 2013, primeiro ano do governo de João Castelo, Canindé foi um dos cinco ex-secretários de Palácio condenados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) a devolver dinheiro que teria sido desviado em suas respectivas pasta.

hol 2 Os desvios na SMTT, conforme parecer do conselheiro Yedo Lob√£o, seriam de R$ 502 mil. Os demais teriam dilapidado o poder p√ļblico na seguinte ordem: Terezinha de Jesus Penha Abreu (Sa√ļde), R$ 14 milh√Ķes; Clodomir Paz (Governo), R$ 202 mil; Carlos Rog√©rio Ara√ļjo (Obras), R$ 742 mil; Moacir Feitosa (Educa√ß√£o), R$ 3 mil. Moacir Feitosa, a exemplo de Canind√©, tamb√©m √© secret√°rio de Holandinha.

Ser pai é uma das experiências mais marcantes na vida de qualquer homem. A paternidade é um dom divino, e eu, como pai, sempre farei de tudo para que os meus filhos enxerguem em mim, as mesmas virtudes que eu sempre enxerguei no meu. O meu pai sempre foi o meu exemplo, o meu referencial, o amigo que sei que posso confiar em todos os momentos. O caráter, a honra, a dignidade e outros princípios que eu extraio dele diariamente, eu tento passar também para os meus dois filhos, num exercício diário de amor.pai

Isso, sem d√ļvidas, √© um desafio constante, visto que muitas vezes eu¬† preciso abdicar de mim mesmo para estar mais presente em suas vidas. √Č mesmo depois de um dia inteiro de trabalho, encontrar tempo e disposi√ß√£o para sentar com os dois presentes que Deus me deu, para brincar, conversar, sorrir, ou simplesmente estar junto. Ser pai tamb√©m passa por isso, e por mais que a rotina seja acelerada, eu procuro sempre equilibrar a minha agenda para esse tempo de conviv√™ncia com eles, pois sei o quanto isso √© importante para a suas forma√ß√Ķes, e para o que eles possam a vir a ser no futuro como pessoas.

E nesse conv√≠vio di√°rio, √© que eu estou aprendendo a ser pai ao mesmo tempo em que ainda aprendo a ser filho. As vezes erro querendo acertar, mas sempre com a esperan√ßa e a f√© de que os valores e¬† ensinamentos que os meus filhos¬† herdar√£o de mim — ser√£o os mesmos que eu herdei do meu pai — e eles ser√£o os seus alicerces; ser√£o as b√ļssolas que os guiar√£o pela vida inteira.

A todos,  um FELIZ DIA DOS PAIS!

Roberto Rocha J√ļnior

Por Robert Lobato, Yuri Almeida e Diego Emireditorialistas-300x46

Por que apoiamos Wellington do Curso para prefeito de S√£o Luis:

N√£o √© comum os profissionais da imprensa expressar claramente quem s√£o seus candidatos em uma elei√ß√£o majorit√°ria, sobretudo num estado marcado por rela√ß√Ķes e costumes quase provincianos, onde o medo de sofrer repres√°lias e persegui√ß√Ķes por expor prefer√™ncia pol√≠ticas e eleitorais √© quase uma regra.

Na contram√£o dessa cultura arcaica que ainda persiste no Maranh√£o, os signat√°rios deste Editorial n√£o t√™m quaisquer receio de declarar apoio √† candidatura do deputado estadual Wellington do Curso ‚Äď 11 ‚Äď a prefeito de S√£o Lu√≠s.

Temos a responsabilidade, enquanto formadores de opinião, de justificar no apoio a esse jovem político por diversos motivos relacionados a seguir.

Em primeiro lugar, Wellington do Curso é um político de origem popular que sabe, por experiência própria, o que significa a maioria das dificuldades que o povo da nossa cidade enfrenta. Wellington não nasceu em berço de ouro e muito menos tem aquilo que via de regra é condição sine qua non para se obter sucesso na política: pedigree. Pelo contrário, o candidato a prefeito pelo PP é de uma família sem tradição política ou empresarial, mas honrada.Deputado-Wellington-do-Curso-PPS-1

Entretanto, não é somente as origens familiares de Wellington do Curso que o fazem, aos nossos olhos, ser a melhor opção para comandar os destinos dos ludovicenses pelos próximos quatro anos.

Muito mais do que uma pessoa do povo e igual ao povo, Wellington do Curso √© um profissional qualificado, um deputado atuante, que exerce a atividade parlamentar com dedica√ß√£o e seriedade, e ainda um gestor organizado, talentoso, focado e extremamente respons√°vel com os neg√≥cios que administra. √Č aquilo que comumente chamamos de um ‚Äúempres√°rio bem sucedido‚ÄĚ.

Estamos falando de um empreendedor nato, de algu√©m que trabalha segundo os objetivos, metas, planos e resultados que pretende alcan√ßar. Trata-se de uma pessoa que faz porque saber fazer, enfim, n√£o √© de ‚Äúgog√≥‚ÄĚ.

Não é por acaso que o candidato Wellington do Curso conseguiu firmar-se com uma marca na área empresarial em que atua, qual seja o de curso preparatório para concursos e vestibulares.

Se hoje o empres√°rio Carlos Wellington √© respons√°vel pela realiza√ß√£o dos sonhos de milhares de jovens, homens e mulheres, muito deve-se ao seu talento de empreendedor e ousadia de gestor. E se hoje o empres√°rio de sucesso Carlos Wellington se tornou o pol√≠tico Wellington do Curso ‚Äď um pol√≠tico de primeira grandeza no nosso estado, diga-se ‚Äď, √© por causa da sua dedica√ß√£o em tudo o que faz.

S√£o Lu√≠s n√£o tem mais tempo a perder. Nossa cidade de mais de 400 anos n√£o pode cair em novas armadilhas eleitorais. A popula√ß√£o n√£o pode ser v√≠tima mais uma vez do engodo, das promessas de campanhas que n√£o ser√£o cumpridas. Nossas crian√ßas n√£o podem novamente ser iludidas junto com os seus pais de que ter√£o escolas de qualidade em tempo integral ou creches modernas. Chega de enrola√ß√£o com a sa√ļde, das mentiras de constru√ß√£o hospitais que nunca saem da fase dos baldrames.

Da mesma forma, √© chegada a hora de moralizar e humanizar o transporte p√ļblico da nossa capital, oferecer novas e modernas alternativas de mobilidade urbana para a popula√ß√£o e dar um fim ao caos que virou o tr√Ęnsito de S√£o Lu√≠s.

A cidade precisa de mais espa√ßos p√ļbicos de viv√™ncias e conviv√™ncias, √°rea de lazer para a nossa juventude e para os nossos idosos. Precisa tamb√©m de recantos naturais, de amor e zelo pelo meio ambiente, que passa necessariamente pela recupera√ß√£o dos nossos rios e suas nascentes.

Por tudo isso que é que acreditamos que a melhor opção para superar a cidade do pesadelo que temos e construir a cidade dos nossos sonhos é que confiamos nosso apoio ao candidato Wellington do Curso.

Isso tudo sem falar que o candidato Wellington do Curso representa a possibilidade de formação de um novo grupo político para o Maranhão, que não esteja atrelado nem ao vitorinismo do passado e muito menos o vitorinismo do presente.

Por fim, da mesma forma que estamos apresentando o deputado Wellington do Curso como o nosso candidato a prefeito de São Luís, também estaremos atenciosos para cobrá-lo e fiscalizá-lo, caso ele chegue a sentar-se na cadeira de chefe do Executivo da nossa capital.

S√£o Luis nasceu para dar certo.

O que está faltando é gestor.

√Č a hora de Wellington do Curso, prefeito.

1 304 305 306 307 308 377