Monthly Archives: fevereiro, 2018

Avante?

Esper√°vamos que na gest√£o da “mudan√ßa” os n√≠veis da democracia fossem melhorar, fossem para cima.¬† Que falta faz o bom exemplo de um estadista na gest√£o atual.

Alguém precisa avisar para a diretora adjunta de Comunicação da Assembleia Legislativa do Maranhão que ela não precisa mais agir como blogueira na atual função.

Não fica bem para uma jornalista ocupar um cargo institucional agindo de foma desrespeitosa. 

Será que ela não sabe que foi na gestão da ex-governadora Roseana Sarney que foi criado esse importante Complexo de Comunicação do legislativo maranhense?

Para esse tipo de papel existem outros blogueiros, desrespeitosos, detonadores, muitos deles, totalmente à disposição dos comunistas, que aliás, prometeram a tal da comunicação democrática, mas, bastou assumirem o poder, que os desrespeitos, politicagens fizeram foi piorar, o nível político desceu ladeira abaixo.

Alguns profissionais da Assembleia precisam entender que naquele local precisa ser criado um momento novo, democr√°tico de verdade.

Para uma simples blogueira ficaria bem. Mas para uma Jornalista que ocupa cargo de confian√ßa do presidente de um parlamento estadual, que pelo visto se esfor√ßa para¬† um bom di√°logo com as outras correntes pol√≠ticas, respeitoso e democr√°tico, n√£o pegou bem postar ofensas a pol√≠ticos, que, no caso, j√° foi governadora, inclusive, teve importante participa√ß√£o hist√≥rica no √≥rg√£o p√ļblico representado hoje em dia pela diretora adjunta, S√≠lvia Tereza.

Embora, talvez seja mal interpretado, e, com toda certeza serei, não deixarei de falar que a minha intenção principal é mostrar para a Silvia Tereza, que não fica bem agir como detonadora, e, sim, demostrar que é uma pessoa que sabe dialogar bem com todos os lados políticos, ainda mais hoje, que o comunismo tem perdido aliados.

Os dias atuais v√£o passar.

Torço por você. Nada melhor que o respeito e bom diálogo, ainda mais que, ninguém sabe o dia de amanhã, Silvinha.

 

 

Jerry nas alturas:

Secret√°rio de articula√ß√£o pol√≠tica do governo comunista, a pasta milion√°ria que comanda os contratos de publicidades e propaganda, contratos de vincula√ß√Ķes de sites, blogues,¬† emissoras de r√°dios e TVs, estaria comandando, desde as elei√ß√Ķes de 2016, a persegui√ß√£o de advers√°rios do comunismo na capital.

M√°rcio Jerry, usando as estruturas p√ļblicas em elei√ß√Ķes?

Al√©m de comandar os gastos em publicidades, Jerry estaria, segundo as denuncias da Assembleia Legislativa, cooptando aliados usando suando estruturas p√ļblicas do governo.¬† Confira aqui a den√ļncia do deputado feita na tribuna da Assembleia:

Comunistas partem para o jogo baixo:

Fl√°vio Dino e M√°rcio Jerry seguem repetindo a politicalha do grupo Sarney. Democracia prometida nunca saiu do papel.

Dino conseguiu se projetar em quase todos os jornais e sites brasileiros, tamb√©m, alguns sites internacionais, que j√° s√£o rotulados como defensores do Lulo-comunismo, ainda assim, n√£o faltaram mimim√≠s e choror√īs, pela recusa da Rede Globo em mostrar sua peregrina√ß√£o em todos os blocos batendo tambores vestido de foli√£o.

Cadê a democracia, Jerry?

Enquanto isso, o ex-professor de jornalismo, M√°rcio Jerry, vive sendo flagrado em viagens de jatinhos e Helic√≥pteros, s√≥ anda de hiluzx √ļltimo modelo, mas, at√© hoje, n√£o cumpriu sua promessa de implantar a “comunica√ß√£o democr√°tica”. Pesa contra Jerry, o uso de uma verdadeira orquestra√ß√£o midi√°tica para desconstruir (perseguir) outros candidatos, em detrimento da imagem do governador.

Depois do carnaval, a festa momesca que torrou v√°rios milh√Ķes, apesar de n√£o atrair os “olhares globais”,¬† mesmo jogando milh√Ķes em publicidades e propagandas, mesmo inflando n√ļmeros de pesquisas, cooptando aliados do grupo Sarney, governistas seguem perseguindo pr√©-candidatos ao governo nas elei√ß√Ķes de 2018.

Abaixo, trecho do blog do Luis Pablo, sobre as viagens do comunista:

Roberto Rocha, senador da Rep√ļblica.

Uma escola de samba de São Paulo, a Acadêmicos do Tatuapé, veio buscar no Maranhão a inspiração para produzir o espetáculo que levantou o título na avenida. Alguns dirão: certamente isso se deu pelo fato do carnavalesco da escola, Wagner Santos, ser maranhense. Não, decididamente, não! A escolha de um enredo passa por várias cabeças e depende de muitos fatores. Fosse o carnavalesco de outro estado, teria emplacado sua terra?

Fa√ßo esta reflex√£o com um prop√≥sito. Para chamar a aten√ß√£o para a extraordin√°ria riqueza que est√° diante dos nossos olhos, e muitas vezes √© preciso ser vista de fora pra que n√≥s mesmos enxerguemos. A Tatuap√© escolheu o Maranh√£o porque percebeu que aqui havia todos os elementos que comp√Ķem uma narrativa para empolgar a celebra√ß√£o popular. Pra come√ßar, somos a s√≠ntese da forma√ß√£o cultural do pa√≠s, nos tr√™s grandes eixos: o africano, o europeu e o ind√≠gena. Trazemos em nossa imagina√ß√£o, costumes, mem√≥rias e sonhos, o eco do encontro de cren√ßas e vis√Ķes de mundo t√£o variadas que se aclimataram em nosso territ√≥rio. Isso n√£o se deu pacificamente, mas a custa de sangue e dor.

Sobre esse terreno constru√≠mos um imagin√°rio de ‚Äúencantarias‚ÄĚ, como diz o enredo da escola, feito de mitos, de arqu√©tipos, de lendas, de fantasias que adubaram f√©rtil terreno para o nascimento de gera√ß√Ķes de poetas, de Gon√ßalves Dias a Ferreira Gullar. Um lugar tocado de poesia e magia que penetra na imagina√ß√£o desde que ‚Äúo sonho aportou na ilha da magia”.

Está tudo lá, na letra do samba, numa síntese magnífica. Fala das batalhas pela libertação dos escravos, das feitiçarias, da poesia, da alegria, das matracas, dos tambores e de São José, nosso santo padroeiro. Fala ainda das cantorias, das quebradeiras de coco e não esqueceu do reggae, mais um exemplo de simbiose cultural.

Mas nada disso seria suficiente se não fosse o fato de constituir também uma vibrante e arrebatadora tradição visual que está presente nas miçangas dos bois, nos traçados geométricos das pinturas indígenas, nos vestuários das danças populares, nas fitas coloridas, nas cavalgadas, nas romarias, nos azulejos, nos cocares. Que mais quer uma escola de samba pra empolgar a avenida? Poesia, magia, beleza, mistério, essa a riqueza que o Maranhão forneceu para que a Tatuapé, com enorme competência, conquistasse o bicampeonato.

Nem todo o dinheiro de m√≠dia do Governo conseguiria divulgar o Maranh√£o com tanta leveza e generosidade. O Maranh√£o tem muitas outras riquezas ocultas dos maranhenses. Chegar√° o dia em que ser√£o desveladas para seu povo. (Por Elson Ara√ļjo)

A escola de samba é bicampeã do Carnaval de São Paulo este ano homenageou o Maranhão, no Anhembi.

S√ÉO JOS√Č DE RIBAMAR – A tradicional festa de Carnaval Lava-Pratos, realizada h√° mais de 70 anos em S√£o Jos√© de Ribamar, cidade da Regi√£o Metropolitana de S√£o Lu√≠s, ter√° este ano a participa√ß√£o especial da escola de samba bicampe√£ do carnaval paulista, Acad√™micos do Tatuap√©. A festa acontece neste s√°bado (17) e domingo (18), com apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur).

Acadêmicos fez um resgate histórico e cultural do maranhão, em seu desfile.

O Carnaval Lava-Pratos de S√£o Jos√© de Ribamar contar√° com uma pluralidade de atra√ß√Ķes. Blocos tradicionais, blocos organizados, shows com bandas e artistas maranhenses, destaque para a escola de samba Marambaia que conquistou o t√≠tulo de campe√£ do Carnaval 2018 de S√£o Lu√≠s, e a escola Acad√™micos do Tatuap√©, grande vencedora do Caranaval de S√£o Paulo, com o enredo ‚ÄúMaranh√£o: Os tambores v√£o tocar na terra de encantaria‚ÄĚ, exaltando a cultura e as atra√ß√Ķes do Maranh√£o e a religiosidade de S√£o Jos√© de Ribamar.

‚ÄúA festa de Lava-Pratos j√° acontece em v√°rias cidades do estado. Por sua dimens√£o e hist√≥ria, a festa em S√£o Jos√© de Ribamar √© uma das mais importantes do calend√°rio cultural maranhense‚ÄĚ, afirma o secret√°rio de Estado de Cultura e Turismo (Sectur), Diego Galdino

O evento em São José de Ribamar, que este ano chega à sua 71ª edição, será realizado no Parque Municipal do Folclore Therezinha Jansen, orla marítima, e estima receber mais de 150 mil pessoas, neste sábado (17) e domingo (18).

Programação

No sábado (17), a festa tem início a partir das 15h, com desfile de blocos pelos circuitos da cidade. A noite tem show com os grupos N’Gandaya, Rayanne Passos e Banda e a Banda Energia.

No domingo (18), a programa√ß√£o tem in√≠cio mais cedo, a partir das 13h30, com Samba Di Boa, Seguido de V√Ęnia e Vanessa, Regional F√™nix, Gargamel, Bicho Terra, Negra Jane, Esfregue e Dance al√©m das escolas de samba. A escola Acad√™micos do Tatuap√© (SP) se apresenta √†s 18h30.

A festa contará ainda com o reforço na segurança envolvendo policiais motorizados, a pé e cavalaria, além do Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal. (Imirante)

De autoria do deputado estadual J√ļnior Verde (PRB), a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) n¬ļ 2/2018 deve ser votada e aprovada na semana que vem na Assembleia Legislativa. A PEC revoga uma instru√ß√£o normativa do Tribunal de Contas do Estado do Maranh√£o (TCE-MA) que proibia gastos p√ļblicos com as festividades em munic√≠pios com sal√°rios de servidores em atraso.

Além de derrubar a instrução normativa, o texto de iniciativa do parlamentar cria limites para a atuação da Corte de Contas no caso da edição de normas que tenham força de lei. Em entrevista a O Estado, Verde explicou que o objetivo no Legislativo não é tolher a autuação dos conselheiros do TCE, mas estabelecer regras claras.

‚ÄúN√£o se pode mudar a regra com o jogo em andamento‚ÄĚ, disse ele, ao citar o caso do Carnaval deste ano, quando v√°rias prefeituras j√° estavam com a programa√ß√£o ajustada, e com fornecedores contratados. Para o deputado, a base da PEC √© apenas a lei.

‚ÄúA limita√ß√£o √© sempre a lei. Ningu√©m est√° acima da lei. As institui√ß√Ķes n√£o est√£o. Com o devido respeito ao TCE, a nossa propositura da PEC 02/2018 √© para, de fato, definir esses par√Ęmetros legais, levar seguran√ßa jur√≠dica, que √© fundamental na rela√ß√£o entre o TCE e os munic√≠pios‚ÄĚ, comentou.

J√ļnior Verde adiantou que, a partir da aprova√ß√£o da Proposta, haver√° mais seguran√ßa jur√≠dica para futuras instru√ß√Ķes emitidas pelo Tribunal. ‚ÄúTem previs√£o legal? Ent√£o a norma que vai ser estabelecida est√° amplamente amparada. Na forma da lei, n√≥s estamos direcionando essas resolu√ß√Ķes, essas normas, para que elas possam levar seguran√ßa jur√≠dica e, claro, atender o que eles pretendem que √© fazer com que os prefeitos tenham uma melhor gest√£o. N√£o estamos indo al√©m do que est√° prevendo a lei‚ÄĚ, destacou.

Ele elogiou a iniciativa e a preocupa√ß√£o do TCE com a boa gest√£o dos recursos p√ļblicos, mas ponderou que, como toda norma legal, as produzidas pelos conselheiros tamb√©m precisam de tempo para adequa√ß√£o dos atingidos. Ele sugere at√© a realiza√ß√£o de audi√™ncias p√ļblicas.

‚ÄúPara se adequar, precisa prazo, precisa que tenham conhecimento da norma. O cumprimento das normas se dar√° com o gestor conhecendo, sabendo que tem que se adequar, e tendo prazo para isso‚ÄĚ, completou.

Pela Instru√ß√£o do TCE, s√£o consideradas ileg√≠timas para os fins do artigo 70 da Constitui√ß√£o Federal, quaisquer despesas custeadas com recursos p√ļblicos municipais ‚Äď inclusive aqueles decorrentes de contrapartida em conv√™nio ‚Äď com eventos festivos quando o munic√≠pio estiver em atraso com o pagamento da folha salarial (incluindo terceirizados, tempor√°rios e comissionados); ou em estado de emerg√™ncia ou de calamidade p√ļblica decretado.

Em defesa da fiscaliza√ß√£o e no combate √† farra com dinheiro p√ļblico, o deputado estadual progressista Wellington do Curso declarou que n√£o apoia a Proposta de Emenda √† Constitui√ß√£o ‚Äď PEC 02/2018, que tramita na Assembleia Legislativa do Maranh√£o. A PEC cria limites para a atua√ß√£o do Tribunal de Contas do Estado no caso da edi√ß√£o de normas que tenham for√ßa de lei.

Para o deputado Wellington, além de a proposta ser claramente inconstitucional, é uma tentativa de limitar o poder de fiscalização do TCE e a independência do Tribunal.

‚ÄúO Tribunal tem o poder de regulamentar pr√≥prio dos Tribunais do Poder Judici√°rio (art. 96 da CF), ou seja, a Constitui√ß√£o conferiu ao Tribunal de Contas o poder de elaborar seu regimento interno e dispor sobre a sua compet√™ncia e funcionamento. Qualquer afronta a esse regime √© flagrantemente inconstitucional, conforme firme jurisprud√™ncia do STF. O Tribunal de Contas tem autonomia. Se querem limitar o poder de fiscaliza√ß√£o do TCE, n√£o contem comigo‚ÄĚ, afirmou Wellington.

Exemplo para os prefeitos do Brasil: diferente do que faz o gestor da capital do Maranh√£o, que prefere “multar” o cidad√£o, prefeito de Colatina no Espirito Santo prefere pagar bem os garis da cidade.

Segurança do RJ: A ponta do iceberg descoberto pelo Exército de Temer.

Vale ressaltar que o RJ, que foi saqueado durante os dois governos de S√©rgio Cabral, aliado de Lula, destruiu alem da seguran√ßa, a sa√ļde, educa√ß√£o, inviabilizando uma cidade maravilhosa, transformando¬†num verdadeiro inferno.

Uma boa pergunta: onde estavam as escolas de samba do RJ, que nada falaram dos traficantes, das guerras e mortes da população? 

Intervenção do Exercito no RJ é outra bomba deixada pelo PT, que o presidente Michel Temer terá que resolver.

Temer, o “vampiro brasileiro” do carnaval das escolas de samba ligadas ao PT, novamente limpando o lixo deixado pelos lulo-comunistas, que passaram 14 anos defendendo bandidos, inviabilizando uma das mais belas cidades do Brasil, o Rio de Janeiro, transformado pelos aliados de Lula, como o ex-governador S√©rgio Cabral, candidato a governador pelo RJ apoiado por Lula, que cumpre pena na cadeia por esquema criminoso.

Sem falar dos refugiados do comunismo, que est√£o chegando a Roraima, outra cidade devastada pelo Lulo-comunismo, que est√° sendo invadida pelos refugiados de Nicol√°s Maduro, da Venezuela, que ser√° assunto para outra postagem.

 

 

 

Polarização comunista: Para não perder eleição, Flávio Dino oferece estruturas do governo aos aliados de Roseana.

Com medo de perder eleição, Flávio Dino está cooptando vários aliados de  Sarney.

Não é segredo para ninguém que Flávio Dino vai forçar uma polarização com Roseana Sarney, Dino teme disputar com outros candidatos, para isso usa as estruturas do governo para enfraquecer Roseana Sarney, tirando seus aliados, cooptando-os.

A ordem √© repetir persegui√ß√£o, acusando outros candidatos de serem do grupo Sarney. Os comunistas s√≥ esquecem que Fl√°vio Dino est√° abra√ßado com a maioria dos sarneysistas, inclusive, dando secretarias e “benesses” aos ex-aliados de Jos√© Sarney, que est√£o sendo cooptados pelo grupo de Fl√°vio Dino para n√£o perder as elei√ß√Ķes de 2018.

Comunistas pretendem repetir as elei√ß√Ķes de 2016, quando perseguiram at√© a alma o candidato a prefeito de S√£o Lu√≠s, Eduardo Braide. Desta feita, querem dizer que o ex-presidente da Caema no governo Jackson Lago, √© outro candidato do Sarney. Sempre fazem isso, baixarias, ao arrepio da democracia, tentam mancar outros candidatos, quando na verdade √© Fl√°vio Dino que est√° cercado de sarneysistas.

Após cooptar os sarneysistas, Gastão Vieira, André Fufuca, Cléber Verde, Rogério Cafeteira, Flávio Dino deu uma secretaria no Sul do Maranhão para o sarneysista Ildon Marques:

Nem Temer, nem Tuiuti: Beija-Flor √© √ļnica vencedora…

Um resultado trágico: misturar a ira de quem levou pé na bunda, saiu do poder central, com a magia carnavalesca do RJ. O resultado já era esperado, a preferência da Beija Flor , novamente campeã.

Beija-Flor é campeã, todos sabem que no carnaval das vaidades, nas politicagens dos caciques de Brasilia, também não existem espaços pra vices.

No final da festa, nem o Michel Temer, nem a escola de samba Tuiuiti ser√£o respeitados.

Abaixo, uma breve pesquisa nos noticiários. Todos só falavam na campeã: Beija-Flor.

Nota:

O presidente do Brasil, Michel Temer, já mandou muitos recursos para o Maranhão, mas, vive sendo desrespeitado pelos mesmo políticos que vivem batendo às suas portas de pires nas mãos.

Absurdo: a foto oficial do presidente sequer foi colocada no Pal√°cio dos Le√Ķes, sede do governo do Estado, chamado de “governo de todos”, mas na verdade √© conhecido como¬† “pal√°cio dos comunistas”.

Na foto, dois deputados da bancada federal, de Brasilia, que vivem batendo às portas do Temer, em flagrante desrespeito, com a faixa da vice-campeã do carnaval do RJ.

1 2 3 4 5 6 8