Deu na Rede Globo: mortes de pacientes que viajavam do interior, por mais de 10 horas, para conseguirem tratamento em São Luís…

0

Jornal Hoje destaca atraso na construção de clínicas de hemodiálise no Maranhão

A reportagem foi no sábado, 27, dia em que  o governador midiático fazia pose pra foto batendo tambor. Enquanto isso, vários  maranhenses estão sofrendo por falta de atendimento em hospitais públicos pelo interior do Maranhão.

Confira abaixo, na reportagem do Jornal Hoje da Rede Globo deste sábado.

O Jornal já havia mostrado o problema no ano passado, em uma reportagem sobre pacientes do interior do Maranhão que viajam mais de 10 horas para conseguir o tratamento em São Luís.

A edição deste sábado (27) do Jornal Hoje destacou o grave problema da falta de clínicas de hemodiálise no interior do Maranhão. A causa para essa realidade é o atraso na construção dos centros de tratamento, que deveriam diminuir a distância entre os pacientes e o tratamento que necessitam.

Atualmente, pacientes do interior do Maranhão tem morrido por conta da desgastante rotina de viagens até São Luís. Na madrugada desta sexta-feira (26) o aposentado Raimundo Borges morreu no Hospital Socorrão 2, em São Luís.

Ele era morador da cidade de Pinheiro e dependia do tratamento de hemodiálise na capital do Maranhão, distante 341 quilômetros de onde ele vivia. Desde 2017 Raimundo falava que estava cansado do sofrimento pra conseguir se tratar.

“Você não descansa nada e no dia seguinte já tem que voltar novamente. É uma maratona mesmo, mas a gente tem que lutar pela vida”, afirmou o aposentado no ano passado.

Seu Raimundo Lopes havia dado entrevista no ano passado, quando viajava para fazer hemodiálise em São Luís (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Durante três anos, Raimundo e outros pacientes faziam uma jornada até uma clínica em São Luís para fazer hemodiálise três vezes por semana. Somando ida e volta, a viagem de Pinheiro até a capital dura até dez horas dentro de uma van. O trajeto inclui um viagem de ferry boat de quase uma hora e meia. Confira na íntegra a reportagem clicando aqui:

Os comentários estão desativados.