De volta ao caso Rony Barros: teria o vigilante realmente cometido suicídio?

0

Versão sobre “suicídio” de vigilante ainda não bateu com alguns fatos.

A blogueiro Mônica Alves trouxe alguns pontos importantes que ainda não foram respondidos sobre o caso.

Rony Barros, 33 anos. Uma morte que pede muitos esclarecimentos

Segundo a família, Rony não estava passando por nenhum problema familiar, como está sendo cogitado por alguns aproveitadores da dor dos outros de plantão e muito menos estava de aviso prévio na empresa – informação que a mesma pode confirmar.

Acompanhe abaixo:

Uma morte acompanhada de muitas perguntas e que não pode ser mais uma em outras milhões…

Na manhã de segunda-feira, como costumeiramente 1 dia sim e outro não, o profissional da área de vigilância, da empresa Classi dirigiu-se ao seu local de trabalho. Rony já estava na Classi há 1 ano e era lotado no Ginásio Castelinho.

Uma ida sorridente dando tchau para a sua mãe e uma volta dentro de um caixão, morto.

Mas o que aconteceu no local de trabalho de Rony?  Ele realmente tinha motivos para recorrer ao suicídio? Quais eram os problemas que o jovem apresentava?

Para a família do vigilante, ele nunca seria capaz de tirar a sua própria vida. Ouvi palavras de seu próprio pai, que incrédulo, com o fato, discorria termos como “meu filho jamais faria uma coisa dessas. Ela não teria motivos. Ele era muito ele e amava a sua vida”.

Seria muito fácil acreditar que, de fato, foi um suicídio se fotos, que podem ser usadas como provas, não falassem tanto acerca do que aconteceu naquela segunda-feira.

Horas antes de a notícia chegar à família, já rolavam fotos da vítima nos grupos de Whatsapp.

Vamos às evidências

– Quem tirou a foto de Rony “dormindo”, ainda cedo, já com uma marca no pescoço, sem colete, com a arma, rádio, em cima da mesa?

– Quem divulgou essa foto?

– Por que Rony já estava com a marca no pescoço?

– Quem frequentava o posto que o vigilante era lotado, além de próprios funcionários da Classi?

– Será que ali naquela foto Rony não já estava morto e aquele cenário  (dele “dormindo e os objetos em cima da mesa) não foi montado?

– Se Rony se suicidou por que o seu braço direito está roxo e a mão inchada, como se tivesse acontecido algum tipo de luta corporal?

– Se houve suicídio, que nó na corda foi aquele? Para o lado e já com uma marca no pescoço da vítima (que não é a da corda? Existe uma marca no pescoço, que não é a da corda. Mais uma evidência de que mais esse cenário parece ter sido montado.

A marca no pescoço mais embaixo e o nó mais acima. Curioso hein? Leia na íntegra aqui:

 

Os comentários estão desativados.