Monthly Archives: Maio, 2017

Pressão contra Lava Jato…

Dirceu solto, Palocci interrompeu delação na Lava Jato: por hora Lula continua correndo livre para 3º mandato de presidente.

Não há como negar que a soltura do mensaleiro José Dirceu foi um golpe duro na Lava Jato. O próprio ex-ministro de Lula, Antonio Palocci, também complicadíssimo na Lava Jato, que estava disposto a delatar voltou atrás depois que Dirceu foi solto.

Enquanto não chega a prisão do líder da organização petista, até quem já estava condenado por vários crimes é solto.

Nos bastidores do poder, comenta-se que a movimentação de governadores do Nordeste ligados ao PT é grande para livrar o ex-presidente ao mesmo tempo que tentam obstruir a Lava Jato.

 

Zé Reinaldo lança pré-candidatura ao senado e Roberto Rocha confirma que nas eleições de 2018, eleição vai ter uma  terceira via. (Coluna Ponto & Contraponto)

Ex-governador mantém lançamento de candidatura, dia 6, em Tuntum, com apoio de Tema Cunha

Tema Cunha e José Reinaldo: amizade e aliança política sólidas

Ainda que não tenha definido o partido que o embalará, o ex-governador José Reinaldo Tavares tem data marcada para alçar voo em direção ao Senado da República: será no próximo sábado, em Tuntum, num grande ato político de repercussão estadual a ser organizada pelo prefeito e presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha, que muito provavelmente também poderá se desfiliar ao PSB.

Setentão em plena forma e caminhando para 80, José Reinaldo sabe que esta será sua última chance de realizar o sonho de chegar ao Senado, completando uma carreira com dois mandatos de deputado federal, meio mandato de vice-governador e um mandato e meio de governador, além de uma rica trajetória no serviço público: secretário de Estado várias vezes, diretor geral do DNOCS, presidente da Novacap, superintendente da Sudene e ministro dos Transportes. Além disso, ampliou seu lugar na História como o grande articulador e avalista do movimento que levou Jackson Lago ao Governo do Estado em 2006, na primeira grande derrota eleitoral e política do Grupo Sarney.

O ato de lançamento em Tuntum tem dois sentidos. O primeiro é a reafirmação da sua candidatura, numa demonstração de que ter um partido forte é muito importante, mas também pode-se se afirmar que um candidato com a estatura os pilares políticos que dispõe torna seu nome muito maior do que muitos partidos nas circunstâncias atuais. O segundo viés é o apoio do prefeito de Tuntum pela quinta vez e presidente da Famem pela terceira. Político hábil e experiente, Tema Cunha é hoje uma das principais lideranças políticas do Maranhão, o que o torna a liderança mais autorizada dar ao ex-governador o suporte necessários para ele dar a largada em grande estilo na corrida senatorial de 2018.

Com saída de José Reinaldo, Roberto Rocha fica livre para comandar o PSB e se lançar ao Governo

Roberto Rocha fica com caminho livre no PSB

A saída do ex-governador José Reinaldo Tavares do PSB, rompendo com a legenda recriada pelo célebre governador pernambucano e ícone da esquerda Miguel Arraes, o livra de uma situação incômoda e abre caminho para o senador Roberto Rocha arquivar o projeto de se reconverter ao tucanismo, ganhar de vez o comando do partido e se lançar candidato a governador sem um contrapeso importante para contrariar o seu projeto.

Plenário do Senado

Assim, José Reinaldo procura outra seara para disputar uma cadeira de senador e Roberto Rocha vai tentar viabilizar seu sonho político de morar quatro anos no Palácio dos Leões, interrompendo assim, para o bem dos dois, mais de uma década de incômodas e traumáticas interferências um na vida política do outro.

Se não entrar em conflito com a cúpula do PSB, o senador Roberto Rocha terá caminho livre para assumir, finalmente, o comando do partido no Maranhão sem ter de dividi-lo com ninguém, evitando assim embaraços que possam criar problemas ao seu projeto. Desde que desembarcaram no PSB – José Reinaldo saindo do PTB e Roberto Rocha rompido com o PSDB -, os dois nunca se entenderam. Foram anos de escaramuças, conflitos, dribles e mal-estar, com José Reinaldo controlando o Diretório estadual e Roberto Rocha comandando o Diretório de São Luís. Agora, o permanente “estado de impasse” dentro do PSB chega ao fim, podendo o partido, mesmo desfalcado de um quadro muito importante, definir um projeto claro, com Roberto Rocha candidato a governador, podendo ainda lançar até dois candidatos a senador.

Em tempo: se o PSB ficar inteiramente sob o controle do senador Roberto Rocha, é quase certo que perderá seus três deputados estaduais: Bira do Pindaré, Rogério Cafeteira e Edson Araújo. Deve perder também políticos importantes, como o secretário chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares.  A deputada federal Luana Alves provavelmente permanecerá no partido como aliada de Roberto Rocha. A conferir.

O tema foi proposto pelo deputado Sousa Neto (PROS) que pretende realizar uma audiência pública para tratar dos impactos da água de lastro lançada pelos navios na Costa Maranhense na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Sousa Neto (PROS) destacou a urgência de tratar da problemática, convocando órgãos nas esferas federal, estadual, municipal e, ainda, pesquisadores e entidades ligadas à área para debater sobre o assunto.

“Chamar atenção de todos os órgãos envolvidos, já que é necessário que eles assumam a responsabilidade pela fiscalização e o controle dos impactos ambientais ocasionados por esta água armazenada nos navios, jogada junto com dejetos na Baía de São Marcos, e que, entre outras consequências, influencia também nas condições de balneabilidade das praias. São quase 19 milhões de metros cúbicos de água suja, por navio, jogados anualmente na nossa costa”.

Para o evento, foram convidados representantes do Ministério do Meio Ambiente, IBAMA, Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA), Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semmam), Ministério Público, OAB/MA, Capitania dos Portos do Maranhão, EMAP, ALUMAR, VALE, Petrobrás, universidades e instituições da área.

A Prefeitura de São José de Ribamar realizou neste domingo (30), as provas do seletivo para o ingresso gratuito no Curso Pré-Vestibular Municipal. As provas que foram realizadas na sede do pré-vestibular, além das unidades de ensino, Humberto de Campos e Maria Elisa, reuniram cerca de 549 inscritos concorrendo à 160 vagas oferecidas nesta edição.

Criado na primeira administração do prefeito Luis Fernando, o equipamento voltado à educação, sofreu diversas interrupções em razão da falta de pagamento dos salários dos professores. De acordo com o prefeito ribamarense, Luis Fernando foram oito meses de atraso, o que ocasionou sérios problemas no acesso dos jovens ao ensino público superior.

“Em 2016, ainda durante a campanha, assumi o compromisso de reabrir o Pré-Vestibular e hoje antes mesmo de completar quatro meses de gestão, não só reabrimos como a juventude já está em processo seletivo para acesso ao curso preparatório de qualidade e gratuito”, lembrou o prefeito.

O Pré-Vestibular tem como público alvo alunos que estejam cursando o 3º ano ou que já tenham concluído o Ensino Médio na rede pública de ensino e sejam residentes em São José de Ribamar. Do total de vagas oferecidas, estão incluídas vagas para portadores de necessidades especiais, e para o programa Meninos do Santuário, criado pela Lei Municipal nº 607/06 de 31 de março de 2006, e ex-alunos do Pré-Vestibular além de vagas para a comunidade em geral.

O resultado será divulgado no dia 05 de maio, sendo afixado no prédio do Pré-vestibular, bem como disponibilizado no site oficial da Prefeitura de São José de Ribamar (www.sjr.ma.gov.br).

 

 

Após saída de Dilma Rousseff da presidência do Brasil, que deixou cerca de 13,5 milhões de brasileiros desempregados; dados segundo o IBGE, coletados ainda no ano de 2017, com taxa elevada de desocupados recordes devido o fechamento de empresas. Pesquisa serviu para mostrar que o brasileiro está menos pessimista.

Mesmo tendo que assumir as reformas que foram muitas delas propostas pelo PT de Lula e Dilma, o governo Temer começa a vislumbrar um horizonte positivo na opinião dos brasileiros, isso, não depende da intenção da esquerda, que tenta criminalizar o atual presidente do Brasil, que foi legitimamente eleito vice-presidente na chapa de Dilma.

 

Lei na íntegra clicando aqui:

Rio não corre para o mar?

Enquanto Flávio Dino grita “fora Temer” em regabofe para apaniguados, bajuladores e sindicalistas da” greve”, índios são atacados, alvejados, decepados. Mas o g governador, lógico que tirou o corpo fora, segundo Flávio Dino, que demostra rivalidade contra o governo federal . “A culpa é da Funai” (do governo federal).

Festa no AP de Dino começou pela manhã, para familiares, secretários e apaniguados. Varou a noite ao som do bundalelê, festa no ap.

Nada contra os banquetes, nada contra os jetons e mensalinhos a apaniguados políticos que recebem do governo, práticas que antes eram denunciadas por Bira do Pindaré, Marcelo Tavares e Rubens Junior (entenda aqui).

A violência no campo contra os indígenas vem sendo constante em terras maranhenses. Os conflitos entre índios e fazendeiros foram intensificados na tarde deste domingo (30 de abril), quando foram brutalmente atacados fazendeiros armados, que deixaram 13 índios feridos com golpes de facão e pauladas no Povoado das Bahias, município de Viana (MA).

Abaixo, imagens do regabofe comunista, que começou desde cedo e varou a noite.

Galera da CUT aplaudindo comunista dançando “é golpe “fora temer” nas dependências do Palácio dos Leões. Governo de poucos…

 

 

A falta que a informação faz!

Impressiona a falta de debate dos grandes problemas brasileiros. Estamos discutindo e votando na Câmara Federal e no Senado temas cruciais para o nosso futuro e, fora do parlamento, não existe na sociedade nenhum debate sério sobre esses assuntos. Fui até acusado de direita porque votei a favor da reforma trabalhista como se lutar pelo emprego fosse de direita ou de esquerda, quando na verdade isso é apenas economia e acesso ao emprego. A China está aí para demonstrar o que estou dizendo.

Estamos apenas colocando de novo a economia que foi colocada de pernas para o ar, pelo desastrado governo de Dilma, de pé novamente.

Parece que quem grita mais ganha a parada, mas até isso não é verdade. Basta ver que o povo deixou as corporações sozinhas na sexta 28 de abril na badalada greve geral e foi trabalhar como pôde.

Pois bem eu estou saindo do PSB exatamente porque resolveu fechar questão contra as reformas trabalhista e previdenciária sem ouvir as bancadas da Câmara e do Senado. Eu fui convidado para ir para o PSB por seu maior líder Miguel Arraes. Eu convivi muito com Eduardo Campos um dos maiores políticos contemporâneos, hábil conciliador que ouvia e que gostava do debate e foi o primeiro político importante que alertou que o governo Dilma ia nos levar para o buraco. Para poder ser ouvido e poder participar do debate se candidatou a presidência e vinha fazendo uma campanha diferenciada e com chances de ganhar se não fosse o fatídico acidente que lhe tirou a vida em plena campanha. Relembro tudo isso para basear minha convicção de que esse fechamento de questão jamais seria feito sob sua liderança, porque isso dividiu irremediavelmente o partido que ao invés do rápido crescimento que apresentava, vai diminuir de tamanho tal a desconfiança estabelecida na Bancada. O resultado da votação foi de 16 contra a reforma e 14 a favor, inclusive a líder do partido.

Pois bem, e o mérito da reforma? Eu e a grande maioria dos deputados não tiramos direitos de nenhum trabalhador. Nenhum, e desafio aos palpiteiros de plantão, que apontem um sequer. E isso é fácil de provar. Os direitos dos trabalhadores estão estabelecidos no artigo sétimo da Constituição e em seus parágrafos. Nenhum foi suprimido e só a ignorância do que se debatia podia levar a essa conclusão, pois nenhum foi revogado ou substituído e nem poderia pois o que aprovamos foi um projeto de Lei que obviamente não tem poderes para mudar a Constituição. Votamos pelo emprego, ou é normal e devemos fechar os olhos para 14 milhões de desempregados? As leis trabalhistas datam de 1943, estamos em 2017 o mundo mudou, o trabalho mudou, o que fizemos foi apenas uma atualização da legislação adaptando-a aos novos tempos e destravando a insegurança jurídica que fazia as empresas evitar contratar trabalhadores como provam milhões de processos na justiça do trabalho que assustavam os empregadores. Quem ganhou foram os trabalhadores, os jovens, os pequemos e micro empresários e a economia.

A gritaria toda é por causa do dinheiro da contribuição sindical que por ser obrigatória, tanto para os trabalhadores do setor público quanto os do privado, na verdade se tornou um imposto sindical que não podia ter o seu uso fiscalizado pelo TCU. Uma benesse e tanto, tão desequilibrada que nos levou a ter 16 mil sindicatos enquanto, outros países, no máximo, tem dezenas deles. Isso porque era tanto dinheiro que fazia com que milhares de dirigentes sindicais não trabalhassem mais e ficassem anos e anos no comando dos sindicatos. A grita foi por esse dinheiro e esse privilégio e muitos defendiam o status quo sem saber que apenas estavam defendendo os privilégios dos sindicalistas ao defender “direitos”. E não o emprego.

Nós não acabamos com a contribuição sindical. Elas continuam a existir, mas não são mais obrigatórias e os trabalhadores podem, se quiser, continuar pagando. Mas, aí os sindicatos terão que mostrar que trabalham de verdade para merecerem o pagamento.

E a reforma Previdenciária? Essa todos os presidentes do país tentaram fazer. Também não é de direita e nem de esquerda. É pela sobrevivência do pagamento dos aposentados, presentes e futuros, e pelo equilíbrio das contas nacionais. Se não for feita todo os recursos orçamentários irão para pagamento de aposentadorias e não sobrará recursos para a saúde pública, para a educação e para a segurança. Será a falência do país como nação.

Quando falo em todos os presidentes, são todos mesmo. Desde Lula, Fernando Henrique, Dilma Collor, mas, agora sob a presidência de Temer, com a maior crise econômica de nossa história já não pode mais postergar. Todos os países já fizeram dentro dos mesmos moldes do país. Ou fazemos ou a crise, a inflação e o desemprego virão cada vez mais forte. Dizer o contrário é ser irresponsável e querer o pior, principalmente depois que a Câmara dos deputados suavizou o texto e o tornou menos duro.

Duros tempos, mas os trabalhadores e os que querem ver o país melhor podem contar comigo.

São Luís abandonada: vídeo mostra principais bairros da cidade sem policiamento.

Locais que foram filmados:

Estão sem policiamento os bairros: São Francisco, Centro da Cidade, Camboa, Liberdade, Fé em Deus, Monte Castelo, Alemanha, Jaracati e Renascença.

Durante a filmagem deste domingo não foram vistas viaturas rodando na cidade. Na semana passada, no domingo, neste mesmo horário, 17h30, registrei em vídeo mesmo trajeto e nada de viaturas.

Mentira de Flávio Dino:

Diferente da propaganda do governo, a realidade mostra que não há viaturas rodando na cidade. Lanço aqui uma nova modalidade de cobrança aos nossos gestores públicos, através de imagens (videos e fotos), vamos postar nas redes sociais a realidade de nossa cidade.

#vamosfilmaracidade

Confira abaixo no vídeo gravado durante vários bairros da cidade.

 

 

1 12 13 14