Monthly Archives: setembro, 2016

Edivaldo Holanda e Edinho Lobão têm muito em comum, ambos foram desmoralizados pelos comunistas.

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, conseguiu envergonhar o PDT, legenda criada pelos bravos Jackson Lago e Leonel Brizola, que não fugiam dos debates.

Pior que isso, foi o anúncio feito pelo herdeiro do clã político Lobão, Edinho Lobão, que teve que ser desmentido dentro de sua própria casa, a TV Difusora, única emissora do SBT de uma capital do Brasil que não fez debates.

Edinho Lobão, depois que perdeu a eleição para os comunistas em 2014, ninguém sabe por qual motivo resolveu alugar suas emissoras que cobrem todo os estado do Maranhão, a Difusora, (SBT), ao deputado Weverton Rocha do PDT, que é carne da carne de Flávio Dino e Márcio Jerry, mandatários da “nova política” do PCdoB.

Que derrota, Edinho Lobão, essa foi a segunda vez que o grupo dos comunistas consegui envergonha-lo. Fiquem com a imagem do dia que mostra a afirmação feita por Edinho Lobão:

edovazacora11

Entenda clicando aqui: 

Foi por unanimidade. A corte do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) confirmou na tarde desta terça-feira, dia 27, a cassação da candidatura do médico Julinho Matos (PMDB) à prefeitura de São José de Ribamar.julinho-ficha-suja-ribamar-940x540

Pelo placar de 4 a 0, o TRE manteve a decisão da juíza da primeira instância em São José de Ribamar, Tereza Mendes, que indeferiu o registro da candidatura do peemedebista.

Com a decisão, apenas o candidato da coligação Aliança Democrática Ribamarense, Luis Fernando Silva (PSDB), está apto a concorrer ao pleito no próximo dia 2 de outubro.

Julinho teve sua candidatura indeferida pela Justiça, em decorrência de suas duas contas desaprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA), durante sua passagem pela diretoria da Maternidade Benedito Leite.

Além das contas reprovadas, Julinho não se desincompatibilizou no dia 2 de julho, como manda a lei eleitoral, do cargo de médico que exerce no Estado, fato este que também impediu sua candidatura, segundo o procurador da República junto ao TRE, Thiago Ferreira de Oliveira.

Desmoralizado na Justiça e sem perspectiva eleitoral, Julinho e seu pequeno séquito continuam, no entanto, fazendo uma campanha baixa contra Luis Fernando em São José de Ribamar.

edivaza3

O procurador-geral do Estado, Rodrigo Maia Rocha, devolveu o processo de um terreno localizado nas proximidades da Via Expressa, em São Luís, utilizado pelo Palácio dos Leões e pelo prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) para atacar o candidato a prefeito pela coligação “Por Amor a São Luís”, Wellington 11 (PP).

A devolução foi feita no final da manhã desta terça-feira 27, após Maia ser informado do recebimento, ontem 26, na PGE, de um mandado de busca e apreensão contra o Estado, por meio de sua pessoa, para devolver os autos do processo.

Caso não obedecesse a ordem judicial, o chefe da PGE poderia ser preso pelo crime de retenção de autos, podendo levar de seis meses a três anos de cadeia, além de condenado ao pagamento de multa. Contudo, ainda que tenha devolvido os autos por força judicial, o procurador-geral ainda pode ser indiciado pela polícia e ser condenado à mesma pena por ter devolvido a documentação fora do prazo determinado.

O pedido de instauração de inquérito policial contra ele pode ser requisitado pela própria polícia ou pela Justiça, além de ser encaminhado para a Seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para que sejam apuradas e julgadas pelo Tribunal de Ética da instituição, segundo uma determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A ação abusiva de Rodrigo Maia aponta ainda para o uso claro da máquina pública estadual em favor do candidato do governador Flávio Dino (PCdoB) e o uso da estrutura do governo para fazer fato político em perseguição a um adversário, no caso Wellington, já que Rodrigo Maia agiu dolosamente, isto é, com vontade livre e consciente de prejudicar o progressista. Para saber mais, confira clicando aqui:

A Secretaria de Imprensa informou nesta terça-feira (27) que o presidente da República Michel Temer conversou por telefone com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ainda nesta segunda (26) e ouviu as explicações do ministro sobre recentes declarações envolvendo a operação Lava Jato.

Segundo a assessoria de Temer, após a conversa entre os dois, o presidente considerou o episódio superado.

No domingo (25), em encontro com representantes do Movimento Brasil Livre (MBL), em Ribeirão Preto, no interior, cidade administrada Palocci em dois mandatos, Moraes sugeriu que esta semana haveria nova fase da Lava Jato.

Na segunda, a Polícia Federal deflagrou a 35ª fase da operação e prendeu o ex-ministro daCasa Civil e da Fazenda Antonio Palocci, doPT, sob suspeita de favorecer a Odebrechtdurante os governos petistas.

As declarações de Moraes geraram repercussão negativa para o governo nesta segunda. Na avaliação dos parlamentares que fazem oposição ao governo Temer, por exemplo, o ministro da Justiça antecipou a operação ao cumprir uma agenda no fim de semana e passou a mensagem de que o governo peemedebista está interferindo nas investigações.

Segundo o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, a fala do ministro “pegou mal” entre os principais assessores de Temer porque, na avaliação deles, deu a impressão de que o governo monitora a Lava Jato e a utiliza politicamente.

A ligação
Inicialmente, Temer pretendia conversar pessoalmente com Moraes nesta segunda, mas, como o ministro estava em São Paulo, auxiliares dos dois informaram que a reunião poderia ser realizada nesta terça. Apesar disso, os dois acabaram se falando por telefone ainda na segunda, quando o ministro deu explicações ao presidente.

Segundo o Palácio do Planalto, no telefonema, Alexandre de Moraes disse a Temer que sua declaração não foi no sentido de antecipar uma possível nova fase da operação, mas, sim, com o intuito de reforçar que a operação seguirá com as investigações.

Conforme a Secretaria de Imprensa, Temer e Alexandre de Moraes se encontrarão na noite desta terça, no Palácio da Alvorada, onde o presidente da República oferecerá um jantar a ministros e a líderes de partidos que compõem a base aliada na Câmara dos Deputados.

Fonte: G1

De acordo com deputado Edilázio Júnior, o procurador-geral do Estado Rodrigo Maia – que foi secretário do próprio prefeito –  retirou o processo da 4ª Vara da Fazenda Pública e não devolveu na data prevista, usando os documentos para desgastar a imagem do candidato do PP.

Rodrigo Maia sumiu com processo para desgastar Wellington

Rodrigo Maia sumiu com processo para desgastar Wellington

O procurador-geral do Estado, Rodrigo Maia, deu fim no processo envolvendo um terreno supostamente invadido pelo candidato do PP, Wellington do Curso, e que foi usado na propaganda do prefeito Edivaldo Júnior (PDT) para atacar o adversário.

A acusação foi feita pelo deputado Edilázio Júnior (PV), que apoia Wellington.

De acordo com Edilázio, Rodrigo Maia – que foi secretário de Meio Ambiente do próprio Edivaldo – retirou o processo na 4ª Vara da Fazenda Pública e teria que devolvê-lo até o último dia 22. Como os documentos não foram entregues, o juiz Cícero Dias determinou que os autos fossem recuperados por oficiais de Justiça em até quatro horas.

– Sabe o que o procurador disse ao oficial de Justiça? Que não sabe onde o processo está. E disse mais: talvez tenha que pedir para restaurar os autos, porque o processo está perdido. Está perdido, mas o jornalista [Jeisael Marx] tem a cópia do processo na mão. O jornalista está aparecendo toda hora na televisão: ‘Eu tenho o processo, está aqui, eu tenho o processo’. Agora como que ele pode ter conseguido se o procurador afirma que perdeu? – questionou Edilázio.

Edilázio vê claro sinal de aparelhamento do estado em favor de um candidato a prefeito ligado a Flávio Dino

Para o deputado do PV, o caso revela claramente o aparelhamento do estado em favor da dupla Flávio Dino/Edivaldo Júnior.edilazio-1

A devolução dos auto ao juiz é fundamental para que Wellington prove que nada tem a ver com o terreno. O juiz aguarda os documentos exatamente para despachar retirando o nome do parlamentar do processo.

Segundo ele, o objetivo do sumiço do processo é desgastar a imagem de Wellington.

– O procurador-geral do Estado pode ter um candidato a prefeito, ele é cidadão e pode sair de casa, e deve sair de casa no dia 2 de outubro para votar no candidato que o governador dele manda, mas a Procuradoria do Estado não pode ter candidato. O procurador pode ter, mas a Procuradoria não – cobrou o parlamentar.

Para Edilázio, o jogo da dupla Flávio Dino e Edivaldo Júnior mancha o processo eleitoral de São Luís… (Marco Deça)

Repúdio ao jornalismo eleitoral da TV Difusora, que transmite “obras do prefeito” como reportagens.

Na manhã desta terça-feira, 27, poucos dias das eleições municipais, o complexo de emissoras alugadas ao partido do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, exibia “reportagens” mostrando ruas asfaltadas. Confira um trecho da “reportagem” eleitoral do PDT, clicando aqui:

Moradora sendo "entrevistada"

Moradora sendo “entrevistada”

Detalhe, as emissoras de TVs e Rádios que estão alugadas ao PDT, partido do prefeito de São Luis, que faz parte do consórcio de candidatos do governador Flávio Dino, que emplacou o vice de Edivaldo, é do PCdoB, Júlio Pinheiro.

Abaixo, obras eleitoreiras, entregues só no final da gestão do prefeito Edivaldo. Obras que, se as autoridades eleitorais e o MP estivessem de olhos abertos não deveriam ser “noticiados” em larga escala, como vem acontecendo, tipificando notavelmente como eleitoreiras.

Nota: um atento leitor do blog e assíduo ouvinte ouvinte das emissoras, descobriu que o Governo do Estado e Prefeitura de São Luís, são os maiores anunciadores do Sistema de Emissoras.

edivala-1

Obras entregues em datas próximas da eleição: Fico me perguntando se em ano eleitoral o prefeito não deveria, no desespero querer implantar serviços, anunciar “obras eleitoreiras”.

edivala-2

 

 

Era só o que faltava: Sistema Difusora emitiu nota de repúdio contra “perseguição” a Jeisael Marx…

Puxadinho da Pedro II ainda comemora perseguição a candidato Wellington na rádio de Edinho Lobão. No programa Ponto & Virgula da FM, nessa tarde, a emissora emitiu uma nota de repúdio como se o que fazem seria jornalismo sério. Que jornalismo que ataca e acusa sem provas é esse?jeisa11

O jornalista Jeisael Marx usou o horário da TV Difusora para escrachar um candidato e acusou o mesmo de ser “bancado” pela ex-governadora Roseana Sarney.

O programa, segundo o jornalista, cedeu o horário para que fosse falado do IPTU que o candidato Wellington do Curso não teria pago, mas, de repente, Jeisael começou a falar que “Wellington era candidato da família Sarney”. CONFIRA O VÍDEO AQUI:

 Vale nota de repúdio?

Jeisael não está sendo atacado por ninguém. Ele, claramente usou o horário da TV Difusora para escrachar o candidato Wellington do Curso, acusando-o de ser “candidato de Sarney”. Ora, me comprem um bode!

Nas redes sócias o jornalista e apresentador da TV Difusora, que tem por patrão o PDT, partido do prefeito de São Luís, que pelo jeito envia as “pautas” diretamente do “puxadnho”.

Pelo tuiter, Jeisael Marx, que se diz perseguido, continua falando que Wellington é candidato de Sarney.

Vejam:

jeisa1

Para piorar a situação da Difusora, o programa Ponto & Virgula dessa tarde, passou o horário todo falando bem da candidata do PDT, Rosângela 12, em Imperatriz.

Como fazem, passam o tempo todo falando bem do candidato 12, que é do partido que alugou a rádio, enquanto batem nos outros candidatos, inclusive, falando que um delegado que é candidato a prefeito, usou um presidiário para fazer churrasco numa festa do delegado, que depois da festa fugiu e dias depois foi encontrado morto.

O “jornalismo” da Difusora, que emitiu nota de repudio, usou como fonte um jornal local para desenterrar esse caso, que, pode ser comparado ao caso Reis Pacheco, que foi usado tempos atrás pelo grupo Sarney para tomar a eleição de Cafeteira.

Lamentavelmente, o grupo de Flávio Dino está agindo da mesma forma que Sarney.

Isso sim, merece repúdio.

paco-1

Instituto confirma a consolidação de Raimundo Filho na preferência dos luminenses e aponta estagnação de Gilberto Aroso e queda de Domingos Dutra

paco2

Em mais um levantamento realizado pela TRES PESQUISAS, aponta que o candidato a prefeito de Paço do Lumiar, Raimundo Filho (PT), consolidou sua liderança na corrida eleitoral no municipio. De acordo com os resultados divulgados, Raimundo Filho cresce e continua na liderança passando de 22,75 para 25,5% na preferência do eleitorado. Enquanto o candidato do PRB, Gilberto Aroso, aparece estagnado oscilando de 18.50% para 20%; Já o candidato Domingos Dutra (PCdoB) apresentou queda acentuada de 21,25% para 16,2% em comparação aos números divulgados pelo mesmo Instituto no inicio do mês de setembro. O intervalo entre a divulgação das duas pesquisas é de pouco mais de 20 dias.

A pesquisa aponta ainda Josemar Sobreiro (PSDB) em quarto lugar, com 9% das intenções de voto, seguido por Inaldo Pereira (PPL) com 5,5% e Moraes Maninho (PCB) amarga a lanterna, com apenas 2,5%. Outros 14,25,% admitiram que ainda não sabem ou não responderam em quem irão votar e 7% disseram que vão votar em branco ou anular o voto.

O crescimento e a consolidação da chapa Raimundo Filho e Kim Lopes na disputa, apesar das perseguições, pode ser atribuído, primeiramente, pela baixa rejeição, e por fazerem política propositiva apresentando projetos factíveis que podem acontecer e não vender ilusões, pois os luminenses estão convencidos de que os outros dois principais candidatos que disputam o comando do município, já tiveram oportunidade de trabalhar pela cidade e pouco fizeram.

REJEIÇÃO

Segundo a pesquisa, 52,75% dos eleitores dizem que não votariam no prefeito Josemar, seguindo por Domingos Dutra, 14%, Gilberto Aroso, 13,75%, Moraes Maninho, 4,75%, Raimundo Filho com 4,5% e Inaldo Pereira, 2,0%. Não sabem/não respondem, 4,75%, Brancos e Nulos, 3,2% .

A TRES PESQUISAS foi contratada por Jeanne F. de Oliveira – ME, registrada no TRE-MA sobre o protocolo: MA-08448/2016 e ouviu 400 eleitores entre os dias 19 e 26 de setembro. A margem de erro é de 4,9 pontos percentuais para mais ou para menos e a margem de confiança do levantamento é de 95%.

 

“Esperamos cerca de um mês para marcarmos uma consulta e na hora não conseguimos ser atendidos”, reclamava a denunciante em vídeo no whatsapp.antagonismo1

Esse vídeo foi feito no hospital Carlos Macieira, num dia normal, em pleno horário de atendimento, e não tinha atendente pra entregar as senhas e marcar as consultas, a fila estava enorme e a ouvidora do hospital não deu uma solução para as pessoas.

Confira abaixo:

1 2 3 4 5 15