Corrupção, roubalheira desenfreada: Zé Reinaldo aponta novamente as irresponsabilidades de Dilma e Lula…

0

A MAIS COMPLETA IRRESPONSABILIDADE

O PT, muito compreensivelmente, vem tentando descaracterizar as famosas pedalada cometidas pelo governo da presidente Dilma como se fosse algo corriqueiro, até banal e sem importância, alguma coisa muito injusta e sem dolo, uma perseguição das elites, como gostam de dizer, dentro da lógica de nós (bons e amigos do povo) e eles (inimigos do povo) ou seja, bons são os que concordam com o que dizem e fazem e maus são os que não concordam com eles e apontam os seus erros.enganadores

Fazem um barulho danado tentando impor essa falácia enganadora, mas a realidade é muito, muitas vezes pior do que as pedaladas, que foram descobertas e que serviram de base para o impeachment.

O que fizeram vai muito além da irresponsabilidade das pedaladas. É loucura mesmo.

Aos poucos a dura verdade vem aparecendo e elas são estarrecedoras, pelo mal que causaram ao país, jogando a população na pobreza, no desemprego e tirando as oportunidades que por algum tempo o pais ofereceu a todos.

É tão grande o prejuízo que mesmo a mais qualificada das equipes econômicas vai levar algum tempo e precisar de muito apoio para colocar o país no rumo da normalidade. Por isso é preciso conhecer a fundo a herança deixada pelos governos de Lula e de Dilma, principalmente desta última, pelo tremendo voluntarismo e falta de diálogo do seu governo com a sociedade. Com isso nos colocou no fundo de um enorme precipício.

Vejamos.

A Congresso Nacional varou a madrugada de quarta para quinta da semana passada para concluir a votação da autorização do novo déficit fiscal, que acabou sendo o dobro do que a Dilma havia enviado ao Congresso. Sem essa votação o governo parava. Concluímos tudo as quatro horas da madrugada porque o PT fazia de tudo para impedir a votação.

O que quer dizer esse valor aprovado para um déficit de 170 bilhões de reais? Esse é o valor do déficit que acontecerá se nada for feito pelo governo Temer para corrigir a bagunça. É importante ter em conta que é obrigação do novo governo não deixar esse número acontecer, mas é importante saber o tamanho da herança. Só que ele é apenas uma parte da herança real.

Nos dez anos entre 1998 e 2008 houve um superávit primário de três por cento do PIB, que em relação ao de 2016 representava 190 bilhões de reais. Assim Dilma consegui criar um déficit de 170 mais 190 bilhões de reais, pois desapareceu o superávit e apareceu um déficit brutal. Ou seja, ela causou um desequilíbrio orçamentário de 360 bilhões de reais. Em poucos anos!

Mas, o problema é muito maior. Para continuar gastando Dilma foi ao mercado financeiro e por isso em 2015 o Brasil foi o país cujo Tesouro Nacional mais pagou juros no mundo, 8,5% do PIB, contra 4,62% da Índia, o segundo que mais pagou. Estamos falando de 502 bilhões de reais em juros em 2015, quando o déficit primário foi de 1,88% do PIB ou 111 bilhões de reais, ou seja, o déficit total foi de 10,38% ou 613 bilhões de reais. A conta de juros deste ano deverá ficar igual, ou seja, só nestes dois anos mais de um trilhão de reais. Em juros!

Tudo isso considerado a projeção da dívida pública bruta ao final de 2016 será de 73,4% do PIB, uma loucura!

Mas, temos gastos fora do orçamento que não entram nessa conta. Para tanto transferiu 500 bilhões de reais para o BNDES em títulos. Como se tivesse realmente esse dinheiro. Fora as operações anticíclicas da Caixa e do Banco do Brasil. A quem pertencerá essa conta? E as operações feitas com o dinheiro do FGTS? Quem pagará? Quem reporá o dinheiro no Fundo do Trabalhador?

E a necessidade de capitalização da Petrobras fruto da pilhagem e da incompetência? Como será? O governo Dilma conseguiu colocar a Petrobras no limiar da recuperação judicial, coisa impensável para uma empresa desse porte.

O enfraquecimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e as suas brechas, que terão que ser tampadas, contribuíram para isso. Mas a verdadeira responsável foi a presidente. Não são só as pedaladas, mas trata-se do maior descalabro fiscal da história econômica brasileira, nunca antes registrada.

O efeito é que as quedas do PIB em 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou na Grande Depressão de 1930 e 1931, que foi de 2,1% e 3,3%.

Assim o impeachment foi justo e com razões de sobra. Dilma levou o país para o precipício, mesmo tendo recebido um país ainda equilibrado, com problemas que poderiam ser consertados.

O pior ficou para Temer que terá que tomar medidas duras para tornar, de novo, o país viável. Mas a máquina do antigo governo, ligado a ela, tentará passar para o povo que ele, e não ela, é o verdadeiro culpado.

Mudando de assunto, vi nos jornais que o secretário Simplício Araújo, esteve com o ministro da Defesa tratando sobre o ITA. Ótimo, embora muita coisa tenha acontecido desde que começamos essa luta há um ano atrás. É uma pena que não tenha nos procurado pois acabou falando em UEMA quando a UFMA já enviou o nome dos seus professores para participar, junto com os professores do ITA do currículo do primeiro curso de Engenharia Aeroespacial, dentro da parceria já estabelecida entre o ITA e a UFMA.

 Junte-se a nós, secretário, estamos à disposição. Nesta semana estarei com o ministro Jungmann, em audiência anteriormente marcada, para outras providências sobre o ITA de Alcântara. Juntos seremos sempre mais fortes.

 

Os comentários estão desativados.