Família é informada que filho de brasileira alistado no EI morreu

0

uol

“Brian está no paraíso.”

Folha de São Paulo – Com essa mensagem, recebida em seu celular, Bruna soube que seu irmão, o militante belga Brian de Mulder, havia sido morto na Síria. Brian é filho da brasileira Ozana Rodrigues. Nas fileiras do Estado Islâmico, foi conhecido como Abu Qassem Brazili (“Abu Qassem Brasileiro”, em árabe).

Caso a informação seja confirmada, ele terá morrido aos 22 anos.

Há casos de outros extremistas que foram considerados mortos e que, tempos depois, reapareceram. A tática ajuda, por exemplo, a camuflar suas movimentações.

Mas Bruna diz ter recebido uma fotografia de seu irmão “sem cor e com os lábios roxos”. “Não tenho dúvida.”

Já a mãe falou à Folha que de fato recebeu a informação, mas que a falta de confirmação por algum governo torna mais difícil aceitar a perda. “É difícil acreditar. Não enterrei ele.”

Nascida no Rio e hoje moradora da Antuérpia, ela diz que com o tempo aprendeu a lidar com a inevitabilidade da morte do filho no conflito sírio, que se arrasta desde 2011. “É melhor que ele tenha morrido do que saber que está envolvido no ataque em Paris.”

Agora, Ozana diz se preocupar com a neta, que vive na Síria. “Tenho medo de que aconteça alguma coisa com essa criança. Estão atacando a Sír

WHATSAPP

A mensagem anunciando a morte de Brian foi enviada a Bruna por Sara, mulher com quem ele se casou na Síria.

A história foi reforçada também por Guy Van Vlierden, um jornalista local especializado na cobertura da radicalização de belgas.

Sara parecia feliz, via Whatsapp, e afirmava que Brian –com quem se casou no início de 2014– havia morrido como mártir. O militante foi, segundo informações preliminares, ferido em local próximo a Deir Ezzor, na Síria, no início de outubro. A mensagem sobre sua morte foi enviada no fim do mês.

“Não vi nenhum pingo de tristeza nela. Ela também não vê a hora de morrer”, diz Bruna. “Bloqueei o contato. Não consigo entender como ela pode estar feliz com uma coisa que é tão dolorosa.” Continue lendo aqui:

Os comentários estão desativados.